Imagem da matéria: Solana (SOL) detalha pela primeira vez como foram as 17 horas da rede fora do ar
Foto: Shutterstock

A Solana Foundation, empresa por trás da criptomoeda SOL, deu detalhes sobre o ataque que deixou a sua rede fora do ar por mais de 17 horas há exatamente uma semana, no dia 14 de setembro. 

Essa é a primeira análise oficial publicada desde o ocorrido. No texto, a empresa confirmou que foi um ataque de negação de serviço (DDoS) que provocou a paralisação do seu ecossistema. 

Publicidade

Nesta ofensiva, uma rede é inundada por um número de acesso ou transações muito superior ao que consegue processar, saindo do ar como consequência. O ataque DDoS à Solana, no entanto, pode ter sido mais um acidente do que uma ação maliciosa. 

“O Grape Protocol lançou seu IDO no Raydium, e os bots geraram transações que inundaram a rede. Essas transações resultaram num estouro de memória, o que fez com que muitos validadores travassem, forçando a rede a ficar mais lenta e, eventualmente, parar”,  explicou a empresa.

Naquele momento, bots tentaram enviar mais de 300 mil transações por segundo, sendo que a Solana só consegue processar 65 mil transações no período. A rede saiu do ar quando os validadores não conseguiram chegar a um acordo sobre o estado da blockchain, o que impediu a criação de novos blocos. 

Na análise do caso, a empresa explicou exatamente o que aconteceu naquele momento: “As transações inundaram um sistema conhecido como fila de encaminhamento, fazendo com que a memória usada por essa fila crescesse sem limites. As transações codificadas em blocos exigiam muitos recursos para serem processadas”. 

Publicidade

Em meio a esse crescimento desordenado das filas, os validadores propusessem uma série de bifurcações. A análise aponta que a criação das cadeias paralelas causou um novo problema à medida que “os processadores dos produtores de blocos começaram a ficar sem memória e travar, e ao reiniciar a rede, eles foram incapazes de processar todas as bifurcações propostas a tempo de se manter em consenso com o resto da rede”.

Como a comunidade da Solana resolveu o problema

Naquelas horas iniciais, os validadores da Solana se reuniram no Discord para resolver de forma definitiva o problema na rede e propuseram  um hard fork da rede a partir do último slot confirmado.

Para fazer essa atualização, era necessária a participação de pelo menos 80% dos validadores para atingir o consenso exigido — um processo que demorou 14 horas.

“Engenheiros do mundo inteiro trabalharam juntos para escrever códigos para mitigar o problema e coordenar uma atualização e reinicialização da rede entre mais de mil validadores”, explica a nota da Solana. A empresa admite que todo o esforço de recuperação da rede foi liderado pela própria comunidade que se baseou nas orientações descritas na documentação do protocolo.

Publicidade

Segundo a fundação por trás da SOL, a demora para resolver o problema foi resultado da própria descentralização da projeto que exige que a comunidade atinja consenso antes de qualquer alteração importante.

“Se a Amazon Web Services falhar, os usuários precisam confiar na Amazon para trazê-la de volta ao estado normal. O crédito e a obrigação de restaurar as operações de rede em qualquer blockchain estão nas mãos da comunidade”, diz a nota.

Por fim, a empresa agradeceu a ajuda dos validadores e informou que um relatório técnico mais detalhado deve ser lançado ainda nas próximas semanas.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Cocriador da Samourai Wallet deve sair da prisão em breve e se declarar inocente

Cocriador da Samourai Wallet deve sair da prisão em breve e se declarar inocente

Defesa e promotoria debatem se réu pode esperar julgamento em Portugal onde morava ou se deve ficar em Nova York
Jerome Powell, presidente do Fed, mostrado em tela de computador

O que o discurso do presidente do Federal Reserve hoje significa para o Bitcoin?

“Acreditamos que o fundo do poço ficou para trás ou muito próximo e recomendamos aumentar a exposição à medida que o Bitcoin ganha impulso”, disse um analista
Imagem da matéria: Novo ETF lançado nos EUA permite apostar contra as ações da Coinbase

Novo ETF lançado nos EUA permite apostar contra as ações da Coinbase

O novo fundo sobe quando a Coinbase cai e também gera renda passiva para os investidores
Pessoa segura smartphone com logo BUSD com as mãos apoiado em uma mesa

SEC encerra investigação sobre stablecoin da Binance sem ações de penalidade

A SEC alegou que a stablecoin BUSD era um valor mobiliário em um processo movido contra a Binance no ano passado