Imagem da matéria: Sócio do Alaska, do polêmico Henrique Bredda, entra em fundo de criptomoedas
Foto: Shutterstock

Um dos sócios-fundadores da Alaska Asset Management Ney Miamoto deixou suas funções executivas na corretora no começo de fevereiro para ingressar no mercado cripto.

Miamoto assume a área de relações com investidores do braço digital da BLP Asset, ao lado dos sócios Glauco Cavalcanti, Axel Blikstad e Alexandre Vasarhelyi, que abriram o negócio em 2018, conforme antecipado pelo jornal Valor Econômico

Publicidade

Apesar de se afastar da gestão da Alaska, o empresário mantém a sociedade com Luiz Alves Paes de Barros e Henrique Bredda, com quem fundou a corretora há seis anos, segundo informação dada pela empresa.

Bredda é o autor de um tweet famoso na comunidade de criptomoedas. Em dezembro de 2018, ao ser questionado sobre o Bitcoin, ele respondeu:

“Bitcoin?! Pra q complicar? Sai dessa”.

Posteriormente, a mensagem foi apagada.

A Alaska estava na crista da onda em 2019, quando um de seus fundos, o Alaska Black FIC FIA – BDR Nível I, chegou a acumular uma valorização digna do mercado de criptomoedas: 700% em quatro anos.

Outro fundo, o Alaska Black Institucional FIA também não decepcionou, crescendo de 2017 a 2019, mais de 160%.

Alaska em crise na pandemia

Mas todo esse rendimento virou pó na pandemia da covid-19, fazendo com que investidores zerassem posições. 

A tempestade perfeita que atingiu as carteiras da Alaska uniu a queda forte das ações ligadas a consumo e commodities, a aposta do governo na redução de juros e a alta do dólar. 

Publicidade

No início da crise sanitária, em março de 2020, a linha Black chegou a ter perdas de até 49%, superando o Ibovespa, que também derreteu nesse período.

Descontentes, investidores foram bater na porta favorita do polemista Bredda: sua rede social. Foram tantos conflitos online que o empresário acabou apagando seus posts e se afastando de sua conta no Twitter, onde chegou a ter mais de 350 mil seguidores.

Na época, ele disse à Exame que fez um “stop mais para repensar”. “A gente está em um momento de reavaliar qual o melhor canal, qual a melhor forma e qual o chapéu vestir: se sou eu, na pessoa física, se o foco é educação financeira, se é mais uma conversa profissional de gestão. Então, eu mantenho o Instagram ativo”, disse. Hoje, apenas 181 mil pessoas ainda o seguem no Twitter, mas seu Instagram continua animado, com mais de 363 mil seguidores.

VOCÊ PODE GOSTAR
homem segura com duas mãos uma piramide de dinheiro

Polícia do RJ investiga grupo acusado de roubar R$ 30 milhões com pirâmide financeira

Para ganhar a confiança dos investidores, a empresa fraudulenta fazia convites para assistir jogos de futebol em camarote do Maracanã
Imagem da matéria: Times de futebol vão distribuir NFTs ao longo do Brasileirão; Veja como ganhar

Times de futebol vão distribuir NFTs ao longo do Brasileirão; Veja como ganhar

Atlético-MG, Bahia, Flamengo, Fluminense, Palmeiras, Internacional, São Paulo e Vasco da Gama são times que integram a nova campanha da Chiliz
Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó do Bitcoin"

Livro sobre a ascensão e a queda do “Faraó do Bitcoin” chega às livrarias em maio

Os jornalistas Chico Otávio e Isabela Palmeira contam sobre o golpe de R$ 38 bilhões do Faraó do Bitcoin que usou criptomoedas como isca
Homem aponta controle para TV que emerge imagens em 3D

‘TV 3.0’ que chegará ao Brasil em 2025 vai precisar de internet ou conversor? Entenda

Novo sistema de transmissão para TVs promete enviar som e imagem com qualidades maiores, além de maior interatividade com o espectador