Imagem da matéria: Sobrinho de Bolsonaro vai ser investigado pela PGR por pedir doação em bitcoin
Sobrinho de Bolsonaro Leo Índio (Foto: Reprodução/Instagram)

Leonardo Rodrigues de Jesus, o Léo Índio, que nas redes sociais se apresenta como “sobrinho do presidente” Jair Bolsonaro, virou alvo de uma investigação acerca dos atos de 7 de Setembro. Segundo a Folha, o órgão vai apurar a organização e financiamento das manifestações e os ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF), apoiada por Leo, que pediu doações em bitcoin.

No final de agosto, Leo pediu doações no Instagram: “7 de setembro vai ser gigante! Contribua com a manifestação em bitcoin”, publicou ele na época. Por conta disso, o ministro do STF, Alexandre de Moraes, bloqueou suas contas nas redes sociais e autorizou que a Polícia Federal tomasse seu depoimento.

Publicidade

Ainda de acordo com a reportagem, Moraes acatou o pedido e também ordenou às plataformas Facebook, Instagram, Twitter e Youtube que bloqueassem as contas usadas para arrecadação divulgadas pelo investigado.

A Folha também divulgou um trecho do pedido da PGR que diz:

“O quadro probatório demonstra a atuação de Marcos Gomes (Zé Trovão) e Leonardo Rodrigues de Jesus, conhecido como Léo Índio, na divulgação de mensagens, agressões e ameaças contra a democracia, o Estado de Direito e suas instituições que, na conclusão da Procuradoria-Geral da República, é mais do que suficiente para justificar as medidas cautelares”.

Pedido de doações em Bitcoin

Quando Léo Índio passou a pedir doações em bitcoin, ele alegou que a alternativa se deu por conta do bloqueio determinado por Moraes de uma conta bancária ligada a uma chave Pix, usada para angariar fundos. Tanto o ministro quanto a PGR entenderam se tratar de financiamento para atos criminosos e violentos.

“O supremo togado, cabeça de ovo, está mandando bloquear os PIXs que arrecadam para o dia 7 de setembro! Por enquanto a chave PIX [email protected] está funcionando, mas caso tenha problemas, criamos essa nova forma de contribuição!”, escreveu o sobrinho do presidente na época em sua conta no Instagram.

Publicidade

A carteira de bitcoin informada por Léo Índio, cujo endereço é “abc1q734wusfg95yzg2at777d7lu7cmd3e3ymlzz4g8”, recebeu R$ 6.750 em BTC, conforme mostram dados no blockchain do Bitcoin. Posteriormente, os fundos foram usados, restando apenas ฿ 0.00001208 BTC (cerca de R$ 2,60).

Sobre o parentesco de Leonardo Rodrigues de Jesus com a família Bolsonaro, o UOL apurou que ele é filho do militar e ex-professor do Instituto Militar de Engenharia, Cláudio Márcio Rodrigues de Jesus, e da pianista e missionária Rosemeire Nantes Rodrigues, irmã de Rogéria Nantes, mãe dos três filhos mais velhos de Jair Bolsonaro.

VOCÊ PODE GOSTAR
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
Criador do Twitter e da Square, Jack Dorsey em palestra no TED

Preço do Bitcoin atingirá US$ 1 milhão até 2030, diz Jack Dorsey

Em uma entrevista recente, o cofundador do Twitter e da Block argumentou que o Bitcoin poderia atingir US$ 1 milhão e ir “além” no futuro
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube