Imagem da matéria: Site de apostas esportivas trava saques e usuários recorrem ao Reclame Aqui
Imagem ilustrativa (Foto: Shutterstock)

Brasileiros que usam o Brazino777 – site que oferece cassino online e apostas esportivas – estão reclamando de problemas com saques e depósitos, além de falta de suporte. Só na plataforma de defesa do consumidor Reclame Aqui há quase 60 reclamações. Faz cerca de 30 dias que a empresa, que tem escritórios no Chipre (Europa) e em Curaçao (Caribe), não responde a uma queixa.

Um cliente de São Paulo, por exemplo, não recebeu até o momento um saque pedido no dia 21 de março. Em sua reclamação, registrada na segunda-feira (12), ele afirma que o suporte lhe dá 24 horas para resposta, seguido depois de mais 24 horas.

Publicidade

“Eu só quero que meu problema seja resolvido o mais rápido possível porque eu não quero esperar mais 15 dias”, escreveu.

Outro cliente do Rio de Janeiro, que registrou uma queixa na última quinta-feira (08), afirmou que seu problema é no depósito: “Desde 21/02 sem receber meu depósito”.

Também do Rio de Janeiro, um jogador diz que fez dois depósitos de R$ 1000; um foi efetivado, o outro não. Até o momento, a ocorrência, que foi registrada no começo de fevereiro, ainda está em réplica no RA.

Tem também uma uma pessoa de Tupã (SP), que afirma que está recebendo boletos da empresa em seu email mesmo sem nunca ter sido cliente. “Quero que parem de enviar email com boleto de cobrança de vocês!”, disse na queixa do dia 03 deste mês.

Publicidade

Pix de R$ 500 não creditado

As reclamações também envolvem depósitos feitos por meio do Pix, meio de pagamento eletrônico do Banco Central.

“Fiz um pix de 500 reais e não foi creditado”, reclamou um cliente de Divinópolis (MG) no dia 30 de março. Conforme mostra o Reclame Aqui, ele não foi respondido até então. Em sua queixa, ele diz que já conhecia o histórico da plataforma, mas que mesmo assim fez o depósito.

“Não creditaram na minha conta, não resolvem, ninguém sabe de nada, eu pedi para estornarem meu dinheiro e não o fizeram, eles vão ter problemas com isso, não vão ficar assim”, escreveu.

Um caso mais complexo ocorreu com um cliente de Belford Roxo, também município do Rio de Janeiro. Segundo a queixa, o cliente depositou R$ 100 reais e recebeu o mesmo valor de bônus, ficando com R$ 200 disponíveis para apostar; ele então jogou e ganhou, ficando com R$ 300.

“Precisei do dinheiro, tentei sacar, falaram que por causa do bônus eu não podia, aí desisti do bônus”, disse, acrescentando que não chegou a usar o benefício.

Publicidade

Para não ficar no prejuízo, ele aceitou receber somente os R$ 100 de volta, mas disse que está “em uma luta pra sacar”, pois a empresa vive “dando desculpas” e agora disse que ele tem que “apostar 20%”. “Estou vendo que estão tentando forçar eu perder todo meu dinheiro para não pagarem”, completou.

Há reclamações também em um suposto perfil da empresa no Facebook, que mostra que o problema não é recente. “Pior site de apostas de todos. Depositar voce consegue aos montes, agora quando vai sacar é uma farsa. Isso quando seu saldo não some kkkkkkk”, escreveu em agosto do ano passado o usuário Samir Albuquerque.

Brazino 777 não fica no Brasil

Apesar do nome Brazino lembrar o termo ‘brazuca’, gíria usada para se referir ao cidadão brasileiro, a empresa tem escritórios no Chipre (Europa) e em Curaçao (Caribe). Não há filial no Brasil. Para usuários daqui, o único meio de contato é um email de suporte.

Em seu site, a empresa se apresenta como “Brazino777 Esporte Betting e Plataforma de Cassino Online” e aceita vários tipos de depósito, inclusive em bitcoin.

Vale lembrar que em 2018 o então presidente Michel Temer sancionou a Lei nº 13.756/2018 que permite apenas apostas online cujo o montante que o apostador vai receber já é conhecido no instante da operação, ou seja, as apostas de quota fixa. Os jogos de azar ainda são proibidos no Brasil.

Publicidade

Procurada através do email de suporte para comentar o assunto, a Brazino 777 não respondeu à reportagem até a publicação deste texto.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin

Gilmar Mendes mantém prisão de Glaidson Acácio dos Santos, criador da GAS Consultoria

A defesa do ‘Faraó do Bitcoin’ alegou problemas psiquiátricos e uso de medicamento controlado, além de questionar a jurisdição acerca da competência para os processos
Fachada do MPDFT - Facebook

PM que atraía colegas de farda para pirâmide com criptomoedas é alvo do MP do DF

O policial militar e um grupo suspeito de pessoas e empresas teriam aplicado um golpe de R$ 4 milhões; alvos do MPDFT são do DF e GO
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos