Imagem da matéria: Sem revelar onde estão, irmãos acusados de desviar US$ 3,6 bilhões em criptomoedas dizem que valor foi bem menor
Criadores da Africrypt Ameer Cajee (esquerda) e Raees Cajee (direita). (Foto: Divulgação)

Os irmãos sul-africanos Raees Cajee, 20 anos, e Ameer Cajee, 17 anos – acusados de aplicar um golpe de US$ 3,6 bilhões por meio da suposta corretora Africrypt — disseram ao The Wall Street Journal na segunda-feira (28) que o real valor perdido por eles é menos de 1% da quantia divulgada.

“No auge do mercado, administrávamos pouco mais de US$ 200 milhões”, falou Cajee ao veículo, citando que o montante desaparecido hoje é de apenas US$ 5 milhões. O valor de US$ 3,6 bilhões havia sido informado por advogados das vítimas.

Publicidade

Em abril deste ano, os irmãos disseram que a Africrypt fecharia as portas porque havia sido hackeada. Logo depois do anúncio, no entanto, eles supostamente transferiram as criptomoedas das vítimas para um mixer – serviço que permite a ocultação da origem dos ativos digitais – e sumiram do mapa.

Sem revelar onde estão, eles falaram para o veículo que fugiram porque estavam recebendo ameaças de morte.

“Lidamos com muitos sul-africanos de alto nível, como políticos, empresários e celebridades. Algumas pessoas particularmente muito perigosas – que não sabíamos que eram clientes – começaram a sair da linha.”

Ao jornal, eles também falaram que planejam voltar à África do Sul no dia 19 de julho para prestar esclarecimentos sobre o caso. No país, a situação da corretora é investigado pela unidade de investigação da força policial nacional, chamada Hawks.

Promessa de lucro

A Africrypt foi fundada pelos dois irmãos em 2019 com a missão de ser uma “forma fácil de entrar no mundo das criptomoedas” e de levar liberdade financeira para a população.

Publicidade

Mesmo sem conhecimento no mercado financeiro, eles captavam recursos de investidores e prometiam supostos retornos mensais que variavam de 3% a 11%.

O negócio ruiu em abril por causa do suposto hack. Após o ataque, os dois pediram para os clientes não procurarem a Justiça, pois isso poderia atrapalhar a recuperação dos fundos. No entanto, eles supostamente transferiram os recursos para um mixer.

Por causa do anúncio, clientes entraram na Justiça. No dia 26 de abril, o Tribunal Superior de Gauteng South concedeu uma ordem de liquidação provisória em favor das vítimas, que deveria ser paga pelos acusados até o dia 19 de julho.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

O jogador do Atlético Mineiro está desde o ano passado atrás dos valores investidos na WLJC Gestão Financeira através de Bigode
Imagem da matéria: Veja quem são as 22 pessoas mais ricas do setor de criptomoedas em 2024

Veja quem são as 22 pessoas mais ricas do setor de criptomoedas em 2024

Conheça as pessoas mais ricas do mercado cripto que apareceram na lista de bilionários da Forbes de 2024
Imagem da matéria: Hackers invadem prefeitura, roubam R$ 6 milhões da Caixa e convertem fundos em criptomoedas

Hackers invadem prefeitura, roubam R$ 6 milhões da Caixa e convertem fundos em criptomoedas

PF faz operação nesta manhã contra grupo que sacou dinheiro da Caixa após invadir o sistema GovConta da prefeitura de Telêmaco Borba (PR)
Imagem da matéria: Conheça o dispositivo que pode guardar Bitcoin, jogar e ganhar airdrops enquanto você dorme

Conheça o dispositivo que pode guardar Bitcoin, jogar e ganhar airdrops enquanto você dorme

O BitBoy One, semelhante ao Game Boy, é um dispositivo portátil para permite jogar e armazenar Bitcoin