Senado, Congresso, Câmara dos Deputados, Brasília, Parlamento
Foto: Shutterstock

A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados aprovou um requerimento para que a entidade faça uma audiência pública para debater a proposta de obrigatoriedade de segregação patrimonial em corretoras de criptomoedas.

A segregação está prevista no Projeto de Lei 4932/2023, feito pela CPI das Pirâmides Financeiras. Ainda não foi definida uma data para a realização da audiência. 

Publicidade

O requerimento foi feito pelo deputado Aureo Ribeiro (Solidariedade/RJ), que foi presidente da CPI das Pirâmides Financeiras, e aprovado em sessão da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados na quarta-feira (10). O pedido teve apenas uma alteração, que foi a inclusão da Febraban (Federação Brasileira de Bancos) como parte que irá participar do debate na audiência. 

Com isso, irão participar da audiência sobre a segregação no mercado cripto os seguintes executivos e servidores: 

  • Antônio Marcos Guimarães, responsável pela regulação específica derivada da Lei 14.478/2022 do Banco Central do Brasil;
  • Bruno de Freitas Gomes, Superintendente de Securitização e Agronegócio da Comissão de Valores Mobiliários;
  • Alexandre Serra do Ministério Público Federal;
  • Guilherme Melo, Secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda;
  • José Luiz Rodrigues da Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs);
  • Bernardo Srur da Associação Brasileira da Criptoeconomia (ABCripto);
  • Representante da Febraban a ser definido.

Na justificativa para requerer a audiência, o deputado Aureo Ribeiro disse que a CPI das Pirâmides Financeiras identificou práticas adotadas por determinadas exchanges em operação no Brasil que despertam graves preocupações.

“Nossa conclusão é a de que, para aumentar a proteção de investidores em criptoativos e reduzir o risco de que operações com tais ativos sejam usadas irregularmente, por exemplo, com intuito de lavagem de dinheiro ou remessa ilegal de recursos para o exterior, é fundamental aprimorar a legislação aplicável ao setor”, afirma Aureo.

O parlamentar disse que atualmente não há segurança para o investidor de que o dinheiro que aplicou na corretora não será utilizado para, por exemplo, quitar dívidas da própria empresa.

Publicidade

Aureo citou especificamente o caso das contas-ônibus, quando instituições de pagamento contratadas por corretoras mantém o dinheiro de todos os clientes na mesma conta.

“Nas contas-ônibus, recursos depositados por um investidor podem ser sacados por outros investidores (ou seja, para quitar obrigações da própria instituição de pagamento). É preciso evitar que isso ocorra dentro da corretora, como forma de proteger investidores e estimular o crescimento dos mercados de criptoativos”, diz.

Segregação patrimonial no PL 4932/2023

O projeto de Lei 4932/2023 tem como objetivo alterar a redação da Lei 14.478, já sancionada e que ficou conhecida como Marco Legal dos Criptoativos. A proposta da CPI das Pirâmides Financeiras é criar regras claras de segregação patrimonial entre cliente e corretora.

Caso aprovado, o PL iria fazer com que o Marco Legal tenha o adendo de que os “ativos virtuais e demais bens e direitos mantidos por cada usuário junto a prestador de serviços de ativos virtuais constituem patrimônio separado, que não se confunde com o do prestador de serviços”.

Publicidade

Na prática, isso significaria que o bens de clientes não podem ser alvo de arresto contra a empresa, não podem ser usado para quitar dívidas com credores em casos de recuperação judicial ou falência, e não podem ser dados como garantia.

Empresas opinam sobre segregação

Após a aprovação da Lei 14.478, o Poder Executivo determinou que o Banco Central é o regulador desse setor e deve criar as regras para o mercado. O BC, por sua vez, começou a fazer consultas públicas para saber das partes interessadas quais são as boas práticas que podem ser adotadas.

A primeira consulta terminou no dia 31 de janeiro e o tema da segregação foi amplamente debatido.

Apesar de darem diferentes versões de como realizar a segregação, a maioria das empresas que responderam à consulta se mostraram a favor desse tipo de solução para proteção dos clientes.

O Mercado Bitcoin (MB), por exemplo, defendeu na época a segregação para que os recursos e ativos virtuais não sejam utilizados pela VASP para honrar suas obrigações, inclusive em caso de insolvência. “Diferentemente do regime jurídico de depósito bancário, as VASPs não podem utilizar os recursos e ativos dos clientes como se seus fossem”, disse a exchange.

Para a empresa, algumas das práticas que podem ser adotadas para realizar a segregação são:

1) Adotar regime contábil no padrão COSIF para demonstrar que os ativos virtuais estão segregados;

2) Exigir que a VASP tenha políticas, controles e procedimentos para garantir a segregação patrimonial, sujeitos a análise de auditoria independente para verificar que os saldos das wallets batem com os controles de titularidade individualizados;

Publicidade

3) Permitir que a VASP custodie os ativos virtuais dos clientes em contas/wallets omnibus (coletivas), adotando medidas para registrar e manter atualizado o controle de titularidade dos ativos virtuais, por meio de controles, processos e políticas, bem como realizar o monitoramento de PLD/FTP dos clientes;

4) Fazer com que a VASP forneça aos clientes, sempre que solicitado, extrato dos ativos virtuais custodiados.

Essa visão foi compartilhada pela Coinbase na ocasião, que concorda que deve haver a segregação patrimonial, defendendo que “quando a propriedade dos ativos do cliente é claramente identificada no registro interno de uma VASP, a VASP geralmente pode obter benefícios de segurança e eficiência armazenando esses ativos do cliente em uma carteira coletiva – omnibus on-chain wallet”.

“Embora os ativos em uma carteira coletiva pertençam a vários clientes, o registro interno de uma VASP deve refletir a propriedade individual de cada cliente do conteúdo da carteira”, avalia a exchange.

A Associação Brasileira de Criptoeconomia (Abcripto) complementa dizendo na consulta pública que “do ponto de vista operacional, entendemos que as segregações (i) contábil e (ii) via contas de registro são medidas suficientes e efetivas, em se tratando da segregação de ativos virtuais”.

Em geral, as respondentes avaliam que a melhor forma de segregar o patrimônio dos clientes é criar uma conta coletiva e que dentro dela existam mecanismos para diferenciar quais recursos pertencem a quais clientes.

Como avalia o BTG Pactual em sua resposta, realizar a individualização das wallets “é um método custoso e pouco funcional de segregação”. Isso ocorre porque cada VASP teria que contar com uma plataforma muito mais robusta para dar conta da quantidade de carteiras que teria que administrar.

Publicidade

A B3, apesar de concordar, não comenta sobre a criação de carteiras individuais ou coletivas, mas diz que, do ponto de vista jurídico, a segregação efetiva do patrimônio pode ser alcançada por meio de uma legislação específica.

“Esse regime legal deve assegurar que os recursos e ativos virtuais dos clientes administrados por essas entidades não sejam confundidos com o patrimônio da prestadora de serviço, nem sejam utilizados para responder por suas obrigações perante terceiros”, afirma a operadora da Bolsa de Valores.

Destoando de outras empresas e associações, a Binance disse na consulta pública que a segregação “pode não significar um efetivo gerenciamento de riscos na prática”, e defendeu o que chamou de “abordagem holística” da preservação do dinheiro de clientes, de forma que não se limite os ganhos de eficiência advindos da tecnologia blockchain.

*Atualização: Após a publicação desta reportagem, a Binance enviou a seguinte nota:

“A Binance entende que as exchanges devem manter os ativos virtuais dos clientes em contas segregadas, separadas das contas de ativos da própria empresa, e possuir uma infraestrutura de carteira própria para a proteção dos ativos, como já adota em todo o mundo. Além disso, defende que cada cliente deve ter uma conta com identificador único (UID) onde seus saldos são registrados, e também considera fundamental a implementação de medidas adicionais, como a Prova de Reservas similar ao adotado pela Binance, para garantir ao usuário segurança e transparência acima da média adotada e/ou sugerida pelo mercado. O mecanismo de Prova de Reservas baseado em uma árvore Merkle, permite que os usuários verifiquem se seus ativos estão protegidos e disponíveis na plataforma, e permite que cada usuário possa periodicamente verificar seus ativos usando seu próprio ID de registro/hash Merkle gerado.

VOCÊ PODE GOSTAR
Celular com logotipo da BInance

Binance anuncia fim do suporte a uma stablecoin que afetará pares com Bitcoin e Ethereum

A exchange também anunciou a listagem de novos pares de negociação com Lira turca
Senado, Congresso, Câmara dos Deputados, Brasília, Parlamento

Projeto de Lei quer proibir uso de criptomoedas fruto de crimes durante processo penal

Deputado autor do PL afirma que em muitos casos, mesmo durante a investigação, acusados continuam a movimentar recursos do crime
Imagem da matéria: Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Em um processo judicial, a SEC argumentou que a Coinbase não pode exigir que o regulador escreva novas regras para o setor cripto
Alexander Vinnik sendo escoltado para um tribunal na Grécia em 2017

Fundador da BTC-e se declara culpado de lavar R$ 45 bilhões em criptomoedas

A exchange do russo Alexander Vinnik teria processado entre 2011 e 2017 mais de um milhão de transações de usuários em todo o mundo, incluindo clientes dos EUA