Imagem da matéria: SEC processa plataforma descentralizada que concorre com Youtube
SEC, Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (Foto: Shutterstock)

A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) comunicou na segunda-feira (29) a abertura de uma ação civil por oferta ilegal de valores mobiliários contra a LBRY Inc, empresa com sede em New Hampshire que fornece aplicativo de compartilhamento de videos semelhante ao Youtube, porém de foram descentralizada. Segundo o órgão, desde de 2016 a empresa tem vendido ativos digitais ’LBRY Credits’ (LBC) em dólar e bitcoin para vários investidores, incluindo cidadãos americanos.

“A LBRY não apresentou uma declaração de registro para a oferta, e que a oferta não satisfez qualquer isenção de registro”, diz a nota da autarquia na segunda-feira (29), que acrescenta: “A SEC busca medida cautelar permanente, indenização e penalidades civis”.

Publicidade

De acordo com a SEC, ao não apresentar uma declaração de registro, a LBRY negou aos investidores informações exigidas para tal oferta ao público. Como alegado, acrescentou, a LBRY recebeu mais de US$ 11 milhões, Bitcoin, bem como serviços de compradores que participaram de sua oferta.

Conforme descrição da LBRY sobre seu aplicativo de conteúdo digital, as publicações são feitas de forma descentralizada e os tokens LBC são usados tanto para o usuário publicar quanto comprar conteúdo. Logo, a SEC entendeu que quando os dólares são negociados com os LBCs há uma oferta de valor mobiliários e isso requer registro ou dispensa da autarquia.

Empresa se defende

Em sua defesa, a LBRY publicou um comunicado onde considera a investida da SEC uma ameaça para toda a indústria de criptomoedas, e revelou que o órgão investiga a empresa há mais de três anos. Disse também que, por se tratar de um produto descentralizado, mesmo que a SEC o proíba, “a rede LBRY continuará a funcionar e crescer por meio do esforço da comunidade LBRY distribuída”.

Disse também não se tratar de fraude:

“A SEC acredita que os créditos LBRY são títulos e deveriam ter sido registrados no órgão antes da venda. Este caso é sobre excesso de regulamentação. A SEC não está alegando fraude e não está cobrando nenhum indivíduo”.

Publicidade

Recentemente o LBRY mudou de nome — para Odysee — mas continua com a mesma proposta, ou seja, uma alternativa ao Youtube, como citou uma vez Roger Ver, propagador do Bitcoin Cash (BCH) e presidente executivo do Bitcoin.com, quando teve um banimento seguido por um restabelecimento do seu canal.

Na ocasião, em meados de junho do ano passado, Ver disse que era hora de considerar plataformas alternativas de streaming para compartilhamento de vídeo “resistentes à censura”, citando além da LBRY, a memo.cash.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos cripto brasileiros ficam pela segunda semana consecutiva atrás apenas dos EUA em captação
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Fundador da FTX recorre de sentença de 25 anos e Bitcoin (BTC) estaciona em US$ 70 mil

Manhã Cripto: Fundador da FTX recorre de sentença de 25 anos e Bitcoin (BTC) estaciona em US$ 70 mil

Mercado de criptomoedas opera sem tendência definida nesta sexta-feira (12), apesar do fluxo negativo de fundos com exposição direta ao Bitcoin
Brad Garlinghouse, CEO da Ripple , posa para foto

Mercado de criptomoedas vai valer US$ 5 trilhões até final do ano, prevê CEO da Ripple

Brad Garlinghouse justifica seu otimismo pelo halving do Bitcoin e um possível impulso regulatório positivo do mercado cripto nos EUA
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) cai para US$ 69 mil e mercado reduz apostas em ETF de Ethereum

Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) cai para US$ 69 mil e mercado reduz apostas em ETF de Ethereum

Quedas resultaram em quase US$ 200 milhões em posições de derivativos alavancadas liquidadas em diversos criptoativos, segundo CoinGlass