Imagem da matéria: Réu no caso Minerworld também é investigado por fraude de licitações em prefeitura
(Foto: Divulgação)

Ivan Félix de Lima, que integrava o grupo de elite da suposta mineradora de bitcoin, Minerworld, e é réu no processo que investiga a empresa por pirâmide financeira, também está envolvido no suposto esquema de fraude em licitações na prefeitura de Dourados, município no Mato Grosso do Sul, reportou o Midiamax.

Lima, que fazia parte da nata de um grupo dos 10 líderes, denominado, G10 e ocupava o posto de “black diamante” na empresa (na hierarquia da Minerworld é um dos postos mais importantes) não chegou a ser preso na operação ‘Pregão’, deflagrada no final de outubro, mas era um dos sete alvos do Ministério Público Estadual (MPE-MS), diz a reportagem.

Publicidade

Apesar do MPE-MS ter solicitado a prisão preventiva de Lima, o juiz Luiz Alberto de Moura Filho a negou, pois entendeu que não havia necessidade.

Além do ex-líder da Minerworld, outros dois empresários também tiveram prisão negada.

Ao todo, quatro foram presos na Operação, entre eles Anilton de Souza, Messias José da Silva, o ex-secretário de Finanças da prefeitura, João Fava Neto, braço direito da prefeita Délia Razuk (PR), e a vereadora, ex-secretária de Educação, Denize Portolann (PR), diz o Midiamax.

A Justiça Estadual determinou o bloqueio de R$ 25 milhões de bens de Neto e Portolann. As prisões são preventivas e não há previsão de soltura dos acusados, segundo a reportagem.

Sob acusação, o réu no caso da Minerworld

De acordo com as investigação do MPE-MS, Ivan Félix de Lima seria proprietário da empresa GTX Serviços de Engenharia e Construção Ltda.

Publicidade

Assim como outras empresas, a dele estaria envolvida em um esquema de fraude que consistia em apresentar, em certame licitatório, cotação de valores elevados obtidos por meio de empresas de fachada, diz o site.

Desta forma, dados eram manipulados e licitações canceladas, sem qualquer fundamento, forçando, então, dispensas licitatórias.

O processo segue sob segredo de Justiça.

Pirâmide financeira

Em 17 de abril deste ano, Minerworld, juntamente com a BitPago e BitOfertas, foi alvo do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Os agentes deflagram, então, operações nas cidades de Campo Grande (MS) e São Paulo, cumprindo mandados de busca e apreensão em suas sedes.

O esquema tem como seus principais dirigentes Cícero Saad, Hércules Gobbi e Johnnes Carvalho, que recrutavam pessoas para fazer parte do grupo que, segundo eles, era uma mineradora de bitcoins.

Publicidade

No entanto, a Minerworld, que no final do ano passado já recebia várias reclamações sobre pagamentos não realizados (dos lucros prometidos na pirâmide) alegou ter sido roubada por hackers a quantia de 851 bitcoins que estavam na exchange Poloniex.

A Poloniex não se manifestou sobre o caso e tudo passou a ser investigado como suposta formação fraudulenta de pirâmide financeira.

A operação, chamada ‘Lucro Fácil’, foi solicitada pelo Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPMS) após uma ação cível pública proposta pela 43ª Promotoria de Justiça.

A instituição é responsável pelas atividades de proteção e defesa dos interesses coletivos e individuais do consumidor. O início das investigações deu-se depois da denúncia da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que verificou o público lesado e pediu providências.


BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil
Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

“Parte técnica você descreve como funciona e acabou. Nas vacas sagradas leva um bom tanto de desconstrução de conceitos”, diz Breno Brito
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Ilustração de baleia nadando com moeda de bitcoin em seu interior

Baleia movimenta R$ 321 milhões em Bitcoin pela 1ª vez em uma década

Quando o investidor desconhecido adquiriu os bitcoins em 2013, a cotação do ativo não passava de US$ 120
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira