Imagem da matéria: Resumo do ano das criptomoedas, parte um: NFTs bombam, Terra derrete e Elon Musk compra o Twitter
Shutterstock

O ano de 2022 vai assombrar a indústria das criptomoedas por algum tempo ainda, com dezenas de empresas de alto nível falindo ou demitindo funcionários em meio à queda geral nos preços das principais moedas digitais.

O período festivo oferece uma oportunidade para refletir sobre os pontos altos e (principalmente) baixos do ano. Em nosso resumo de duas partes analisando o ano dos criptoativos, a primeira metade analisa os maiores eventos de janeiro a junho.

Publicidade

Bitcoin mostra otimismo

Apesar de um início de ano difícil, em que vimos o preço de Bitcoin cair de um patamar superior a US$ 46 mil para níveis abaixo de US$ 34 mil em apenas três semanas de janeiro, a principal criptomoeda se recuperou fortemente no final de março, sendo negociada acima de US$ 47 mil no fechamento do primeiro trimestre. 

Após a máxima histórica de novembro de 2021, acima de US$ 69 mil, muitos esperavam outro bom ano para o setor. Essas expectativas não foram aleatórias: afinal, vários desenvolvimentos de infraestrutura vinham acontecendo e as empresas de capital de risco continuavam despejando mais dinheiro na indústria.

FTX é avaliada em US$ 32 bilhões 

Logo após a extensão de US$ 420 milhões para sua arrecadação de fundos Série B em outubro de 2021, a exchange FTX teve um sólido início de ano, angariando US$ 400 milhões em uma rodada Série C, que impulsionou a avaliação da empresa para US$ 32 bilhões.

Os investidores da época incluíam fundos e gestoras como Paradigm, Lightspeed Venture Partners, Temasek, SoftBank Vision Fund 2, IVP, Tiger Global e até mesmo o Ontario Teachers’ Pension Plan Board, demonstrando o alto nível de confiança e credibilidade na corretora criada por Sam Bankman-Fried (SBF)

Publicidade

Como SBF disse à época, a expectativa era que os fundos Série C fossem utilizados para financiar fusões e aquisições. Muitas dessas aquisições realmente aconteceram. Mas, como sabemos agora, a fonte desse financiamento não era Série C e sim dinheiro dos próprios clientes.

Outros usos para esse dinheiro recém-adquirido incluíram filantropia, com a FTX comprometendo em ofertar até US$ 1 bilhão para “projetos ambiciosos a fim de melhorar as perspectivas de longo prazo da humanidade.” 

Mais dinheiro entra no setor cripto

Além do crescimento do grupo FTX, também tivemos o lançamento da FTX Ventures, um braço de capital de risco de US$ 2 bilhões que procurou aproveitar o alcance e os recursos globais em rápido crescimento da FTX, com o foco principal em jogos, bem como aplicações sociais e com foco no consumidor para Web3.

Outros investimentos notáveis no primeiro trimestre de 2022 incluíram o gigante da infraestrutura Fireblocks, que levantou US$ 550 milhões; a Polygon com interoperabilidade e um framework de escalonamento; a empresa de software Ethereum, ConsenSys, ambos fechando rodadas de US$ 450 milhões; a desenvolvedora de NFT e do metaverso, Animoca Brands, que garantiu US$ 358 milhões; a empresa de software blockchain, Alchemy e a startup de games Ethereum NFT, Immutable, ambos arrecadando US$ 200 milhões. 

Publicidade

OpenSea bate recorde de US$ 5 bilhões

O mercado de Tokens Não Fungíveis (NFTs) também bombou, como mostram os indicadores do marketplace OpenSea. O maior mercado do mundo para NFTs e colecionáveis cripto esmagou os seus recordes anteriores em janeiro, registrando mais de US$ 5 bilhões em volume de negociação ns redes Ethereum e Polygon.

O recorde de janeiro continua invicto até esse fim de ano e, tendo em conta os acontecimentos que se seguiram ao longo de 2022, permanece a questão de quando—se em algum momento—ele será quebrado. 

EUA apreendem US$ 3,6 bilhões em Bitcoin roubado da Bitfinex

No dia 8 de fevereiro, o Departamento de Justiça dos EUA, o DOJ, anunciou a apreensão de mais de US$ 3,6 bilhões em Bitcoin ligada ao infame incidente de hacking da exchange Bitfinex, bem como a prisão de um casal de Nova York sob a acusação de conspiração para lavar os fundos roubados.

Embora a apreensão do Bitcoin ligada ao hack da Bitfinex tenha sido, sem dúvida, uma grande notícia em si, a história também rapidamente chamou a atenção do público, dado o estilo de vida bastante opulento e excêntrico dos culpados—Ilya Lichtenstein e sua esposa Heather Morgan. 

Lichtenstein, um americano de origem russa, dava conselhos online sobre tecnologia e finanças. Ele também tinha um canal no YouTube onde atuou como mágico amador e mentalista. Morgan—conhecida como “Razzlekhan” por seus seguidores—tinha um canal no YouTube por conta própria e também trabalhou como colaboradora na Forbes, onde escreveu vários artigos, incluindo um chamado “Proteja sua empresa de cibercriminosos.”

Joe Biden assina ordem executiva cripto

No dia 9 de março, o presidente americano Joe Biden assinou a Ordem Executiva para Garantir o Desenvolvimento Responsável de Ativos Digitais—a primeira abordagem “de todo o governo” para regular a indústria de criptomoedas nos EUA.

A ordem executiva visa abordar várias questões enfrentadas pelo setor cripto, incluindo a proteção ao consumidor, financiamento ilícito, inclusão financeira e “desenvolvimento responsável”.” Também incumbe às agências federais, como a Federal Trade Commission, a SEC e a CFTC, a coordenação dos esforços de supervisão.

A indústria, no entanto, ficou dividida com a medida. De acordo com o CEO da Circle, Jeremy Allaire, a intenção da Casa Branca de usar uma “abordagem de todo o governo para aproveitar as oportunidades ao mesmo tempo que controla e mitiga os riscos inerentes à inovação responsável é encorajadora.” 

O CSO da Human Rights Foundation, Alex Gladstein, por outro lado, apontou que a ordem é “pesada em Moedas Digitais de banco Centrais [CBDCs]” e “não menciona Bitcoin”, sugerindo que não é de todo ruim. A senadora Cynthia Lummis (R-WY) disse que não estava “convencida da necessidade de uma CBDC.”   

Publicidade

Europa aprova legislação sobre criptomoedas

No mesmo mês, a Comissão de Assuntos Econômicos e Monetários do Parlamento Europeu (ECON) passou seu pacote legislativo Markets in Crypto Assets Regulation (MiCA), que, como o projeto de lei de Biden, visa coordenar a abordagem regulatória da UE para a indústria de criptoativos.

Uma das principais prioridades dessa legislação é “garantir que o quadro regulamentar dos serviços financeiros da UE seja favorável à inovação e não constitua obstáculos à aplicação de novas tecnologias.” 

O pacote também visa criar segurança jurídica para a indústria e garantir a estabilidade financeira, que também está ligada ao que tem sido um mercado de stablecoin menos estável.

Em um movimento separado, o Parlamento da UE votou para impor novas medidas regulatórias que essencialmente proibiriam transações anônimas de criptomoedas.

O Terra se afunda

O dramático colapso do ecossistema Terra foi o principal ponto de discussão durante o segundo trimestre do ano, já que a implosão da stablecoin algorítmica UST e seu token irmão LUNA em maio eliminou US$ 40 bilhões em dinheiro dos investidores em uma semana, encolhendo o valor de mercado combinado de todas as criptomoedas em quase US$ 700 bilhões. 

Em meio ao crash, o preço de LUNA, que já foi uma das 10 principais moedas em capitalização de mercado, caiu 100%, a uma fração de um centavo, e o UST, projetado para manter a paridade de 1:1 com o dólar dos EUA, atingiu o fundo do poço a US$ 0,13 centavos. 

Publicidade

Apesar de enfrentar inúmeras investigações sobre o seu colapso, bem como dezenas de processos, Do Kwon, CEO da empresa Terraform Labs, com sede em Singapura, tem negado alegações de que o projeto era uma “fraude.” Ele também alegou que havia perdido pessoalmente quase todo o seu patrimônio líquido no acidente da Terra.

Depois, no final de maio, a comunidade Terra aprovou o relançamento do projeto, que viu um novo blockchain chamado Terra 2.0 sendo implantado, com a rede colapsada mais antiga continuando a existir como “Terra Classic.”

O contágio cripto se arrasta

O colapso da Terra foi o maior dominó do ano, gerando problemas de insolvência na plataforma de empréstimo de criptomoedas Celsius e no fundo de investimentos em criptomoedas Three Arrows Capital (3AC).

Citando “condições extremas de mercado” e uma necessidade de “estabilizar a liquidez”, a Celsius anunciou que estava suspendendo todas as retiradas em 12 de junho, e a 3AC recebeu uma ordem de liquidação de um tribunal das Ilhas Virgens Britânicas no dia 29 de junho. 

O fundo hedge com sede em Cingapura sofreu uma perda de cerca de US$ 200 milhões após o colapso da Terra, com as exchanges de criptomoedas BitMEX, FTX e Deribit liquidando as posições do fundo hedge depois que ele não conseguiu atender às chamadas de margem.

Mas o problema não terminou aí, no entanto, com a corretora Voyager Digital revelando uma exposição de US$ 661 milhões à 3AC e—após esta não ter feito os pagamentos parciais—divulgando um aviso de incumprimento.

Outra empresa que se mudou para congelar os saques dos usuários foi a exchange de cripto derivativos CoinFLEX, que também citou “incerteza contínua envolvendo uma contraparte.” O CEO da CoinFLEX, Mark Lamb alegou na época que a pessoa responsável pelos problemas financeiros da plataforma não era outra senão o evangelista de longa data do Bitcoin que se tornou o promotor do Bitcoin Cash, Roger Ver.

Condições extremas de mercado também viram várias empresas de criptoativos de alto perfil demitirem seus funcionários. Isso incluiu as exchanges Gemini, Crypto.com e a Coinbase, bem como várias empresas na América Latina.

Bitcoin em queda livre

O Bitcoin estava sendo negociado a US$ 47 mil em 1 de abril. No final de junho, no entanto, a principal criptomoeda havia perdido mais da metade do valor, sendo negociada um pouco acima de US$ 20 mil. 

De acordo com dados da Blockchain analytics, Skew, esse foi o pior desempenho trimestral para o Bitcoin desde o terceiro trimestre de 2011, quando o ativo despencou 66,62%. 

Antes disso, em 18 de junho, o BTC brevemente despencou abaixo de US$ 18 mil, enquanto o Ethereum seguiu a tendência de cair abaixo de US$ 900, gerando mais dor de cabeça aos investidores.

No mesmo período, o valor de mercado combinado de todos os ativos digitais caiu de pouco menos de US$ 2 trilhões para pouco mais de US$ 890 bilhões.

Marcha dos investimentos em cripto continua

No entanto, a carnificina do mercado não fez nada para arrefecer o sentimento dos investidores.

Em abril, a Pantera Capital reservou US$ 1,3 bilhão para o seu fundo Blockchain focado em startups Web3, tokens em estágio inicial e tokens digitais com níveis de liquidez estabelecidos. 

A empresa de capital de risco, Andreessen Horowitz (a16z), arrecadou US$ 4,5 bilhões para o seu quarto fundo centrado em criptoativos em maio, elevando o total arrecadado para investimentos em cripto e blockchain para mais de US$ 7,6 bilhões.

Um fundo de ecossistema de US$ 725 milhões foi levantado para a plataforma blockchain Flow em maio, enquanto o rival do Ethereum, o NEAR protocol, arrecadou US$ 350 milhões em novos financiamentos no mês anterior.

A empresa de análise de dados Blockchain, Chainalysis, garantiu US$ 170 milhões em financiamento Série F em maio, elevando sua avaliação para US$ 8,6 bilhões.

A regulação ganha força

Em abril, um grupo bipartidário de legisladores dos EUA criou um novo projeto de lei para regular desenvolvedores e exchanges que trabalham com commodities digitais, incluindo stablecoins e Bitcoin.

Patrocinado pelo deputado Glenn Thompson, membro Republicano da Câmara, o Digital Commodity Exchange Act de 2022—se aprovado—expandiria a autoridade da Comissão de Negociação de Contratos Futuros de Commodities (CFTC) além de seu “papel histórico como reguladora de derivativos”, permitindo que a agência regulasse o comércio à vista de commodities cripto. Em outras palavras, a CFTC regularia as exchanges cripto americanas, como a Coinbase e a Kraken.

Em um movimento separado, destinado a tirar uma quantidade significativa de poderes da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) em favor da CFTC, as senadoras dos EUA Cynthia Lummis e Kirsten Gillibrand introduziram a Lei de Inovação Financeira Responsável.  

O projeto de lei introduziu uma série de outras medidas significativas, incluindo uma disposição que elimina a obrigação de relatar ganhos em cripto no valor de US$ 200,00 ou menos à Receita Federal americana. Também procura codificar o” teste Howey”, uma doutrina da Suprema Corte da década de 1940 que explica quando um ativo é um título e é amplamente utilizado pela SEC para determinar se um ativo digital deve ser classificado como um título.

Enquanto isso, na Europa, a União Europeia chegou a um acordo em relação às regras de combate à lavagem de dinheiro para transações com criptoativos.

As novas regras visam prevenir a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo, exigindo que os prestadores de serviços de criptoativos (CASPs) recolham e armazenem informações que identifiquem os usuários de criptoativos sem “limiares mínimos nem isenções para transferências de baixo valor.”

Os CASPs terão igualmente de entregar essas informações às autoridades responsáveis pelas investigações. 

O regulamento não se aplica, no entanto, às transferências entre indivíduos que utilizam carteiras que não utilizam um prestador de serviços. Isso significa, por exemplo, que uma transação Ethereum entre duas carteiras MetaMask não estaria sujeita a verificações anti-lavagem de dinheiro—algo que o Parlamento da UE inicialmente planejou em março.

Twitter aceita oferta de US$ 44 bilhões de Elon Musk

Em 25 de abril—não muito depois de rejeitar a tentativa inicial de compra do bilionário—o conselho do Twitter aceitou a oferta de US$ 44 bilhões do bilionário Elon Musk para comprar a plataforma de mídia social

Musk, também o CEO da Tesla e da SpaceX, inicialmente se juntaria ao Conselho como o maior acionista individual da empresa, mas mais tarde recuou, revelando sua intenção de comprar o Twitter imediatamente e se tornar dono dele.

Em uma sessão de perguntas e respostas vazada com funcionários do Twitter em junho, Musk compartilhou mais detalhes de seus planos anteriores de como os criptoativos poderiam ser usados na plataforma, expondo como os pagamentos, incluindo os feitos com criptomoedas, são um “tema crítico” para o Twitter, ao mesmo tempo em que destacou a questão em andamento dos golpes e bots de cripto. 

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

Como será o mercado de criptomoedas em 2023? Clique aqui e descubra no relatório gratuito do time de Research do MB

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Robinhood planeja lançar contratos futuros de criptomoedas, diz Bloomberg

Robinhood planeja lançar contratos futuros de criptomoedas, diz Bloomberg

Produtos seriam lançados para mercado dos Estados Unidos e Europa em 2025 por meio das licenças da Bitstamp, comprada em junho
miniaturas de homens e moedas de bitcoin em cima de bandeira da Alemanha

Governo alemão movimenta mais US$ 362 milhões em Bitcoin

Movimentação ocorre um dia após o governo transferir mais de US$ 900 milhões em BTC
Moeda prateada de Ethereum (ETH) em frente a um gŕafico de preço com candles em queda

Fundos de investimento em Ethereum sofrem maior saída de capital em dois anos

Com as saídas dos ETPs de Ethereum, os fundos de criptomoedas chegaram à terceira semana consecutiva de fluxo negativo acumulando perdas de US$ 30 milhões
moeda de bitcoin ao lado de celular com logo da mt gox

Despejo da Mt. Gox ameaça muito mais o Bitcoin Cash do que o Bitcoin, diz analista

Ao todo, os clientes da Mt. Gox terão para receber US$ 9,5 bilhões em Bitcoin e US$ 73 milhões em Bitcoin Cash