Imagem da matéria: Repressão à mineração de criptomoedas na China faz preço de GPUs e placas despencarem no país
Foto: Shutterstock

A recente repressão da China ao setor de mineração de criptomoedas começou a afetar também o preço das máquinas usadas na atividade. GPUs e placas de empresas como Nvidia e Asus, por exemplo, já são encontradas em plataformas de e-commerce com preços bem abaixo do mercado e algumas a 30% do seu preço de pico, descreveu a reportagem do South China Morning Post (SCMP) nesta segunda-feira (21).

O destaque fica para a Asus GeForce RTX3060, um dos equipamentos mais vendidos para mineradores da China. Seu preço de pico era na faixa de 13.400 yuans (US$ 2 mil) em maio e hoje pode ser achado por até 4.600 yuans (cerca de US$ 700).

Publicidade

Outro exemplo é a placa Nvidia Quadro P1000, considerada de nível básico entre os mineradores,  que está sendo oferecida a 2.400 yuans (US$ 370) ante ao seu último preço de pico de 3.000 yuans (US$ 470). Os dados são do provedor de análise de preço de comércio eletrônico, Manman Buy, que funciona como uma espécie de ranking de preços, diz o SCMP.

A queda nos preços ocorreu depois que autoridades chinesas da província de Sichuan obrigaram distribuidoras de energia da região a cortar o fornecimento de 26 fazendas de mineração de bitcoin, o que ocorreu entre a última sexta e o sábado, segundo a reportagem. Por ter sua produção de energia elétrica por meio de hidrelétricas, Sichuan é considerada uma região estratégica para empresas de mineração.

Repressão à mineração na China

Nenhuma das regiões mais importantes para os moradores bitcoin estão sendo poupadas da mais recente estratégia do governo chinês para brecar o setor. A Mongólia Interior, por exemplo, que atrai a mineradora por sua eletricidade barata, agora é vista como um ambiente hostil às estratégias do governo.

No mês passado, o Ministério da Energia criou até canais para denúncias sobre empresas de mineração de criptomoedas que operam ilegalmente no país.

Publicidade

No início deste mês, mineradores das províncias chinesas de Xinjiang e Qinghai foram obrigados por autoridades do governo a encerrar a atividade. Por sua vez,  Sichuan  era até então parte de uma ação do governo para consumir sua energia excessiva e evitar que ela fosse desperdiçada, passando, portanto, a ser receptiva aos mineradores de bitcoin.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem por detrás de uma pessoa algemada

Interpol prende hacker que roubou R$ 260 mil da Polícia de Buenos Aires e lavou fundos com USDT

Liderado por um venezuelano, preso nos EUA, o grupo roubou R$ 8 milhões de entidades argentinas através de um malware de origem brasileira
Imagem da matéria: As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

Enquanto outras empresas gastam milhões em candidatos pró-cripto, Joe Lubin diz ao Decrypt que a Consensys resistiu ao impulso
Pessoa inserindo chip no celular

Justiça manda TIM pagar R$ 21 mil a cliente que teve celular clonado e perda de criptomoedas

A partir da clonagem do celular, os invasores tiveram acesso ao email e posteriormente a uma carteira cripto na Binance
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin recua para US$ 62 mil em dia de quedas generalizadas; Dogwifhat desaba 12%

Manhã Cripto: Bitcoin recua para US$ 62 mil em dia de quedas generalizadas; Dogwifhat desaba 12%

As quedas resultaram em liquidações de US$ 148 milhões no mercado de criptomoedas nas últimas 24 horas