Imagem da matéria: Reino Unido proíbe venda de derivativos de criptomoedas no varejo
Foto: Shutterstock

A Autoridade de Conduta Financeira do Reino Unido (FCA) proibiu a venda de alguns tipos de produtos financeiros que usam criptomoedas para investidores do varejo, conforme revelou o Business Insider no domingo (6).

A Autoridade Financeira proibiu empresas no Reino Unido de vender, comercializar e distribuir produtos como contratos por diferença (CFDs) e notas negociadas em bolsa sobre criptomoedas, por exemplo.

Publicidade

Segundo o órgão regulador, criptoativos e derivativos não regulamentados seriam “inadequados” para consumidores. Dentre os motivos estão as perdas inesperadas, volatilidade de preços, falta de “base confiável para avaliação”, falta de entendimento geral sobre o assunto e “ausência de razões legítimas para o investimento”, de acordo com a reportagem.

A FCA espera economizar o dinheiro dos investidores. A autoridade estima que cerca de 53 milhões libras, equivalente a R$ 364 milhões, seriam economizados pela proibição, conforme dados do Business Insider. 

Tais medidas irão impactar plataformas online que negociam criptomoedas que abrangem, por exemplo, o Bitcoin, Ether e Ripple e entrarão em vigor em 6 de janeiro de 2021. 

A reportagem também revelou que o diretor executivo interino da FCA, Sheldon Mills, afirmou que essa proibição “reflete a seriedade com que vemos o dano potencial aos consumidores de varejo nesses produtos”.

Publicidade

O diretor da FCA ainda afirma que o órgão regulador possui evidência de que os investidores estão perdendo grandes volumes em negociações envolvendo derivativos de criptomoedas. A proibição seria uma maneira de proteção ao consumidor.

A reportagem também ouviu o CEO e cofundador da CoinCorner, Danny Scot, que afirmou que a venda, compra e uso do Bitcoin em si não sairia prejudicado pela medida regulatória.

Ele afirma ao Business Insider que a FCA introduziu recentemente opções para empresas de Bitcoin e outras criptomoedas se registraram. Esse seria “um primeiro passo para formar uma estrutura regulatória em torno de tais ativos”, contou o executivo à reportagem.

Nos Estados Unidos

Reguladores dos EUA analisam quais empresas podem fazer custódia de criptomoedas. Em 10 de novembro, a Divisão de Gestão de Investimentos da SEC, a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA, também revelou que está investigando quais instituições podem se qualificar como “custodiantes qualificados” para fundos de clientes envolvendo criptoativos.

Publicidade

Em declaração pública, a agência federal americana afirma que definirá instituições como elegíveis para “fornecer serviços de custódia para ativos digitais de acordo com a lei de Wyoming, incluindo moeda virtual e títulos digitais (tokenizados)”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

O jogador do Atlético Mineiro está desde o ano passado atrás dos valores investidos na WLJC Gestão Financeira através de Bigode
Imagem da matéria: Brasileira perde R$ 28 mil em golpe de falso consultor de criptomoedas

Brasileira perde R$ 28 mil em golpe de falso consultor de criptomoedas

Além do prejuízo com as criptomoedas, mulher relata que teve o celular e as contas bancárias invadidas pelo golpista
javier milei presidente da argentina

Milei é criticado por propor regulação cripto: “Sofrerá as consequências de não entender o Bitcoin”

“Javier Milei cometeu grande erro. Ele nunca reservou um tempo para entender o Bitcoin e irá sofrer as consequências”, disse Max Keiser
Dedo indicador apoia bolo de dinheiro em forma digital

Mercado Bitcoin e Escala se juntam em tokenização inédita de R$ 29 milhões em operação na fintech Asaas

Operação viabilizou o acesso de clientes qualificados do MB a investimento na Asaas, antes restrito a grandes fundos de VCs