Imagem da matéria: Reino Unido proíbe venda de derivativos de criptomoedas no varejo
Foto: Shutterstock

A Autoridade de Conduta Financeira do Reino Unido (FCA) proibiu a venda de alguns tipos de produtos financeiros que usam criptomoedas para investidores do varejo, conforme revelou o Business Insider no domingo (6).

A Autoridade Financeira proibiu empresas no Reino Unido de vender, comercializar e distribuir produtos como contratos por diferença (CFDs) e notas negociadas em bolsa sobre criptomoedas, por exemplo.

Publicidade

Segundo o órgão regulador, criptoativos e derivativos não regulamentados seriam “inadequados” para consumidores. Dentre os motivos estão as perdas inesperadas, volatilidade de preços, falta de “base confiável para avaliação”, falta de entendimento geral sobre o assunto e “ausência de razões legítimas para o investimento”, de acordo com a reportagem.

A FCA espera economizar o dinheiro dos investidores. A autoridade estima que cerca de 53 milhões libras, equivalente a R$ 364 milhões, seriam economizados pela proibição, conforme dados do Business Insider. 

Tais medidas irão impactar plataformas online que negociam criptomoedas que abrangem, por exemplo, o Bitcoin, Ether e Ripple e entrarão em vigor em 6 de janeiro de 2021. 

A reportagem também revelou que o diretor executivo interino da FCA, Sheldon Mills, afirmou que essa proibição “reflete a seriedade com que vemos o dano potencial aos consumidores de varejo nesses produtos”.

Publicidade

O diretor da FCA ainda afirma que o órgão regulador possui evidência de que os investidores estão perdendo grandes volumes em negociações envolvendo derivativos de criptomoedas. A proibição seria uma maneira de proteção ao consumidor.

A reportagem também ouviu o CEO e cofundador da CoinCorner, Danny Scot, que afirmou que a venda, compra e uso do Bitcoin em si não sairia prejudicado pela medida regulatória.

Ele afirma ao Business Insider que a FCA introduziu recentemente opções para empresas de Bitcoin e outras criptomoedas se registraram. Esse seria “um primeiro passo para formar uma estrutura regulatória em torno de tais ativos”, contou o executivo à reportagem.

Nos Estados Unidos

Reguladores dos EUA analisam quais empresas podem fazer custódia de criptomoedas. Em 10 de novembro, a Divisão de Gestão de Investimentos da SEC, a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA, também revelou que está investigando quais instituições podem se qualificar como “custodiantes qualificados” para fundos de clientes envolvendo criptoativos.

Publicidade

Em declaração pública, a agência federal americana afirma que definirá instituições como elegíveis para “fornecer serviços de custódia para ativos digitais de acordo com a lei de Wyoming, incluindo moeda virtual e títulos digitais (tokenizados)”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Fundos de criptomoedas têm semana positiva apesar da pressão da Mt. Gox e Alemanha

Fundos de criptomoedas têm semana positiva apesar da pressão da Mt. Gox e Alemanha

Fundos de criptomoedas tiveram entradas líquidas de US$ 441 milhões após quatro semanas de saídas, com investidores vendo oportunidade na queda dos preços
Imagem da matéria: Prefeito do Rio sanciona lei que facilita criação de nova Bolsa de Valores

Prefeito do Rio sanciona lei que facilita criação de nova Bolsa de Valores

Eduardo Paes sancionou uma lei que reduz o ISS cobrado sobre atividades da bolsa de valores que pode estrear no Rio em 2025
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Justiça dos EUA mantém maior parte do processo da SEC contra a Binance

Autoridade regulatória alega na ação judicial que a maior corretora de criptomoedas vendeu produtos e serviços sem autorização
Imagem da matéria: Exchanges da Coreia do Sul definem diretrizes para barrar deslistagens em massa de criptomoedas

Exchanges da Coreia do Sul definem diretrizes para barrar deslistagens em massa de criptomoedas

As diretrizes padronizam os critérios para apoiar e encerrar a negociação de ativos digitais em plataformas de câmbio