Imagem da matéria: Regulador da Estônia quer acabar com paraíso das criptomoedas e revogar licenças de empresas
Foto: Shutterstock

Matis Mäeker, chefe da Unidade de Inteligência Financeira da Estônia (FIU), órgão ligado ao Ministério da Fazenda, afirmou na quarta-feira (13) ao site local, Eesti Ekspress, que os reguladores estonianos deveriam descartar as licenças dadas às empresas de criptomoedas e começar uma regulamentação do zero. Para ele, tal necessidade seria pelo fato de a população não saber o tamanho dos riscos associados ao mercado cripto e também pela grande saída de dinheiro do país.

“Esses riscos são muito, muito altos. Precisamos reagir de forma oficial e bem rápido”, disse Mäeker em entrevista ao site. Ele acrescentou que se o estado não impor controles sobre esses riscos, podem ocorrer consequências indesejáveis ​​para o governo.

Publicidade

Esses riscos, segundo o diretor, podem ser equiparados a um caso de investigação global sobre lavagem de dinheiro que envolve uma filial do banco dinamarquês Danske Bank no país.

O outro motivo para agir com uma regulamentação do setor no país, segundo Mäeker, é que as empresas de criptomoedas ganham dezenas de bilhões de euros por ano, porém a maior parte desse dinheiro acaba indo parar em outros países, o que não ajuda a economia da Estônia.

“O único objetivo deles é obter uma licença e usá-la para movimentar somas muito grandes, enquanto a Estônia não ganha nada com isso”, disse Mäeker.

A Estônia é conhecida entre os grandes players do mercado de criptomoedas por conta do seu acolhimento a diversas empresas da área, como a OriginalMy, uma empresa de blockchain criada por brasileiros, cuja sede fica na capital do país, Talín. No entanto, conforme comentou o assunto o Coindesk, na jurisdição amigável e fácil de emitir uma licença, agora tudo pode mudar.

Publicidade

Caso de lavagem de dinheiro

Sobre o caso Danske Bank, citado como exemplo de lavagem de dinheiro por Mäeker, uma publicação da Reuters explica que a instituição é investigada por autoridades em vários países.

Conforme descreve a agência, o caso foi descoberto depois que mais de 200 bilhões de euros em transações suspeitas fluíram através do banco na Estônia entre os anos 2007 e 2015.

Matis Mäeker também é membro do Moneyval, um braço do Grupo de Ação Financeira Internacional (FATF) que tem a tarefa de avaliar o cumprimento das principais normas internacionais de combate à lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Worldcoin lança blockchain própria onde "humanos verificados têm prioridade"

Worldcoin lança blockchain própria onde “humanos verificados têm prioridade”

Usando tecnologia da Optimism, a World Chain será uma rede dedicada e que preserva a privacidade dos usuários da Worldcoin
Equipamento de mineração com CPU em uma mesa de escritório com sinal luminoso do Bitcoin atrás

Dificuldade de mineração do Bitcoin bate recorde em último ajuste antes do halving

Recorde significa que mineradores estão correndo para garantir a recompensa de 6,25 BTC por bloco antes do halving
Imagem da matéria: Solana encontra solução para lentidão e apressa validadores a atualizar "o mais rápido possível"

Solana encontra solução para lentidão e apressa validadores a atualizar “o mais rápido possível”

Os desenvolvedores da Solana criaram uma correção para o congestionamento e pedem ajuda dos validadores nos testes
moeda de bitcoin partida ao meio e apoiada em máquina de mineração

Bitcoin conclui 4º halving com sucesso e recompensa de mineradores cai pela metade

Saiba como foi o evento e veja as previsões de preço do Bitcoin daqui para frente