Imagem da matéria: Receita Federal reconhece erros e faz ajustes em relatório sobre criptomoedas no Brasil
Foto: Shutterstock

A Receita Federal divulgou o novo relatório mensal sobre a movimentação de criptomoedas no Brasil na quinta-feira (4) e consertou parte dos erros apontados pelo Portal do Bitcoin em meados de novembro, sobretudo nos dados de XRP e de Bitcoin. Algumas falhas, contudo, permanecem.

Como no primeiro caso, a contadora especializada em ativos digitais Ana Paula Rabello publicou um novo estudo no qual analisa as melhorias feitas pelo órgão do governo e mostra o que ainda pode ser corrigido.

Publicidade

O levantamento da Receita é composto por quatro relatórios. O primeiro apresenta a movimentação de criptoativos por mês; o segundo mostra a movimentação por tipo de contribuinte (CPF ou CNPJ); o terceiro disponibiliza os dados por gênero (masculino e feminino); e, por fim, o quarto mostra as operações por tipos de criptomoedas — bitcoin, ripple, ethereum etc.

As divergências encontradas por Rabello se concentraram nos relatórios 1 e 4. Abaixo, o Portal do Bitcoin apresenta o que foi consertado no levantamento da Receita e o que ainda permanece errado, de acordo com Rabello.

Movimentação de bitcoins

De acordo com a especialista, um erro que ainda permanece no novo relatório é em relação à movimentação de bitcoins em agosto de 2019. No relatório 4, que mostra o total do que foi negociado a cada mês, consta que foram movimentados R$ 40 bilhões em bitcoin naquele mês.

No entanto, no relatório 1, a Receita diz que a soma de agosto de 2019 todas as moedas foi de apenas R$ 4 bilhões. Nos totais mensais, portanto, ainda persiste uma diferença de soma de R$ 34 bilhões.

Publicidade

“Me parece então ser um equívoco na soma das operações com bitcoin, e não das operações do mês em si, umas que nos meses subsequentes os valores em BTC já diminuem consideravelmente”, escreveu a especialista.

Mudança da Receita Federal

A primeira correção apontada foi em relação aos números da tabela 1. Na versão anterior do levantamento, por exemplo, a Receita apontou uma movimentação de R$ 121 bilhões entre agosto de 2019 e setembro de 2020. Nesta nova tabela, o órgão corrigiu o número e apontou que foram movimentados R$ 95 bilhões.

“Em suma, foram acertados, seja pelo sistema de processamento de dados do próprio órgão, ou ainda, pelos contribuintes ou exchanges, um valor equivalente a 26 bilhões de reais”, diz o estudo.

Transações de XRP

Na versão anterior do relatório, o mercado estranhou os números sobre a movimentação de XRP no Brasil. Isso porque a criptomoeda apareceu com volume de negociação de R$ 48 bilhões entre agosto de 2019 e setembro de 2020 e chegou a constar como o ativo mais negociada no país — até mais que o bitcoin.

Publicidade

Nesta nova versão do levantamento, o valor de movimentação do XRP foi retificado para R$ 25 bilhões. Com a mudança, apenas os meses de abril e julho de 2020 registraram maior volume de transações de XRP na comparação com o bitcoin.

Para efeito de comparação, entre agosto e setembro de 2020 o volume de negociação do bitcoin foi de R$ 87 bilhões, segundo a nova versão do relatório. Na anterior, o total foi de R$ 53 bilhões.

Padronização de nomenclaturas

Na análise anterior, a contadora havia apontado falhas na padronização das criptomoedas. O bitcoin, por exemplo, era identificado no sistema da Receita por 10 nomes. Nesse novo relatório, conforme Rabello, as moedas foram reagrupadas e bitcoin é citado apenas como BTC.

Altcoins irrelevantes

No novo relatório, foram retiradas as altcoins de menor relevância em números relativos. Além disso, Rabello apontou que a Receita removeu do levantamento os valores de moedas fiduciárias, algo que não está previsto pela Instrução Normativa 1888.

Apesar das inconsistência ainda presentes, a especialista diz na nova análise que as mudanças feitas pela Receita são positivas: “Isso porque mostra que de fato há uma busca constante do órgão em atualizar a matéria bem como um maior entendimento a respeito do segmento da criptoeconomia”.

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
CEO da Galaxy Digital, Mike Novogratz, em entrevista ao BNN Bloomberg no YouTube

O Bitcoin precisa de uma nova narrativa para voltar a subir, segundo CEO da Galaxy Digital

Mike Novogratz também acredita que o preço do BTC flutue entre US$ 55 mil e US$ 75 mil até que novos eventos ocorram
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Criador do Twitter e da Square, Jack Dorsey em palestra no TED

Preço do Bitcoin atingirá US$ 1 milhão até 2030, diz Jack Dorsey

Em uma entrevista recente, o cofundador do Twitter e da Block argumentou que o Bitcoin poderia atingir US$ 1 milhão e ir “além” no futuro
Moeda do Bitcoin envolta por raios (Lightning Network)

Lightning Labs está trazendo stablecoins para a blockchain do Bitcoin

“Ideia é ter dólares criptografados e stablecoins na blockchain do Bitcoin”, explicou Elizabeth Stark, CEO da Lightning Labs