Imagem da matéria: Receita Federal começa a usar Inteligência Artificial e outras ferramentas para fiscalizar criptomoedas
Foto: Shutterstock

A Receita Federal está utilizando inteligência artificial (IA) e outras ferramentas para fiscalizar o mercado de criptomoedas do Brasil. As informações foram divulgadas pela entidade em um material publicado em seu site na quarta-feira (25).

Segundo o comunicado, o monitoramento do mercado cripto foi fortalecido com análises de redes de dados e uso de IA para identificar pontos onde deveria estar ocorrendo arrecadação de impostos.

Publicidade

“O sistema da Receita Federal faz uso de modernas técnicas de processamento de dados, inteligência artificial e análise de redes complexas. Essa ferramenta acaba de ganhar nova funcionalidade desenvolvida para representar relacionamentos entre operadores, o que deve facilitar uma análise na busca de irregularidades tributárias”, afirma a Receita.

Esse sistema já produziu um dado novo: a Receita conseguiu identificar em quais regiões do Brasil ocorre maior atividade com criptomoedas.

A entidade produziu um mapa de calor, apontando que a atividade é feita em grande parte no sudeste, mas que a região sul tem focos importantes. O nordeste também surge com atividade relevante na compra e venda de criptomoedas.

Veja abaixo o mapa de onde ocorrem as transações com criptomoedas no Brasil:

Fonte: Receita Federal

De olho nas stablecoins

Outro ponto muito destacado no material da Receita Federal é que o governo está observando de perto o fenômeno do domínio do mercado cripto local pela stablecoin USDT.

Publicidade

A Receita fez um gráfico para demonstrar como a stablecoin da Tether passou o Bitcoin em valor acumulado de transações no meio de 2022. Para a entidade, é importante que o domínio de mercado de uma moeda com paridade ao dólar seja analisada de forma especial.

“Essa mudança [troca do Bitcoin pela USDT] merece atenção, pois pode ter implicações significativas no cenário tributário e regulatório das criptomoedas no país”, afirmou.

Histórico de dominância das principais criptomoedas no Brasil (Imagem: Receita Federal)
Histórico de dominância das principais criptomoedas no Brasil (Imagem: Receita Federal)

Vale ressaltar que os números usados para o gráfico são dos valores acumulados. Em janeiro de 2022, por exemplo, a USDT movimentou R$ 7,9 bilhões, enquanto o Bitcoin “apenas” R$ 2,1 bilhões. Porém, a criptomoeda de Satoshi Nakamoto ainda tinha mais volume no balanço geral.

Atualmente, a Receita estima que desde 2019, brasileiros negociaram R$ 271 bilhões em USDT contra R$ 151 bilhões em Bitcoin.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin cai para US$ 60 mil; Trump defende criptomoedas e faz memecoin subir 155%

Manhã Cripto: Bitcoin cai para US$ 60 mil; Trump defende criptomoedas e faz memecoin subir 155%

No Brasil, investidores reagem à decisão do Copom de reduzir em 0,25 ponto percentual a taxa básica de juros (Selic)
Imagem da matéria: Bitcoin salta 6% e supera US$ 66 mil conforme a inflação desacelera nos EUA

Bitcoin salta 6% e supera US$ 66 mil conforme a inflação desacelera nos EUA

“Os números do CPI dos EUA desencadearam uma ruptura na faixa de ativos de risco”, disse a empresa de Cingapura QCP Capital sobre a alta do Bitcoin
Moeda de Bitcoi sob mapa da América comd estaque para Venezuela

Venezuela quer desativar todas as fazendas de mineração de criptomoedas do país

O governador do estado de Carabobo afirmou que o governo está prestes a publicar um decreto que irá proibir a mineração de criptomoedas
Imagem da matéria: Hacker se arrepende e planeja devolver R$ 365 milhões roubados de investidor de Bitcoin

Hacker se arrepende e planeja devolver R$ 365 milhões roubados de investidor de Bitcoin

O autor de um golpe de “envenenamento de endereço” parece estar pensando duas vezes depois de roubar US$ 71 milhões de um grande investidor