Moedas douradas de Bitcoin (BTC) em frente a um gráfico de preço de alta
Shutterstock

Com o recente rali de 30% em duas semanas, o Bitcoin (BTC) caminha para completar a chamada “Cruz de Ouro”, o que não acontece desde fevereiro e reforça o atual cenário de otimismo no mercado de criptomoedas.

A “cruz de ouro” é uma figura gráfica registrada quando a média móvel de 50 dias de um ativo supera a média móvel de 200 dias, indicando uma tendência de alta pela frente.

Publicidade

Até o momento, a média de 50 dias do BTC é de US$ 27.714, enquanto a de 200 dias está em US$ 28.174, segundo dados da plataforma TradingView. O Bitcoin saltou 30% em duas semanas, chegando a superar US$ 35 mil, sua máxima em 17 meses.

Esse movimento de alta foi puxado por uma empolgação do mercado de que o primeiro fundo negociado em bolsa (ETF) de Bitcoin à vista (spot) deve ser aprovado em breve pela Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC).

E segundo o JPMorgan, a valorização foi puxada também por investidores institucionais. “Parece que este último impulso de fluxo teve participação institucional”, escreveram os analistas liderados por Nikolaos Panigirtzoglou.

A análise do banco é sustentada pelo mercado de futuros de criptomoedas: “Nossa proxy de posição futura baseada em futuros de Bitcoin da CME, que tende a ser usada principalmente por investidores institucionais, disparou na semana passada, subindo não apenas para o nível mais alto deste ano, mas também para níveis vistos pela última vez em agosto de 2022, antes do colapso da FTX ”, disseram os analistas.

Publicidade

Leia também: Negociação de futuros de Bitcoin bate recorde na Bolsa de Chicago

A “cruz de ouro” do Bitcoin

A marca da “cruz de ouro” indica que a dinâmica de preços de curto prazo está superando a de longo prazo, o que pode levar a um “bull run”. Por outro lado, historicamente, esse movimento não tem uma indicação precisa.

Leia também: Alta do Bitcoin sinaliza o possível início do novo bull run, afirmam especialistas

Até hoje o BTC registrou nove vezes a “cruz de ouro”, mas em três delas, o movimento foi invalidado três meses depois com o registro de uma “cruz da morte“. Enquanto isso, em outras três ocasiões o Bitcoin, 12 meses após atingir a “cruz de ouro”, registrava valorização de mais de 100%.

Esse rali do Bitcoin também fez com que sua dominância no mercado atingisse uma nova máxima de 30 meses, chegando a 54,4%, o que não ocorre desde abril de 2021, segundo dados do TradingView.

O índice passou quase dois anos oscilando entre 39% e 49% antes de sair dessa faixa em meados de junho, coincidindo com o momento em que o BTC superou o nível de US$ 30 mil.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Como saber o dia e hora que vai acontecer o halving do Bitcoin?

Como saber o dia e hora que vai acontecer o halving do Bitcoin?

O halving, que ocorre a cada 210 mil blocos do Bitcoin, está previsto para acontecer em abril, mas o momento exato segue mudando; entenda
Imagem da matéria: Ripple vai lançar sua própria stablecoin lastreada ao dólar

Ripple vai lançar sua própria stablecoin lastreada ao dólar

Em seu lançamento, a stablecoin da Ripple estará disponível nas blockchains XRP Ledger e Ethereum, com planos de expansão
moeda de bitcoin com bandeira dos EUA no fundo

Proprietários de criptomoedas são uma força na eleição dos EUA de 2024, diz estudo

Quase um em cada cinco eleitores possui criptomoedas, o que os torna um eleitorado potencialmente poderoso em novembro, segundo a Galaxy Digital
Imagem da matéria: Baleias estão mais famintas do que nunca por Bitcoin; Veja por quê

Baleias estão mais famintas do que nunca por Bitcoin; Veja por quê

“Atualmente a demanda de Bitcoin por esse grupo de investidores é a maior de todos os tempos”, diz estudo da CryptoQuant