Richard Teng, executivo da Binance, ao lado de Janet Yellen, secretária dos EUA
Richard Teng ao lado de Janet Yellen, secretária do Tesouro americano (Foto: Reprodução/LinkedIn)

O mundo das criptomoedas foi pego de surpresa na tarde de terça-feira (21) com a notícia de que Changpeng “CZ” Zhao, então CEO da maior exchange do mundo, a Binance, iria renunciar ao cargo como parte de um acordo com o Departamento de Justiça dos EUA para encerrar um processo contra a empresa.

Tão logo a informação foi confirmada, o substituto de CZ foi logo anunciado: Richard Teng. Mas afinal, quem é ele?

Publicidade

Nascido em Singapura, Teng entrou na Binance há pouco mais de dois anos como CEO da subsidiária em seu país, segundo seu LinkedIn. Mas ele ficou pouco em sua função, e rapidamente escalou para cargos cada vez mais importantes dentro da empresa.

Cinco meses depois de entrar na Binance, o executivo foi promovido para chefe da região que engloba o Oriente Médio e Norte da África, chamada de MENA em inglês, onde ficou por 11 meses.

Em 2022 ele também passou a acumular a função de chefe da Binance na Europa e em abril deste ano liderou também a região da Ásia. Em meio a saída de diversos diretores da companhia nos últimos meses, em maio Teng se tornou Chefe de Mercados Regionais da exchange.

Leia também: Quem são os executivos de alto escalão que abandonaram a Binance em 2023

Na terça, ao anunciar quem seria seu sucessor, CZ elogiou Teng dizendo que ele é um “líder altamente qualificado”, citando ainda que ele tem “mais de três décadas de serviços financeiros e experiência regulatória”.

Publicidade

Experiência regulatória

Teng tem grande experiência quando o assunto é regulação. Antes de entrar para a Binance em 2021, ele trabalhou no setor financeiro tradicional como diretor de finanças corporativas na Autoridade Monetária de Singapura (MAS) e como diretor de regulação da Bolsa de Singapura (SGX).

Teng ainda atuou como executivo-chefe do Mercado Global de Abu Dhabi (ADGM), centro financeiro internacional nos Emirados Árabes Unidos, onde trabalhou por seis anos. O ADGM regulamenta a negociação de ativos digitais no país.

Durante o seu mandato na MAS, esteve envolvido em questões regulatórias nos segmentos bancário, de seguros e de mercado de capitais, incluindo a ampla transformação do setor de serviços financeiros de Singapura no final da década de 1990, onde liderou esforços para desenvolver os setores bancário privado e do mercado de capitais.

“Para garantir um futuro brilhante, pretendo usar tudo o que aprendi nas últimas três décadas de serviços financeiros e experiência regulatória para orientar nossa equipe notável, inovadora e comprometida”, disse Teng em uma postagem no X (antigo Twitter).

Publicidade

Ele afirmou que se concentrará em garantir aos usuários que eles possam seguir confiantes na solidez financeira e na segurança da empresa. Ele também garantiu que trabalhará para colaborar com os reguladores para “manter padrões elevados em todo o mundo que promovam a inovação e, ao mesmo tempo, forneçam importantes proteções ao consumidor”.

You May Also Like
Imagem da matéria: Com novo rali do Bitcoin, 97% dos investidores agora estão no lucro

Com novo rali do Bitcoin, 97% dos investidores agora estão no lucro

Com Bitcoin acima de US$ 65 mil, quase todos os investidores que possuem a criptomoeda estão com lucros não realizados
Casa Rosada, sede oficial do poder executivo do governo da Argentina

Argentina corre para regulamentar corretoras de criptomoedas antes de visita do GAFI, diz imprensa

O cadastro de exchanges está entre as principais modificações propostas pelo GAFI para a Argentina, que receberá a organização no próximo dia 6
Imagem da matéria: Flamengo contrata empresa para criar ativos digitais com acervo do clube

Flamengo contrata empresa para criar ativos digitais com acervo do clube

Arquivo tem 520 mil peças entre documentos, imagens e vídeos; Flamengo esperar lucrar US$ 8 bilhões até 2027
Moeda dourada de Bitcoin (BTC) próxima a uma seta que indica uma alta nos preços

Qual é o preço real que o Bitcoin deve atingir para superar seu recorde histórico de US$ 69 mil?

Um único Bitcoin não compra o que costumava comprar. Veja como o ativo se comporta quando comparado à inflação na economia dos EUA