Imagem da matéria: Quem é o Faraó do Bitcoin do Leste Europeu que deu golpe de US$ 1,5 bilhão e está preso na Rússia
Kirill Doronin foi o criador da Finiko (Foto: Divulgação)

A Justiça da Rússia estendeu por pelo menos mais dois meses o tempo de prisão de Kirill Doronin, o criador de um dos maiores esquemas de pirâmide envolvendo criptomoedas da região, a Finiko. A informação foi divulgada pelo portal News Bitcoin.

Doronin é para o leste da Europa o que o criador da GAS Consultoria, Glaidson Acacio dos Santos, é para o Brasil. A pirâmide que ele criou na Rússia em 2019, movimentou US$ 1,5 bilhão em mais de 800 mil depósitos separados, conforme apontou relatório divulgado pela Chainalysis.

Publicidade

Os depósitos vieram de Rússia, Ucrânia, Cazaquistão, Quirguistão, Hungria, Áustria, Alemanha e Estados Unidos.

Mais ambicioso que o Faraó

A promessa de Doronin era ainda mais ambiciosa que a do “Faraó do Bitcoin”: retorno mensal de até 30% com investimentos em bitcoin. Mais humilde, Glaidson prometia 10% de lucro em quem acreditasse em sua palavra.

Segundo o The Moscow Times, Doronin era um influencer popular no Instagram que já havia se associado a outros esquemas Ponzi no passado.

Foi preso em julho deste ano e agora teve um pedido de prisão domiciliar negado pela corte de Tatarstan, um ente federativo da Rússia.

A corte negou o pedido alegando que Doronin pode atrapalhar a investigação, coagir testemunhas e, além disso, tem passaporte turco e por isso pode deixar a Rússia.

Publicidade

Acusações negadas

O jornal local Realnoe Vremya publicou declarações de Doronin, que nega ser a grande mente por trás do esquema.

O reú diz “não ter tido um papel dominante no gerenciamento desses ativos” e que quer “entender o que está acontecendo e por que exatamente estou sendo acusado de peculato”.

A queda da Finiko

Finiko foi uma pirâmide financeira que surgiu na cidade russa de Kazan em 2019 e que ganhou popularidade no leste europeu ao longo de 2020, aproveitando-se das dificuldades econômicas intensificadas pela pandemia do Covid-19.

No final do ano passado, a empresa fundou a sua própria criptomoeda, a FNK. Naquele momento, a Finiko promovia a moeda aos investidores, mas a sua compra era voluntária. Já em junho deste ano, a empresa anunciou que usaria de forma exclusiva o token em todas as transações financeiras realizadas com os clientes, provocando um crescimento de dez vezes no preço do ativo.

No mês seguinte, a moeda voltou a desabar quando a empresa interrompeu todos os pagamentos aos usuários e os impediu de sacar os fundos que estavam em sua posse.

Publicidade

VP preso

A corte de Tatarstan também determinou que Ilgiz Shakirov, vice-presidente da Finiko, permaneça preso, também por pelo menos mais dois meses.

Shakirov é apontado como responsável por ter atraído cerca de 100 mil pessoas para o esquema de pirâmide.

Além disso, a Justiça russa também manteve presas duas mulheres: Dina Gabdullina, também apontada como vice-presidente, e Lilia Nurieva, suspeita de conseguir convencer investidores a colocarem US$ 10 milhões por meio de táticas de marketing multinível.

“On the run”

Mas a história ainda não acabou com as quatro prisões.

Zygmunt Zygmuntovich e Marat e Edvard Sabirovy, cofundadores da empresa, tiveram tempo de escapar e atualmente são foragidos da polícia.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ministro Zhaslan Madiyev ex-gerente Binance Cazaquistão

Gerente da Binance é nomeado ministro de Desenvolvimento Digital no Cazaquistão

Depois de passagens por bancos e órgãos do governo cazaquistanês, Zhaslan Madiyev ocupa agora o maior cargo do Ministério de Desenvolvimento Digital, Inovações e Indústria Aeroespacial
Senado, Congresso, Câmara dos Deputados, Brasília, Parlamento

Projeto de Lei quer proibir uso de criptomoedas fruto de crimes durante processo penal

Deputado autor do PL afirma que em muitos casos, mesmo durante a investigação, acusados continuam a movimentar recursos do crime
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin se estabiliza acima de US$ 67 mil; Ethereum atinge US$ 3 mil em semana decisiva para ETFs

Manhã Cripto: Bitcoin se estabiliza acima de US$ 67 mil; Ethereum atinge US$ 3 mil em semana decisiva para ETFs

A semana promete ser agitada à medida que chega o prazo final para a SEC decidir se aprova ou rejeita o lançamento de ETFs de Ethereum à vista
hackers em frente a computadores

Exchange de criptomoedas Rain perde US$ 14,8 milhões em ataque hacker

A exchange disse que já tomou as medidas necessárias e que todas as sua atividades estão funcionando normalmente, inclusive saques