mãos segurando várias moedas de bitcoin
Foto: Shutterstock

A FTX, que passa por recuperação judicial nos EUA, publicou na sexta-feira (28) mais um relatório parcial de uma série de atualizações financeiras. De acordo com o documento, a falida exchange de criptomoedas gastou até agora US$ 86 milhões, sendo a maioria com honorários advocatícios, que totalizaram US$ 67 milhões.

A empresa disse que tem US$ 2 bilhões em caixa e que arrecadou US$ 48 milhões com a venda de ativos. Mas, devido ao relatório estar atualizado apenas até o final de março, não estão inclusos os US$ 50 milhões da venda da LedgerX. A empresa finalizou seu acordo com a M7 Holdings em 25 de abril.

Publicidade

Em fevereiro deste ano, o CEO da FTX, John Ray III, que liderou a empresa durante o processo de falência do Capítulo 11, foi claro sobre a dificuldade de recuperar fundos.

“Foi um grande esforço chegar até aqui. Os ativos das exchanges estavam altamente misturados, e seus livros e registros estavam incompletos e, em muitos casos, totalmente ausentes. Por esses motivos, é importante ressaltar que essas informações ainda são preliminares e estão sujeitas a alterações”, disse Ray III, após a publicação do relatório daquele mês.

Os US$ 86 milhões em gastos foram dispersos em cinco “silos”, sendo a WRS (West Realm Shires), com sede nos EUA, a responsável por quase todos os gastos da FTX: um total de US$ 80,5 milhões.

US$ 4,5 milhões vieram de Dotcom, ou FTX.com; US$ 798,1 mil da Alameda; US$ 327,5 mil da empresa de análise de votos de propriedade da FTX, Deck Technologies Inc; e US$ 50 mil da Ventures.

Publicidade

Ao contrário dos silos agrícolas cheios de grãos, esses silos são preenchidos com empresas de propriedade da FTX ou “devedores”.

Como em todos esses relatórios, a FTX observou que os pagamentos internos entre as empresas devedoras faziam parte dos negócios normais e “não incluem pagamentos ao fundador ou seus parentes”.

O relatório de março mostra um salto significativo na quantidade de dinheiro que a FTX conseguiu desde seu último relatório de fevereiro de 2023, que mostrou que a exchange havia recebido apenas US$ 13,5 milhões.

Os US$ 48 milhões gerados com a venda de ativos foram principalmente da saída da FTX de uma posição de US$ 45 milhões na Sequoia Capital. Outros US$ 3 milhões vieram da saída de uma posição de capital na Spoak Inc., que opera a plataforma de contabilidade criptográfica Tactic.

Publicidade

Depois de entrar com o pedido de proteção contra falência do Capítulo 11 em novembro de 2022, a FTX aumentou os esforços para recuperar fundos vendendo ativos e posições em outras empresas e empreendimentos.

Em março, a empresa de infraestrutura blockchain Mysten Labs comprou de volta US$ 95 milhões em ações e US$ 1 milhão em tokens SUI da FTX.

No início deste mês, a FTX publicou uma atualização que demonstrava uma recuperação de US$ 6,2 bilhões em ativos.

“Acreditamos que é mais importante fornecer transparência às partes interessadas, tornando esta informação pública agora, do que esperar até que possamos ter certeza”, disse Ray.

*Traduzido com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moeda de Bitcoin em cima de celular com logo da UE União Europeia e em cima de mapa da Europa

Binance restringirá stablecoins “não autorizadas” na União Europeia a partir de 30 de junho

Decisão da Binance ocorre para que a exchange se adeque ao regulamento de criptoativos, conhecido como MiCA, que entrará em vigor no fim do mês
Propaganda do jornal Epoch Times

CFO de jornal é acusado de lavagem de dinheiro com criptomoedas no valor de US$ 67 milhões

Executivo é acusado de usar a equipe “Make Money Online” do veículo de notícias para lavar o produto da fraude usando criptomoedas
Fusão da imagem de uma moeda de bitcoin com a bandeira do Paraguai

Senado do Paraguai aprova lei que pune com até 10 anos de prisão mineradores de criptomoedas que roubam eletricidade 

Para o relator Ever VIllalba, o PL não criminaliza a mineração de criptomoedas, mas as leis devem ser adaptadas ao setor; PL seguirá para a Câmara dos Deputados
Tigran Gambaryan, chefe de compliance da Binance, posa para foto

Deputados pressionam Biden para trazer de volta aos EUA executivo da Binance detido na Nigéria

Em carta ao executivo, os deputados alegam que Tigran Gambaryan está na condição de refém do governo da Nigéria e corre risco de morrer de malária