Imagem da matéria: Quanto de bitcoin eu posso ter em minha carteira?
Foto: Shutterstock

Como planejadora financeira certificada há mais de dez anos, sempre tenho acompanhado a evolução do mercado financeiro e trabalhado para democratizar a educação financeira e o acesso a bons investimentos para todas as pessoas. Posso dizer, sem exagero, que fiz do empoderamento financeiro uma bandeira que carrego para a minha vida.

Nesse cenário, é com muito interesse que acompanho a realidade atual do mercado, com as criptomoedas e outros ativos digitais de modo geral, ganhando cada vez mais espaço na carteira dos investidores e virando assunto em diversas rodas de conversa.

Publicidade

Hoje, perguntar se as criptomoedas são algo passageiro nem me parece fazer sentido. Basta ver o valor de market cap do bitcoin atualmente, que supera a marca de US$ 1 trilhão e já se aproxima do valor de todo o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro.

Assim, uma pergunta que recebo (e muito!) dos meus clientes na ParMais e que achei pertinente trazer para a minha primeira coluna no Portal do Bitcoin é sobre qual o percentual de criptomoedas e outros ativos digitais é possível ter em uma carteira bem diversificada.

Sendo direta: isso depende. Depende da sua tolerância à volatilidade, da quantidade de pessoas que dependem financeiramente de você, da estabilidade que você tem (ou não) com suas fontes de renda atuais, entre vários outros fatores que precisam ser analisados com calma e por um profissional no assunto.

Além disso, existe também uma grande confusão que as pessoas fazem, colocando ativos com perfis muito distintos na mesma cesta “cripto”. Uma moeda com liquidez e reconhecida no mercado como o bitcoin, por exemplo, se difere — e muito — de protocolos que acabaram de surgir e não sabemos como irão se comportar.

Publicidade

Investidor arrojado e o conservador

A compra de NFTs (Non-Fungible Tokens), atrelados a obras de arte, por sua vez, se enquadra em uma categoria totalmente diferente quando fazemos um balanço patrimonial. O mesmo vale para os famosos tokens de precatórios, que na nossa opinião se encaixam na categoria de investimentos em renda fixa, na hora de organizar os bens de uma pessoa.

No caso desses ativos, uma das métricas  que precisamos olhar com atenção é a liquidez de cada um desses bens, uma vez que pode ser fundamental manter uma parcela relevante do patrimônio em ativos mais líquidos, ou seja, que você possa acessar com rapidez.

Isso tudo dito, quando falamos em criptomoedas especificamente, na metodologia de gestão da ParMais acreditamos que o investidor mais arrojado pode alocar até 18% de seu patrimônio (excetuando nessa conta o valor de sua reserva de emergência) nesse tipo de moeda, concentrando especialmente em Bitcoin e Ethereum. Já para o investidor extremamente conservador, o ideal é não se expor a estes ativos.

Nesse cenário, acreditamos que investimentos mais arriscados  — em moedas que estão surgindo — não estão descartados de uma carteira, mas devem ser limitados a um percentual pequeno para evitar grandes perdas que afetem o seu padrão de vida, exceção feita para investidores profissionais, que, surfar na onda de novas moedas pode fazer sentido.

Publicidade

Sobre a autora

Annalisa Blando é planejadora financeira certificada pela Planejar (CFP) e fundadora e CEO da ParMais, a primeira Wealth Management Tech do Brasil. Também é líder do grupo Mulheres do Brasil em Florianópolis.

VOCÊ PODE GOSTAR
homem segura com duas mãos uma piramide de dinheiro

Polícia do RJ investiga grupo acusado de roubar R$ 30 milhões com pirâmide financeira

Para ganhar a confiança dos investidores, a empresa fraudulenta fazia convites para assistir jogos de futebol em camarote do Maracanã
Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó do Bitcoin"

Livro sobre a ascensão e a queda do “Faraó do Bitcoin” chega às livrarias em maio

Os jornalistas Chico Otávio e Isabela Palmeira contam sobre o golpe de R$ 38 bilhões do Faraó do Bitcoin que usou criptomoedas como isca
Logotipo do token CorgiAI

Mercado Bitcoin lista token CorgiAI

O ativo é ligado a projeto que usa utiliza inteligência artificial para criar uma comunidade de entusiastas no ecossistema cripto
Imagem da matéria: Baleias estão mais famintas do que nunca por Bitcoin; Veja por quê

Baleias estão mais famintas do que nunca por Bitcoin; Veja por quê

“Atualmente a demanda de Bitcoin por esse grupo de investidores é a maior de todos os tempos”, diz estudo da CryptoQuant