Imagem da matéria: Quanta energia o Bitcoin realmente consome? Menos do que você imagina
Foto: Shutterstock

A empresa de inteligência cripto Coin Metrics lançou um relatório nesta semana, delineando como o uso de energia do Bitcoin pode ser medido pela varredura da blockchain em busca de pistas — ligando a atividade na rede a máquinas específicas e de alta potência.

Durante anos, o uso de eletricidade do Bitcoin tem sido um tópico controverso, já que os críticos apontam para a natureza de uso intensivo de energia para a validação de transações em redes proof-of-work. Ao analisar continuamente cálculos complexos na esperança de resolver o próximo bloco do Bitcoin, milhares de máquinas fazem suposições em redes como a Bitcoin na esperança de uma recompensa.

Publicidade

À medida que organizações governamentais como a Casa Branca pressionam as empresas de mineração de ativos digitais, principalmente por meio de sua proposta de imposto especial de consumo de 30%, o relatório visa estabelecer uma abordagem mais precisa para determinar o consumo geral de energia dos mineradores de Bitcoin e baseia-se nas metodologias de estudos realizados por outras instituições no passado.

“Obviamente, há um enorme debate sobre o consumo de energia”, disse o principal autor do relatório, Karim Helmy, ao Decrypt em uma entrevista. Mas uma das outras motivações principais do estudo é capturar estatísticas em toda a rede que servem como um “valor de referência realmente bom” para a competitividade das máquinas dos mineradores, disse ele.

Ao examinar mais de perto os dados incluídos no fluxo constante de suposições dos mineradores, os pesquisadores da Coin Metrics dizem que podem deduzir melhor o consumo geral de eletricidade do Bitcoin, combinando as “impressões digitais” de cada palpite com o perfil único produzido por certas máquinas.

Conhecidas como ASICs, essas máquinas que consomem bastante energia são projetadas em grande parte em torno de fazer o máximo de suposições para resolver o próximo bloco do Bitcoin o mais rápido possível. O estudo analisou 11 ASICs diferentes de quatro fabricantes, incluindo modelos lançados desde 2016 até ao ano passado.

Publicidade

Anexar a atividade da rede a máquinas específicas gera uma menor possibilidade de superestimar o uso de energia do Bitcoin, porque os modelos podem levar em consideração a eficiência de cada ASIC, afirma o relatório.

“Tentativas anteriores de avaliar o consumo de energia do Bitcoin perderam um elemento crítico que só pode ser alcançado com este tipo de dados de nível ASIC: eficiência de hardware”, afirma o relatório. “À medida que a indústria de mineração de criptomoedas evoluiu, os ASICs tornaram-se substancialmente mais eficientes, gerando mais hashes por segundo e por unidade de energia consumida.”

O relatório da Coin Metrics descobriu que o consumo de energia do Bitcoin tem sido historicamente menor do que outros estudos que não incluíram dados de nível ASIC, especificamente aqueles conduzidos pela Universidade de Cambridge e o Digiconomist.

https://twitter.com/karimhelpme/status/1668592291962056704?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1668592294440890368%7Ctwgr%5Ea11e306918ae0772f06896f358eee8093a245e75%7Ctwcon%5Es2_&ref_url=https%3A%2F%2Fdecrypt.co%2F144438%2Fhow-much-energy-does-bitcoin-really-use-less-than-you-might-think

Por exemplo, a estimativa da Coin Metrics para o consumo de energia dos mineradores em maio passado é 16% menor do que a da Universidade de Cambridge no Índice de Consumo de Energia Bitcoin, que o relatório reconhece ser o atual “padrão ouro” da indústria.”

Publicidade

Embora a Coin Metrics argumente que seu modelo é mais preciso do que a representação da Cambridge, que recebeu resistência da indústria de ativos digitais após seu lançamento, a Coin Metrics ainda elogiou os pesquisadores da Universidade por seu trabalho.

“Os números produzidos pela Cambridge foram inovadores, e a metodologia apresentada neste relatório é, em sua essência, um refinamento deste trabalho existente”, afirma o relatório.

Além de produzir estatísticas precisas de energia, o relatório também procura capturar dados para as mineradoras para comparar como suas plataformas se comparam com a concorrência em termos de eficiência, explicou Helmy.

“Se você é um minerador, um dos principais componentes de todos os modelos em sua rentabilidade futura prevista é uma estimativa de eficiência em toda a rede”, disse ele. “Você quer saber onde seu equipamento se situa em relação a outros mineradores.”

Usando os dados, o relatório da empresa também pinta um quadro de quais ASICs que cresceram em popularidade ao longo do tempo, juntamente com aqueles que caíram no esquecimento. Isso é útil do ponto de vista da segurança, disse Helmy, porque rastrear o domínio dos fabricantes de hardware pode ajudar a identificar possíveis pontos de centralização.

Publicidade

Além das métricas de eficiência em toda a rede, a Coin Metrics também foi capaz de produzir estimativas para o lixo eletrônico, contabilizando a frequência com que cada ASIC precisa ser substituído.

https://twitter.com/karimhelpme/status/1668592294440890368?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1668592296592560129%7Ctwgr%5Ea11e306918ae0772f06896f358eee8093a245e75%7Ctwcon%5Es2_&ref_url=https%3A%2F%2Fdecrypt.co%2F144438%2Fhow-much-energy-does-bitcoin-really-use-less-than-you-might-think

Quer se trate do uso de energia das mineradoras ou do lixo eletrônico associado que as empresas produzem, o impacto ambiental da indústria cripto ficou sob maior escrutínio no ano passado, principalmente dentro da Casa Branca e com obras de arte como a “Skull of Satoshi”, de Benjamin Von Wong. 

Mas avanços, como o novo método da Coin Metrics, podem levar a maiores nuances nos debates em torno do uso de energia do Bitcoin e abrir as portas para discussões mais robustas e baseadas em dados com informações obtidas direto da blockchain.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: MB lança campanha comemorativa de 11 anos com ‘cakeback’ e oferece chance de ganhar dois ETH

MB lança campanha comemorativa de 11 anos com ‘cakeback’ e oferece chance de ganhar dois ETH

Os incentivos serão válidos para clientes antigos e novos entrantes da plataforma; campanha seguirá ativa por todo o mês de junho de 2024
Imagem da matéria: Fundos de criptomoedas têm saídas de US$ 600 mi na semana, mas Brasil mantém fluxo positivo

Fundos de criptomoedas têm saídas de US$ 600 mi na semana, mas Brasil mantém fluxo positivo

Mercado realinha expectativas após FOMC manter juros nos EUA e fundos de criptomoedas encerram sequência de cinco semanas de entradas líquidas
Imagem da matéria: Firma de investimentos cripto Jump está sendo investigada por reguladores dos EUA

Firma de investimentos cripto Jump está sendo investigada por reguladores dos EUA

Recentemente a Jump retirou um pedido para lançar um ETF de Bitcoin à vista
Kabosu, a cachorrinha Shiba Inu que inspirou a Dogecoin

Desculpem fãs da Dogecoin: plano de pagamentos do Twitter não inclui criptomoedas

O apoiador da Dogecoin, Elon Musk, está trabalhando para o lançamento de um serviço de pagamentos no Twitter que supostamente não inclui cripto por enquanto