Moeda dourada de Bitcoin (BTC) próxima a uma seta que indica uma alta nos preços
Shutterstock

À medida que o Bitcoin (BTC) sobe cada vez mais, os observadores da indústria cripto debatem furiosamente quando a criptomoeda número um atingirá e ultrapassará seu recorde histórico — mas muita coisa mudou desde novembro de 2021.

Se o Bitcoin retornar ao seu preço máximo anterior, de US$ 69.044 por moeda, de acordo com a CoinGecko, isso acontecerá em condições de mercado muito diferentes, incluindo a taxa de inflação que atingiu os EUA desde então. A meta real estaria mais próxima de US$ 75 mil, então?

Publicidade

Isso é o que a calculadora de inflação do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do Bureau of Labor Statistics dos EUA diz que o preço de um Bitcoin em novembro de 2021 valeria hoje.

Depois que o Bitcoin atingiu esses máximos estelares, ele perdeu mais da metade de seu valor em um declínio constante à medida que o mercado em baixa das criptomoedas se instalava.

Um ano depois de atingir seu ‘maior preço da história’ (ATH na sigla em inglês), o preço do Bitcoin era de US$ 17.586. Mesmo assim, a inflação continuou em ritmo acelerado — variando de 4% a 8% ao ano – enquanto o Bitcoin subiu lentamente acima de US$ 30 mil em abril do ano passado e acima de US$ 40 mil em dezembro para atingir seus níveis atuais.

Outro fator: a inflação cresceu mais rápido do que a oferta disponível de Bitcoin durante o mesmo período. Em dezembro de 2021, a oferta total de Bitcoin era de 18.915.566. Desde então, este montante aumentou em 713.707, ou cerca de 3,8%, para 19.629.263 em fevereiro de 2024.

Publicidade

Com o Bitcoin frequentemente posicionado como uma “proteção contra a inflação” — um investimento feito para proteger contra uma diminuição no poder de compra do dinheiro — pode-se perguntar como foi o desempenho da principal criptomoeda durante o atual período inflacionário dos EUA. Uma postagem recente de r/Cryptocurrency no Reddit gerou um debate robusto sobre a questão.

Esses cálculos também precisam levar em conta o próximo halving do Bitcoin, que reduzirá pela metade a quantidade de Bitcoin com a qual os mineradores são recompensados, como o nome sugere. O impacto deste marco no preço futuro do BTC é calorosamente debatido.

Diante de tudo isso, as traves mudaram?

Não, responde David Waugh, economista e analista-chefe da empresa de serviços financeiros com Bitcoin, Coinbits.

“Os máximos históricos são quase sempre medidos em termos nominais e não reais, portanto, afirmar que o preço do Bitcoin deve quebrar seu máximo histórico anterior, ajustado pela inflação, é uma comparação entre maçãs e laranjas, em vez de maçãs com maçãs”, disse Waugh ao Decrypt .

De acordo com o analista, medir significativamente a taxa de câmbio do Bitcoin em dólares exigirá o ajuste de seus máximos históricos para a inflação desde seu início em 2009 e a comparação de cada novo máximo com o valor anterior ajustado pela inflação.

Publicidade

Mesmo assim, Waugh diz que há motivos para acreditar que o preço do Bitcoin aumentará significativamente em 2024.

Impulsionando a adoção do Bitcoin

“Os ETFs de Bitcoin à vista estão gerando entradas massivas, colocando pressão positiva sobre o preço à medida que os emissores compram BTC para atender aos pedidos”, disse Waugh, observando como as alocações de BTC estão mudando as carteiras tradicionais de ETFs:

“Esta fonte adicional de demanda cria um impulso para a adoção do Bitcoin à medida que as alocações de BTC são normalizadas nos mercados financeiros”

Além dos ETFs, continuou Waugh, as empresas Bitcoin que criam soluções de camada 2 (L2 ou Layer 2 em inglês) para o ecossistema Bitcoin e produtos voltados para o consumidor tornarão o Bitcoin mais útil e acessível para os consumidores.

“Fique atento a mais ‘aplicativos matadores’ em pagamentos, bancos e fintech para incorporar Bitcoin em suas ofertas, impulsionando a adoção e exercendo pressão positiva adicional sobre os preços”, concluiu.

*Traduzido com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Investidor transforma R$ 20 mil em R$ 178 milhões ao segurar Bitcoin por 12 anos

Investidor transforma R$ 20 mil em R$ 178 milhões ao segurar Bitcoin por 12 anos

Quando o investidor adquiriu 500 BTC em julho de 2012, a quantia valia R$ 20 mil; hoje, ultrapassa R$ 178 milhões
Imagem da matéria: Brasileira é presa após roubar R$ 115 mil em golpe de criptomoedas

Brasileira é presa após roubar R$ 115 mil em golpe de criptomoedas

Segundo a Polícia Civil, a suspeita atraiu as vítimas prometendo altos lucros com investimentos em Bitcoin
Miniaturas de homens em cima de moeda de Bitcoin gigante fazendo medição pela metade

Halving do Bitcoin pode não ter efeito imediato no preço como mercado espera, diz Coinbase

Coinbase disse acreditar que o atual movimento de preços é apenas o começo de uma corrida de alta mais longa
Dedo indicador apoia bolo de dinheiro em forma digital

Mercado Bitcoin e Escala se juntam em tokenização inédita de R$ 29 milhões em operação na fintech Asaas

Operação viabilizou o acesso de clientes qualificados do MB a investimento na Asaas, antes restrito a grandes fundos de VCs