Imagem da matéria: Protocolo transfere R$ 65 milhões para devedores da FTX e token do projeto desaba
Shutterstock

O protocolo Ren – controlado pela Alameda, empresa do grupo da falida corretora FTX –  anunciou na terça-feira (12) que deve transferir todos os ativos de sua plataforma para carteiras frias dos devedores da exchange quebrada criada por Sam-Bankman Fried.

“As criptomoedas serão transferidos para diferentes carteiras segregadas de armazenamento a frio designadas para receber esses ativos”, diz o anúncio.

Publicidade

O preço do token nativo de governança do projeto caiu 8% após as notícias, segundo o CoinGecko.

O protocolo Ren permite que os usuários criem uma variedade de tokens indexados, como sua oferta de Bitcoin denominada RenBTC, a fim de torná-los compatíveis com Ethereum.

A Alameda fez um acqui-hiring (compra de empresas pelo quadro especializado) com a Ren em fevereiro de 2021, com a sua equipe de desenvolvimento principal se juntando à empresa de trading ligada à FTX.

Um dos moderadores do Discord do RenBTC postou a prova de transferência de cerca de 437 Bitcoin (no valor de cerca de US$ 13,11 milhões ou R$ 65 milhões) para carteiras de devedores da FTX. Foi dito que essa transferência representa apenas a liquidez total bloqueada no Ren versão 1.0.

Arviee, moderador da comunidade e membro da equipe de marketing da Ren, tweetou que a última atualização significa “nada mais do que o que sabíamos que aconteceria.”

Publicidade

A estrada turbulenta para o Ren 2.0

Em uma atualização de 18 de novembro, uma semana depois da FTX entrar com o pedido de recuperação judicial, a equipe do Ren apresentou planos de transição do Ren 1.0 para uma versão atualizada, denominada Ren 2.0.

Neste momento, a equipe encerrou os depósitos no Ren 1.0, restringindo a cunhagem de qualquer novo RenBTC. Os detentores do RenBTC tinham até 18 de dezembro de 2022 para resgatar suas participações pelo Bitcoin subjacente.

Embora os planos para a atualização tenham sido anunciados pela primeira vez em agosto, a equipe aumentou os esforços de desenvolvimento após o colapso da FTX para orientar sua comunidade em direção à atualização.

A equipe avisou titulares para “queimar renAssets” à medida que o “Ren 1.0 seria desligado e a FTX poderia reivindicar o que resta.”

Publicidade

Avriee disse que “esta é a razão exata pela qual estávamos pedindo há meses para que os usuários queimassem seus renAssets.”

RenMAX, um dos principais contribuintes do RenMAX, contou aos membros da comunidade que o desenvolvimento em torno do protocolo Ren 2.0 permanece inalterado pelas transferências

“Não é o grande problema que algumas pessoas fazem parecer e, além disso, informamos sobre isso desde o final do ano passado”, disseram eles.

A atualização está atualmente em desenvolvimento e a equipe não anunciou uma data de lançamento.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Letras que formam a sigla ETF próximas a uma moeda dourada de Bitcoin (BTC)

ETFs de Bitcoin têm novo dia de saídas com fluxo de US$ 226 milhões liderado pela Fidelity

O único ETF de Bitcoin a ter entrada líquida na quinta foi o IBIT da BlackRock, o maior em valor patrimonial líquido, com fluxo positivo de US$ 18 milhões
Mãos humanas e robótica tocam as pontas dos dedos

Novo modelo de Inteligência Artificial do Alibaba que desafia Meta e OpenAI

O mais recente modelo de Inteligência Artificial de código aberto supera o LLama3 da Meta, posicionando-se como um forte concorrente na corrida da IA
Ilustração mostra mãos robótica segurando moeda de Bitcoin

Criptomoedas e IA podem adicionar US$ 20 trilhões ao PIB global até 2030, diz Bitwise

Analista da Bitwise avalia que existe um grande potencial de sinergia entre protocolos de criptomoedas e soluções envolvendo inteligência artificial
Imagem da matéria: Mercado debate se astro Hulk Hogan realmente aplicou golpe com memecoins Solana

Mercado debate se astro Hulk Hogan realmente aplicou golpe com memecoins Solana

O lutador profissional Hulk Hogan foi acusado de fraude com memecoins de celebridades, mas diz que os tuites “não eram meus”