Imagem da matéria: Protocolo Blockchain Harmony: tudo o que você precisa saber
Foto: Shutterstock

O protocolo Harmony tem chamado a atenção da comunidade cripto, especialmente nos últimos meses. A criptomoeda nativa, $ONE, vem se valorizando bastante em função dos investimentos e das conquistas alcançadas pela plataforma.

Um dos fatos mais recentes a impactar o mercado foi a marca de mais de 2,2 milhões de transações diárias, atingida no último dia 9. O projeto é ambicioso, e muitos apostam em seu potencial de crescimento e de conquista de espaço dentro do ecossistema blockchain. Algumas das vantagens oferecidas são a velocidade de processamento e de execução das transações, com taxas mais baixas em relação a blockchains convencionais.

Publicidade

A seguir, veremos mais detalhes sobre o funcionamento do protocolo Harmony, sua origem, suas características principais e quais os planos de crescimento num futuro próximo.

Harmony — o que é?

A Harmony foi fundada na Califórnia, EUA, por uma equipe de ex-FAANGs. Ela foi originalmente lançada na Binance Launchpad, em maio de 2019. A equipe de desenvolvimento atual conta com mais de 30 integrantes.

Harmony é um protocolo de sharding cross-chain. Essa tecnologia busca solucionar os problemas de escalabilidade enfrentados pelas blockchains, sem abrir mão da descentralização, através do “sharding”.

Esse mecanismo segmenta o trabalho entre indivíduos diferentes, abandonando o conceito padrão de uma blockchain linear na qual todos os nós processam 100% da validação. Essa estratégia traz consigo diversas complexidades, mas o protocolo é responsável por manter o controle da comunicação entre os nós e a segurança geral da operação. 

Publicidade

O termo “cross-chain” se refere à função interblockchain do protocolo. Sua principal função é agir como uma ponte de ligação entre as diversas blockchains existentes, permitindo interoperabilidade, trocas de tokens e comunicação eficiente.

Funcionamento do blockchain

O whitepaper da Harmony pode ser acessado através deste link. A seguir, descrevemos o funcionamento dessa blockchain de forma mais simplificada.

A blockchain Harmony tem uma criptomoeda nativa, o token $ONE. O processo de validação segue um algoritmo PoS (Prova de Participação), que não permite a mineração tradicional, mas entrega velocidades bastante superiores. Um ciclo de validação na Harmony leva apenas dois segundos, o que significa transações rápidas e 100 vezes mais baratas que as da rede Ethereum, sem o problema dos congestionamentos.

O nome do mecanismo de consenso é “Fast Byzantine Fault Tolerance” (FBFT), de um tipo particular chamado EPoS (Prova de Participação Eficiente), devido à utilização de sharding. A diferença para o PoS tradicional é que, quanto maior o valor a ser colocado para staking, maior o número de nós que um indivíduo precisa rodar. Há uma distribuição aleatória e igualitária de stakes entre todas as shards, aumentando-se a descentralização da rede. 

Publicidade

Com cerca de 800 nós atualmente, a rede aberta da Harmony é denominada “Pangeia”. Os nós são coordenados por esse processo de sharding, que fragmenta e divide as tarefas. Para cada validação, os nós são subdivididos em quatro grupos, ou shards.

Essa distribuição é aleatória e diferente para cada ciclo, conforme uma VRF (Função Aleatória Verificável) não-enviesada escalável. A etapa seguinte, responsável por recolher os resultados de cada nó e registrar o bloco completo, é chamada de resharding.

É graças a esse mecanismo de divisão mais igualitária das tarefas que fica assegurada a escalabilidade nos âmbitos de rede, armazenamento e processamento de transações. A rede também não enfrenta os desafios relacionados ao alto consumo de energia e impacto ambiental, associados à mineração das blockchains com consenso por PoW.

O papel da moeda $ONE

A criptomoeda nativa ONE está avaliada em cerca de R$ 0,13 na data de produção deste artigo. Dentro da blockchain, ela assegura o funcionamento do ecossistema ao servir como meio de pagamento para tarefas internas, como taxas de transação, armazenamento e “gas”.

Ela também possibilita o “staking”, ou participação pelo algoritmo EPoS. Por fim, a posse da moeda garante aos usuários o direito de votação no sistema de governança da plataforma, em influência proporcional à quantidade.

Publicidade

Futuro da Harmony — estratégia e roadmap

A missão da Harmony é de se tornar a blockchain financeira cross-chain mais utilizada até o final de 2021, através da conclusão das seguintes etapas (descritas no site oficial da rede):

● Adoção: A equipe pretende alcançar mais desenvolvedores e parceiros, através da realização de workshops e hackathons.

● Interoperabilidade: a criação de novas aplicações em colaboração com a Ethereum e Bitcoin é vista como uma forma de aumentar a utilização da própria Harmony.

● Descentralização: Espera-se alcançar um crescimento da comunidade, com o aumento do número de nós. Isso permitirá uma governança descentralizada e estável a longo prazo.

Para os próximos 6 meses, os objetivos específicos a serem alcançados são: 1 milhão de usuários com US$ 1  mil em recursos: ganhar 20% de retorno fixo com as carteiras autenticadoras; 10 mil desenvolvedores novos em cripto: atender a 10 mil usuários com o API cross-chain; 100 DAOs em técnicas e ecossistema: governar recompensas de US$ 300 milhões.

Sobre o autor

Fares Alkudmani é formado em Administração pela Universidade Tishreen, na Síria, com MBA pela Edinburgh Business School, da Escócia. Naturalizado Brasileiro. É fundador da empresa Growth.Lat e do projeto Growth Token.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Memecoin que usa nome de Trump rouba R$ 410 mil de investidores

Memecoin que usa nome de Trump rouba R$ 410 mil de investidores

Endereço despejou uma enorme quantidade do token TrumpAI, recebeu R$ 410 mil em WETH e derrubou o preço em 100%
Imagem da matéria: Bitcoin cai mas analistas ainda acreditam que preço vai chegar a US$ 150 mil este ano

Bitcoin cai mas analistas ainda acreditam que preço vai chegar a US$ 150 mil este ano

A AllianceBernstein concorda com os analistas do Standard Chartered e acredita que o preço do BTC mais que dobrará nos próximos 18 meses
Imagem da matéria: MB estreia no ranking de Exchange Benchmark em 1º lugar no Brasil

MB estreia no ranking de Exchange Benchmark em 1º lugar no Brasil

O relatório semestral, realizado pela CCData, é considerado uma estrutura robusta para classificar a atuação de exchanges do Brasil e do mundo
Mão segurando celular com o logo da carteira de criptomoedas MetaMask

MetaMask lança sistema para acabar com prática que drena dinheiro dos usuários do Ethereum

Smart Transactions busca fazer com que clientes sejam protegidos da prática de máximo valor extraível na blockchain Ethereum