piramide financeira criptomoedas
Shutterstock

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) e a Polícia Civil do estado deflagraram, na manhã desta quarta-feira (25), a operação “Príncipe do Bitcoin”.

As autoridades cumpriram em Campos dos Goytacazes (RJ) quatro mandados de prisão e seis de busca e apreensão em endereços ligados a cinco integrantes de uma organização criminosa voltada para a prática de estelionato através de criptomoedas, por meio de pirâmides financeiras.

Publicidade

Conforme comunicado para a imprensa, os suspeitos prometiam retorno financeiro de 15% a 30% ao mês por meio de investimentos em criptomoedas. A quadrilha agia através da empresa A.C. Consultoria desde de 2016, e fez mais de 43 vítimas.

Um dos alvos é um pastor evangélico que atuava como trader, investindo no mercado financeiro e captando clientes. Conhecido na região de Campos dos Goytacazes, Fabrício Vasconcelos Nogueira trocava constantemente de carro e realizava viagens rotineiras, como forma de ostentar riqueza e atrair mais vítimas para o golpe.

Também faziam parte do esquema criminoso Gilson André Braga dos Santos e Ana Claudia Carvalho Contildes, sócios fundadores da empresa, e Gilson Ramos Vianna e Ana Paula Contildes, que atuavam na captação de clientes.

A 2ª Vara Criminal de Campos dos Goytacazes determinou o bloqueio online de valores disponíveis nas contas dos denunciados, até o valor de R$ 1,9 milhão, incluindo criptoativos e moedas estrangeiras.    

Publicidade

Entenda o esquema   

Com a promessa de investimento em criptomoedas e retorno financeiro de 15% a 30% ao mês, a empresa inicialmente abria contas para os investidores e realizava as aplicações no mercado financeiro por meio das chamadas contas “copy”.

Como sugere o nome, é uma cópia de outra conta, que permitia aos criminosos realizarem investimentos, incluindo compras e vendas de ativos. Inicialmente, os juros dos investimentos eram pagos, de modo a gerar confiança no trabalho desenvolvido pela A.C. Consultoria.   

Após a celebração de diversos contratos, a empresa emitiu uma nota oficial comunicando que todos os contratos seriam rescindidos e os valores referentes aos mesmos seriam pagos em um prazo de 90 dias (a partir de 01 de dezembro de 2021, data da “Nota Oficial”), o que não foi cumprido.

Investigações do MPRJ também revelaram que uma outra empresa, a Gayky Cursos Ltda, foi criada pelos mesmos criminosos para dar continuidade ao esquema.  

VOCÊ PODE GOSTAR
Ariana Grande posa para foto

Memecoin ‘Michi’ salta 18% após Ariana Grande compartilhar a foto do gato

A estrela pop publicou o meme antes da valorização do Michi, gerando debate sobre se ela sabe ou não da conexão do meme com as criptomoedas
Imagem da matéria: Trump ou Biden? Por que as criptomoedas podem decidir o próximo presidente dos EUA

Trump ou Biden? Por que as criptomoedas podem decidir o próximo presidente dos EUA

Dados de pesquisas mostram que o apoio das criptomoedas pode desequilibrar a balança em uma disputa acirrada pela Casa Branca. Veja como isso poderia afetar Biden e Trump
Imagem da matéria: Gêmeos Winklevoss doam US$ 2 milhões em Bitcoin a Trump para combater "guerra às criptomoedas"

Gêmeos Winklevoss doam US$ 2 milhões em Bitcoin a Trump para combater “guerra às criptomoedas”

Os cofundadores da Gemini disseram que ficaram do lado de Donald Trump e doaram Bitcoin para derrubar a campanha de reeleição do presidente Biden
Moeda de Dogecoin e gráfico de queda de preço

Dogecoin (DOGE) desaba 10% e gera maior liquidação desde 2021

Queda do preço da memecoin mais famosa ocorre após US$ 60 milhões em futuros de DOGE serem liquidados junto com mercado