Imagem da matéria: Presidente da Bielorrússia quer usar eletricidade do país para minerar criptomoedas
Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko. (Foto; Reprodução/Instagram)

O presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, ordenou que o governo faça algo com o excesso de eletricidade gerado no país, sugerindo até mesmo a mineração de criptomoedas. Seus comentários ocorreram na última sexta-feira (27) durante a inauguração de uma usina de energia em Petrikov, cidade que fica a 377 km da capital Minsk. As informações são do site russo RBC.

Lukashenko disse que a Bielorrússia tem recursos de energia suficientes para alimentar as empresas de criptomoedas, sugerindo o uso de indústrias abandonadas por mineradores que procuram por espaço.

Publicidade

Segundo o presidente, a atividade de mineração de criptomoedas pode ser tão lucrativa quanto o cultivo de morangos, dado que o novo centro foi construído para também alimentar estufas de morangueiros.

“Temos que entender que eles não estão esperando nada de nós […] Construir algo baseado na eletricidade. Afinal, comece a minerar criptomoedas ou o que quer que seja chamado. Há eletricidade suficiente no país”, diz um trecho da publicação traduzida pelo Cointelegraph.

A publicação lembrou que no início do ano, o Ministério da Energia da Bielorússia disse que estava investigando os riscos e os benefícios da mineração de criptomoedas para uma possível entrada no setor.

O pedido de Lukashenko ocorre no momento em que a mineração de criptomoedas gera críticas globais por seu impacto ambiental negativo, comentou também o Business Insider.

Publicidade

As repressões ao setor na China também impactaram o mercado, enquanto os mineradores locais se esforçam para realocar suas operações em outros países.

Mineração e ditadura

Em 2017, Alexander Lukashenko assinou um decreto que isentava por cinco anos todas as atividades relacionadas ao setor de criptomoedas e blockchain. Segundo a RBC, a lei ainda está valendo e o setor continua isento de impostos. O cidadão pode possuir, comprar e vender criptomoedas usando rublos sem a necessidade de declarar isso ao governo.

Em novembro do ano passado, o Belarusbank, o maior banco do país, passou a oferecer serviço de câmbio de criptomoedas. Os clientes podem comprar e vender dinheiro digital usando cartões Visa, diz a publicação russa.

Ainda sobre o presidente, conforme uma publicação da BBC, Lukashenko é frequentemente mencionado como o último ditador da Europa, por controlar a Belarrúsia nos últimos 26 anos.

Publicidade

No mês passado, o governo foi alvo de severas sanções econômicas em uma ação coordenada do Reino Unido, Canadá e Estados Unidos. Eles adotaram restrições na área de exportação, que atingiram em cheio as finanças do país.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Pavel Durov detém 1% do maior token de jogo deste ano, doado pelos jogadores. E ele não está vendendo seus Notcoin – não agora, pelo menos
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
Imagem da matéria: MB e Rappi se unem para celebrar data histórica para Bitcoin com entrega de pizzas a clientes da exchange

MB e Rappi se unem para celebrar data histórica para Bitcoin com entrega de pizzas a clientes da exchange

A plataforma de ativos digitais também promove campanha para recompensar trades realizados até 4 de junho
Imagem da matéria: Tether e Circle "imprimem" US$ 1,25 bilhão em stablecoins em um único dia

Tether e Circle “imprimem” US$ 1,25 bilhão em stablecoins em um único dia

Desde o início do ano já foram emitidos US$ 30 bilhões em stablecoins; aquecimento parece estar relacionado à expectativa pelos ETFs de Ethereum