Imagem da matéria: Por que o PIX é seguro na visão deste especialista
Foto: Shuttestock

O Pix, novo sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central (BC), começa a funcionar para todos os brasileiros desde o dia 16. Por meio dele, será possível realizar transferências bancárias instantâneas 24 horas por dia, inclusive aos finais de semana.

No entanto, desde que o BC anunciou a nova solução surgiram várias dúvidas acerca do tema e uma das principais é sobre a segurança das chaves Pix, por exemplo, no caso de algum golpista ter acesso a ela.

Publicidade

Vale lembrar que essas chaves podem ser geradas no app de um banco ou fintech cadastrada pelo BC, e os códigos podem ser vinculados ao CPF ou ao número de telefone do titular da conta.

Diante da dúvida sobre a segurança, agravada mais ainda por conta da disseminação de golpes no Brasil, o Portal do Bitcoin falou com o especialista em tecnologia Carlos Netto, CEO da Matera, empresa de soluções digitais para o segmento financeiro.

Ideal é “amarrar” chave

Netto recomenda que em primeiro lugar o usuário deve “amarrar” a chave Pix —  tanto no CPF quanto no número de celular — em alguma instituição financeira. Isso, segundo ele, vai servir de proteção, caso algum golpista abra uma conta falsa usando os dados roubados e com isso tente gerar novas chaves.

Caso isso aconteça e se as chaves já foram geradas, o banco da conta falsa terá que pedir permissão de portabilidade. Logo, o usuário saberá que alguém tem seus dados pessoais.

Publicidade

Pix é para receber e não pagar

“A chave Pix não é para pagar é para receber. Você tem que ter a chave para eu mandar dinheiro para você, disse Netto.

Segundo o oespecialista, um golpista de posse da chave de alguém não consegue fazer nada a não ser mentir, se passando pelo dono do código.

Mas isso só funcionaria se a pessoa abordada não tivesse mais o CPF de fulano registrado na sua conta, além, também, de ter que convencer ela a lhe pagar.

“Então quando o dinheiro cai na tua conta, só tem um jeito: eu entrei na minha conta e te paguei”, explicou.

Publicidade

“Pix é push; cartão, pull”

Para esclarecer, Netto fez uma comparação entre o sistema do PIX e o do “primórdio” cartão de débito, usando os termos em inglês ‘pull’ e ‘push’. Em português, os termos significam respectivamente ‘puxar’ e ‘empurrar’.

“Tem uma diferença enorme do PIX para o cartão; o cartão é pull e o Pix é push. No Pix você não vai vir buscar o dinheiro na minha conta, eu ‘empurro’ o dinheiro para você”, disse.

Como cartão é o contrário, explicou. O golpista precisa do número para ‘puxar’ o dinheiro. “Você não me paga. Eu pego o dinheiro da tua conta”.

Outro ponto, comentou, “se alguém conseguir entrar na minha conta, me fraudando e te pagando, ele não precisa fraudar no Pix. Se ele entrar na minha conta ele pode pagar toda as contas dele, sacar no caixa eletrônico, mandar Ted etc”.

VOCÊ PODE GOSTAR
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube