Imagem da matéria: Por que o banimento de Trump no Twitter é bom para o Bitcoin?
(Foto: Shutterstock)

Acredite, a conta do Presidente dos EUA na rede social Twitter foi suspensa. O todo-poderoso da maior economia do planeta também foi banido do Facebook e Instagram. As plataformas alegam que Trump violou sucessivamente as regras de utilização, além de não ter reprimido a violência após a invasão ao Congresso em 6 de janeiro.

Migrando para uma rede social alternativa

Diversos seguidores de Trump, que encaminhavam suas mensagens, também foram expulsos das redes. Imediatamente, estes usuários buscaram amparo de aplicativos considerados livres. O próprio Trump já havia recomendado a rede social Parler, por exemplo, historicamente reduto dos republicanos conservadores.

Publicidade

Outra rede social concorrente do Twitter, o Gab, também teve uma explosão de novas contas. O mesmo ocorreu com o Telegram e Signal, concorrentes do Whatsapp. Para piorar a situação, a Amazon Web Services (AWS) afirmou que não mais aceitaria a rede social Parler como cliente. O provedor alega que não pode compactuar com um aplicativo que permite incitação de violência e troca de mensagens com conteúdo inadequado.

O impacto da censura

Pela primeira vez, talvez na história, cidadãos pacíficos norte-americanos sentiram na pele a censura. Embora a Constituição do país garanta o direito de livre expressão, devemos lembrar que os servidores e aplicativos são empresas privadas. Deste modo, são livres para censurar e escolher quais clientes desejam atender.

É natural que a busca por aplicativos sem censura seja a primeira alternativa, porém sempre há um ponto de falha. No caso, são os servidores, o provedor de internet, ou similar. Assim que o governo coletar provas de que mensagens em tom ameaçador estão sendo transmitidas, uma nova rodada de censura deverá ocorrer.

O Bitcoin entra na história

Independente de sua opção política, a reação normal das pessoas ao ver sua liberdade cerceada é se reorganizar. Quando os governos impedem nossa frequência em bares e restaurantes, ou circular livremente nas ruas, é natural que uma nova rotina seja formada.

Publicidade

No caso das finanças, a reação dos governos à pandemia acelerou a digitalização do dinheiro, além do trabalho remoto. Isso cria um ambiente muito favorável para as criptomoedas. Devemos lembrar que as pessoas em casa, recebendo auxílio, e tendo menos oportunidades de gastar, tendem a procurar investimentos, ou até mesmo o trade como “profissão”.

Aos poucos as pessoas vão perceber que não são livres para movimentar valores nas cortinas de banco e startups de finanças como Paypal. Isso é bom não só para o Bitcoin, mas para o ecossistema como um todo.


Sobre o autor

Marcel Pechman atuou como trader por 18 anos nos bancos UBS, Deutsche e Safra. Desde maio de 2017, faz arbitragem e trading de criptomoedas.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin

“Parte técnica você descreve como funciona e acabou. Nas vacas sagradas leva um bom tanto de desconstrução de conceitos”, diz Breno Brito
moeda de bitcoin ao lado de celular com logo da mt gox

Manhã Cripto: Bitcoin cai após Mt. Gox mover US$ 9 bilhões em BTC

A grande movimentação de Bitcoin pela Mt. Gox é um sinal de que, muito em breve, os investidores lesados pelo hack de 2014 serão ressarcidos
trader segura moeda de bitcoin em frente a grafico em computador

Bolsa de Chicago planeja lançar negociação de Bitcoin à vista, diz jornal

O objetivo é capitalizar a crescente demanda este ano entre os gestores de Wall Street para ganhar exposição ao setor de criptomoedas
Imagem da matéria: Bitcoin entra em onda de alta e atinge o seu maior preço desde o halving

Bitcoin entra em onda de alta e atinge o seu maior preço desde o halving

Dados do CoinGecko mostram que o Bitcoin subiu cerca de 3% no último dia e no período de uma semana valorizou em 9%