Por que a tecnologia Blockchain é considerada disruptiva

Os desafios enfrentados para criar criptomoedas antes do Bitcoin
Foto: Shutterstock


Nos últimos tempos, o termo “disruptivo” tem sido muito utilizado entre empreendedores. Mas o que significa? Geralmente esse termo é utilizado para explicar uma interrupção um padrão considerado “tradicional”, abrindo um leque de oportunidades, incluindo um novo mercado e um novo sistema de valores.

Uma inovação disruptiva acaba por desorganizar o mercado existente, destituindo as principais empresas, produtos e parcerias no mercado em questão. Segundo o renomado economista Clayton Christensen, existem quatro tipos de inovação. São elas;

  • Inovação sustentada
  • Inovação evolutiva
  • Inovação revolucionária
  • Inovação disruptiva

Essencialmente, ​inovação sustentada não tem um impacto significativo nos mercados existentes. Por outro lado, ​a inovação evolutiva resulta na melhoria de um produto em um mercado existente. Por exemplo, a utilização da injeção de combustível usando gasolina, substituindo os carburadores representa uma inovação evolutiva no setor motor. Por sua vez, a ​inovação revolucionária ​não influencia os mercados existentes, embora ocorra inesperadamente. O lançamento do primeiro automóvel no final do século XIX é um exemplo de inovação revolucionária.

Por fim, como já destacamos, ​a inovação disruptiva é aquela que resulta na criação de um novo mercado por meio do fornecimento de um conjunto único de valores que eventualmente domina um mercado existente.

Vamos considerar novamente o caso do primeiro automóvel. Essa inovação é considerada revolucionária, pois não representou uma força disruptiva no mercado de cavalos e carroças que existia na época. O automóvel era considerado um item de luxo devido ao alto custo de aquisição de um e não atingia o mercado existente.

No entanto, em 1908, o primeiro automóvel acessível economicamente foi introduzido pela Ford. Este carro é um bom exemplo de inovação disruptiva, porque acabou substituindo o setor de cavalos e carretas.

Uma tecnologia disruptiva?

Quando Satoshi Nakamoto publicou o whitepaper do Bitcoin em 2009, ele também introduziu um descentralizado digital que captura todas as transações realizadas em uma rede ​peer-to-peer​.A infraestrutura que suporta Bitcoin e as criptomoedas subsequentes é denominada tecnologia blockchain. Sua principal inovação é o fato de que a tecnologia blockchain possibilita que membros de uma rede transfiram ativos pela Internet sem a necessidade de uma autoridade centralizada ou de terceiros.



A Blockchain é considerado uma tecnologia disruptiva devido aos inúmeros benefícios que oferece. Ainda está para ser descoberto todas as capacidades da blockchain, assim como as suas possíveis desvantagens. A seguir vamos explorar algumas das principais razões pelas quais essa tecnologia é considerada uma tecnologia disruptiva e algumas desvantagens já identificadas.

Maior eficiência e menor custo

Como as entradas no livro-razão da blockchain são validadas imediatamente, a tecnologia blockchain possibilita uma transferência mais rápida e eficiente de ativos e/ou dados. Para bancos de investimento, isso pode levar a uma negociação de ativos mais eficiente, eliminando determinadas tarefas administrativas e reduzindo o tempo entre o início de uma negociação e o recebimento do ativo.

Mais de 42 bancos globais aderiram ao consórcio fintech R3, que recentemente criou parceria com a Microsoft para desenvolver uma estrutura e plataforma de aplicação da tecnologia blockchain aos mercados, na esperança de economizar bilhões em custos futuros.

Maior transparência na atividade de transação

Em todas as etapas de uma transação de blockchain, a rede de participantes do evento deve concordar com o último bloco de transações. Este acordo é alcançado por consenso majoritário, em que as entradas duplicadas são eliminadas. Ao contrário dos registros de bancos, o qual pode ser alterado por seu proprietário (ou pelo governo), a blockchain não pode ser alterado sem substituir simultaneamente todas as milhares de cópias usadas pelos participantes a todo momento.

Como resultado, indivíduos que não confiam um no outro, e nem mesmo se conhecem podem fazer transações ou trocar ativos com segurança e confiabilidade.

Segurança de vários usuários

Um dos principais benefícios da blockchain é a capacidade de executar transações sem a ajuda de um intermediário, como um banco. O livro-razão da blockchain é distribuído por milhares de computadores, portanto, é praticamente impossível invadir o livro-razão.

Além disso, como nenhuma autoridade centralizada tem controle, a falha de um sistema não afetará toda a rede.

Aplicabilidade em múltiplos setores

As qualidades da blockchain mencionadas acima são aplicáveis ​​a vários setores. Os aplicativos criados com base na tecnologia blockchain podem automatizar o processamento de títulos de propriedade, limpar acordos interbancários, substituir a necessidade de nomes de usuário e senhas e revolucionar muitos outros processos. Empresas de todos os setores devem prestar atenção a essa tendência disruptiva, pois ela pode alterar drasticamente a necessidade de seus serviços.

Desafios em potencial

Regulamentos ainda a serem determinados

Embora a blockchain ainda seja um conceito relativamente novo, o interesse que o cerca significa que os reguladores provavelmente reagirão rapidamente criando normas para garantir que a blockchain seja usado para atividades legítimas – bem como para obter tarifas sobre as suas transações. À medida que os reguladores se tornam mais instruídos sobre a blockchain e determinam os meios para regulamentá-lo, empresas que procuram utilizar essa tecnologia devem se manter informadas e ficar de olho em todas as mudanças no cenário regulatório.

A natureza pública da transação

Como no sistema blockchain todos os usuários precisam concordar com cada bloco de transações, todas as atividades realizadas são públicas. Embora as identidades dos participantes sejam disfarçadas com pseudônimos, suas atividades ainda são visíveis, o que pode gerar preocupação entre os usuários quanto à privacidade.

Necessidade de ampla potência computacional

Alguns críticos apontam que, com o tempo, a tecnologia blockchain terá uma capacidade de rede diminuída e que não seria possível sustentar o seu uso em larga escala. Por exemplo, o Bitcoin em sua forma atual é capaz de processar apenas sete transações por segundo, enquanto uma grande empresa de cartão de crédito como a Visa pode realizar dezenas de milhares de transações tranquilamente.

Em suma, é evidente que estamos apenas no começo. Há uma variedade de possibilidades para explorar, experimentar e construir com a ajuda da blockchain.


Sobre o autor

Fares Alkudmani é formado em Administração pela Universidade Tishreen, na Síria, com MBA pela Edinburgh Business School, da Escócia. Desde janeiro de 2019, atua na empresa de criptomoedas Changelly como gerente geral para a América Latina.