Imagem da matéria: Poloniex pagará US$ 7,6 milhões por permitir trades de clientes na Criméia, Cuba, Irã, Sudão e Síria
Plloniex permitiu negociações com clientes em áreas de sanção econômica (Foto: Shutterstock)

A exchange de criptomoedas Poloniex concordou em pagar US$ 7,59 milhões para resolver alegações de que permitia violações de sanções internacionais em sua plataforma, disse o departamento do Tesouro dos EUA em uma declaração.

Entre janeiro de 2014 e novembro de 2019, a plataforma de negociação permitiu que os clientes que pareciam estar localizados em jurisdições sancionadas realizassem transações.

Publicidade

O valor destas transações chegou perto dos US$ 15,3 milhões para 232 clientes que se encontravam principalmente na região da Crimeia, na Ucrânia, mas também em Cuba, no Irã, Sudão e na Síria.

O Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC) do tesouro, que aplica sanções econômicas, disse que a Poloniex tinha motivos para conhecer a localização das contas em questão com base nas informações do Know Your Customer (KYC) e nos endereços IP.

O OFAC observou que os controles introduzidos no final de 2017 reduziram substancialmente a taxa das alegadas violações, assim como as medidas adicionais de Conformidade introduzidas, quando a Poloniex foi adquirida pela Circle em fevereiro de 2018. No entanto, algumas violações aparentes continuaram em 2018 e 2019, relacionadas com um pequeno número de contas na Crimeia.

“Esta ação destaca que as empresas de ativos digitais online – como todos os provedores de serviços financeiros – são responsáveis por garantir que não se envolvam em transações proibidas pelas sanções do OFAC, como a prestação de serviços à pessoas em jurisdições amplamente sancionadas”, disse um comunicado do OFAC.

Publicidade

“Para mitigar esses riscos, as empresas de ativos digitais online devem desenvolver um programa de Conformidade de sanções sob medida e baseado em riscos.”

Consequências regulatórias para negócios ‘legados’

Em novembro de 2019, a plataforma Poloniex foi transformada  em Polo Digital Assets pela Circle e vendida a uma empresa de investimento asiática não identificada. Esse acordo não incluiu o braço da Poloniex nos EUA que a Circle encerrou. O tesouro disse que a Poloniex agora não tem Operações Comerciais nem funcionários.

Um porta-voz da Circle disse ao Wall Street Journal que a empresa “concordou em assumir certas responsabilidades regulamentares potenciais associadas à aquisição da Poloniex”.

“Temos o prazer de deixar esta questão do legado para trás”, acrescentaram. O Decrypt entrou em contato com a Circle e atualizará este artigo caso receba uma resposta.

Publicidade

O acordo atual segue um acordo anterior de agosto de 2021, quando a Poloniex concordou em pagar US$ 10,4 milhões à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) para liquidar as acusações de operar como uma exchange de criptomoedas não licenciada.

O negócio desativado não é a única exchange cripto a ter enfrentado escrutínio relacionado ao cumprimento de suas sanções. No ano passado, trabalhando com a Financial Crimes Enforcement Network (FinCEN), o OFAC multou a Bittrex em US$53 milhões por facilitar uma lista semelhante de violações de sanções aparentes.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de Bitcoin ao lado de letreiro com ETF

ETFs de Bitcoin estão de volta? Ganhos de R$ 1,9 bilhão marcam o melhor dia em mais de um mês

ETF da Grayscale teve mais entradas do que saídas pela primeira vez em semanas
Arte digital mostra mãos operando um celular que projeta moedas

Como declarar tokens de utilidade no Imposto de Renda 2024?

Entenda como declarar os utility tokens, ativos que dão acesso a serviços específicos
Joe Biden posa para foto

Biden expulsa mineradora cripto chinesa de área próxima a base militar: “Risco de espionagem”

O governo afirma que a MineOne possui equipamentos especializados de origem estrangeira potencialmente capazes de facilitar atividades de vigilância e espionagem
Imagem da matéria: As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

Enquanto outras empresas gastam milhões em candidatos pró-cripto, Joe Lubin diz ao Decrypt que a Consensys resistiu ao impulso