Punhos presos por algemas
Shutterstock

A Polícia Civil de Santa Catarina (PCSC) prendeu na quinta-feira (5) sete pessoas suspeitas de extorquir R$ 1,2 milhão em criptomoedas de um empresário brasileiro de Itajaí (SC). A ação, comandada pela Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Itajaí, foi chamada de Operação Blockchain, e envolveu oito mandados de prisão temporária e quatro mandados de busca e apreensão.

De acordo com comunicado da PCSC, os presos são suspeitos de crimes de roubo qualificado e extorsão qualificada por terem invadido a residência de um empresário no bairro de Praia Brava, em Itajaí, rendendo sua família e funcionários com arma de fogo.

Publicidade

A ação dos bandidos durou cerca de três horas, enquanto as vítimas estavam sob graves ameaças. Nesta condição, eles entregaram todos os bens, incluindo criptomoedas. A polícia não descreve, contudo, quais ativos foram roubados.

“Por meio do uso de violência e grave ameaça contra seus familiares, o empresário foi forçado a realizar transferências de valores em criptomoedas, bem como teve joias, aparelhos eletrônicos e dinheiro em espécie subtraídos”, descreve.

Os suspeitos foram localizados a partir do rastreamento das transferências financeiras quando os investigadores identificaram valores enviados para Argentina e Peru “por meio da pulverização destes em carteiras de criptomoedas”.

De acordo com a PCSC, a justiça já determinou o “sequestro de valores em até R$ 1,2 milhão no sistema bancário e em corretoras de criptomoedas”.

Publicidade

Operação Blockchain

A polícia catarinense contou com o apoio de várias entidades nacionais e internacionais, como a Polícia Federal da Argentina, para investigar e efetuar as prisões que começaram ainda na quarta-feira (4). No país vizinho, dois suspeitos foram detidos na capital Buenos Aires.

Na quinta-feira, outro alvo dos agentes de Santa Catarina foi localizado e preso na cidade de Ituporanga D’Ajuda, em Sergipe, em uma ação em conjunto com o Centro de Operações Especiais da Polícia Civil local. 

Dois integrantes já se encontravam presos por participação em roubos a banco. Além disso, outro integrante do núcleo de execução já estava preso por outro roubo à residência. Esses suspeitos tiveram mandados de prisão cumpridos em função dos novos fatos.

Outro suspeito foi capturado em sua residência em Balneário Camboriú e um suspeito encontra-se foragido. Foram apreendidos aparelhos eletrônicos para o aprofundamento das investigações, disse a polícia. 

Publicidade

O órgão acrescentou que os presos foram encaminhados ao Sistema Penitenciário, onde estão à disposição da Justiça. “O Inquérito Policial será finalizado em até 30 dias”, finaliza.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem por detrás de uma pessoa algemada

Interpol prende hacker que roubou R$ 260 mil da Polícia de Buenos Aires e lavou fundos com USDT

Liderado por um venezuelano, preso nos EUA, o grupo roubou R$ 8 milhões de entidades argentinas através de um malware de origem brasileira
o que é mineração de bitcoin

Dificuldade de mineração de Bitcoin está despencando, mas por quê?

A redução no preço do Bitcoin, combinada com a diminuição das recompensas de mineração, resulta em menos mineradores e em uma rede menos robusta — pelo menos por enquanto
Imagem da matéria: Grayscale desiste de lançar um ETF de futuros de Ethereum nos EUA

Grayscale desiste de lançar um ETF de futuros de Ethereum nos EUA

A gestora parece ter recuado da estratégia de levar a SEC aos tribunais para forçar a eventual aprovação de um ETF de Ethereum à vista
HANDS, memecoin, mãos, rug pull,

Criador de memecoin disse que não tinha mãos, então não conseguiria “puxar o tapete” — ele mentiu

“NoHandsNoRug”, o criador da memecoin HANDS, disse que não aplicaria um rug pull. Adivinha o que aconteceu em seguida?