Imagem da matéria: Polícia prende ex-bancário da Caixa Econômica por sequestrar empresário e pedir regaste em bitcoin
Delegado Paulo Berenguer em coletiva de imprensa (Foto: Divulgação/Polícia Civil de Pernambuco)

A Polícia Civil de Pernambuco prendeu na terça-feira (27), no âmbito da operação Dirty Money, um ex-bancário da Caixa Econômica Federal e mais sete pessoas acusadas de sequestrar um homem em Recife e exigir criptomoedas como resgate.

Em coletiva de imprensa realizada na quarta-feira (28), o delegado Paulo Berenguer, do Grupo de Operações Especiais (GOE), responsável pelo caso, disse que o ex-funcionário do banco era o líder da quadrilha:

Publicidade

“Ele é extremamente habilidoso, investidor financeiro, com forte conhecimento em informática. Inclusive, é ex-bancário da Caixa Econômica Federal. Então é uma pessoa que tem bom conhecimento em investimentos financeiros”.

O líder e os outros detidos responderão pelos crimes de extorsão mediante sequestro, porte ilegal de arma de fogo, uso de documento falso e tortura. Cinco foram presos em Pernambuco e três em São Paulo.

A Polícia Civil de São Paulo também investiga o grupo. Na capital paulista, os mesmos criminosos teriam praticado sequestros semelhantes em dezembro de 2020.

Na operação da terça, foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão domiciliar. As autoridades confiscaram três carros de luxo, entre eles uma BMW e um Range Rover avaliados em R$ 500 mil, além de drogas e equipamentos eletrônicos.

Publicidade
sequestro criptomoedas
Carros apreendidos na operação Dirty Money (Foto: Divulgação/Polícia Civil de Pernambuco)

Investigação

A investigação começou em março quando um empresário foi sequestrado no bairro de Boa Viagem, em Recife. Segundo o jornal Folha de Pernambuco, ele atuava no ramo de comercialização de criptomoedas. 

Quando chegou ao estacionamento do local onde trabalha, o homem foi surpreendido por três elementos armados e levado à força a um esconderijo.

A vítima ficou três horas em cativeiro e sofreu torturas, e só foi libertada depois que familiares pagaram o resgate em bitcoin. O valor pago não foi divulgado pelas autoridades.

O delegado Paulo Berenguer disse que essa modalidade de sequestro é uma novidade para os policiais do estado e que “foi a primeira vez que o pagamento de um resgate se deu em criptomoedas”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ronaldinho Gaúcho em vídeo promovendo Olymp Trade

CVM aplica multa de R$ 680 mil em corretora promovida por Ronaldinho Gaúcho

Promovida pelo ex-craque da Seleção, Ronaldinho Gaúcho, a Olymp Trade prometia retornos de até 92%