Imagem da matéria: Polícia prende ex-bancário da Caixa Econômica por sequestrar empresário e pedir regaste em bitcoin
Delegado Paulo Berenguer em coletiva de imprensa (Foto: Divulgação/Polícia Civil de Pernambuco)

A Polícia Civil de Pernambuco prendeu na terça-feira (27), no âmbito da operação Dirty Money, um ex-bancário da Caixa Econômica Federal e mais sete pessoas acusadas de sequestrar um homem em Recife e exigir criptomoedas como resgate.

Em coletiva de imprensa realizada na quarta-feira (28), o delegado Paulo Berenguer, do Grupo de Operações Especiais (GOE), responsável pelo caso, disse que o ex-funcionário do banco era o líder da quadrilha:

Publicidade

“Ele é extremamente habilidoso, investidor financeiro, com forte conhecimento em informática. Inclusive, é ex-bancário da Caixa Econômica Federal. Então é uma pessoa que tem bom conhecimento em investimentos financeiros”.

O líder e os outros detidos responderão pelos crimes de extorsão mediante sequestro, porte ilegal de arma de fogo, uso de documento falso e tortura. Cinco foram presos em Pernambuco e três em São Paulo.

A Polícia Civil de São Paulo também investiga o grupo. Na capital paulista, os mesmos criminosos teriam praticado sequestros semelhantes em dezembro de 2020.

Na operação da terça, foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão domiciliar. As autoridades confiscaram três carros de luxo, entre eles uma BMW e um Range Rover avaliados em R$ 500 mil, além de drogas e equipamentos eletrônicos.

Publicidade
sequestro criptomoedas
Carros apreendidos na operação Dirty Money (Foto: Divulgação/Polícia Civil de Pernambuco)

Investigação

A investigação começou em março quando um empresário foi sequestrado no bairro de Boa Viagem, em Recife. Segundo o jornal Folha de Pernambuco, ele atuava no ramo de comercialização de criptomoedas. 

Quando chegou ao estacionamento do local onde trabalha, o homem foi surpreendido por três elementos armados e levado à força a um esconderijo.

A vítima ficou três horas em cativeiro e sofreu torturas, e só foi libertada depois que familiares pagaram o resgate em bitcoin. O valor pago não foi divulgado pelas autoridades.

O delegado Paulo Berenguer disse que essa modalidade de sequestro é uma novidade para os policiais do estado e que “foi a primeira vez que o pagamento de um resgate se deu em criptomoedas”.

VOCÊ PODE GOSTAR
homem segura com duas mãos uma piramide de dinheiro

Polícia do RJ investiga grupo acusado de roubar R$ 30 milhões com pirâmide financeira

Para ganhar a confiança dos investidores, a empresa fraudulenta fazia convites para assistir jogos de futebol em camarote do Maracanã
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

Polícia Civil de SP pede prisão de donos da Braiscompany e mais dois funcionários

Antônio Neto Ais já está preso na Argentina, enquanto Fabrícia Campos está em liberdade condicional
simbolo do dólar emergindo de placa de computador

Mercado Bitcoin lista duas novas stablecoins da startup Aryze

Ambas as moedas, devido à paridade com o dólar americano e à libra esterlina, representam estabilidade e diversificação na carteira dos investidores
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Quase 80% dos brasileiros desejam mais regulamentação em cripto, aponta pesquisa

Pesquisa que abrangeu América Latina teve 827 respondentes no Brasil, entre usuários e não usuários de criptomoedas