Imagem da matéria: Polícia Federal Prende Quadrilha de Hackers Que Lavava Dinheiro Com Bitcoin
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A divisão da Polícia Federal (PF) que combate crimes na internet deflagrou uma operação nesta quarta-feira (21) que prendeu um grupo de hackers que usava Bitcoin para lavar dinheiro. De acordo com o G1, a ação foi executada nos estados de Tocantins, Pernambuco, São Paulo e Goiás. Seis pessoas foram presas e duas seguem foragidas.

Segundo investigações da PF, o grupo movimentou cerca de R$ 10 milhões nos últimos nove meses. Parte do valor era lavado em empresas de fachada e em criptomoedas.

Publicidade

Eles invadiam as contas bancárias no instante em que as pessoas estavam conectadas com seus bancos realizando consultas ou transações. De acordo com as investigações a quadrilha realizava diversas transações, como pagamentos, compras e transferências, burlando o sistema de segurança das instituições.

Com esse plano, os criminosos conseguiam acessar as contas de diversas agências e roubavam o dinheiro dos clientes conectados no computador e também no telefone celular.

William Marciel Silva, suspeito de comandar o grupo, foi preso na cidade de Palmas (TO). A polícia tinha informações de que ele também possui conexão com criminosos europeus. A defesa de Silva disse que não ia se pronunciar até tomar conhecimentos dos fatos.

A polícia cumprirá ainda hoje todos os mandados que foram emitidos pelo juiz federal João Paulo Abe, da 4ª Vara Federal de Palmas. São 40 mandados, sendo 7 de prisões preventivas, 1 mandado de prisão temporária, 11 de intimações e 24 mandados de busca e apreensão.

Publicidade

Troca de dinheiro roubado por Bitcoin

De acordo com o levantamento do setor de  inteligência da Polícia Federal, os acusados têm um padrão de vida considerado alto. Eles trocaram grande parte do dinheiro roubado por bitcoins. A escolha foi estratégica porque a rede da moeda digital é semi-anônima e é difícil encontrar quem pagou e quem recebeu.

O bloqueio de bens, contas bancárias e também de contas em exchanges dos investigados já foi autorizado pela Justiça. Pessoas ligadas aos criminosos também serão ouvidas, como empresários que tiveram vantagens com pagamentos de suas dívidas realizadas pela quadrilha.

Criptomoedas na Lava Jato

Na semana passada, a operação Lava Jato flagrou o uso de criptomoedas no desvio de dinheiro público no Rio de Janeiro durante a operação Pão Nosso.

Realizada em conjunto pelo Ministério Público Federal, Polícia Federal, Receita Federal e Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, foram expedidos 14 mandados de prisão preventiva, 10 de prisão temporária e 28 de busca e apreensão.

Publicidade

 

BitcoinTrade

A primeira plataforma Brasileira que você pode comprar com segurança utilizando o seu Cartão de Crédito como forma de pagamento. Eles aceitam Visa e Mastercard. A BitcoinTrade ainda conta com certificação de segurança PCI Compliance, a única no Brasil. Acesse aqui: https://www.bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve