Imagem da matéria: Polícia Civil desarticula grupo que desviou R$ 26 milhões do Banco do Brasil
(Foto: Shutterstock)

A Polícia Civil do Distrito Federal realizou uma megaoperação de busca e apreensão em vários estados país. O objetivo é prender suspeitos de fraudes no Banco do Brasil. As ações da ‘Operação Crédito Viciado’ iniciaram na manhã de quinta-feira (09) e seguiu durante todo o dia.

De acordo com o site da Polícia Civil do DF, são 28 mandados de busca e apreensão. Desses, já foram cumpridas 15 prisões e dois suspeitos estão foragidos. Pelo menos 22 carros de luxo foram apreendidos. Essas pessoas são acusadas de desviar R$ 26 milhões do Banco do Brasil entre 2017 e 2018.

Publicidade

As ações estão sendo realizadas pelos policiais da Coordenação de Combate ao Crime Organizado (Cecor) do Distrito Federal e envolve 140 agentes da unidade e de outras delegacias no país.

A denúncia às autoridades foi realizada pelo próprio Banco do Brasil que descobriu o esquema fraudulento após uma auditoria interna. Segundo a reportagem, a Justiça já autorizou o bloqueio de R$ 15 milhões das contas dos suspeitos.

As equipes do Cecor estão agindo em Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, e no DF.

Investigação da Polícia Civil

Segundo a reportagem, dentre os alvos a serem presos constam dois ex-funcionários do Banco do Brasil e empresários de 11 empresas que prestavam serviço de cobrança a clientes para a instituição.

Publicidade

Conforme informações da polícia, assim que um cliente pagava sua dívida depois de ter falado com a terceirizada, uma comissão era paga à agência de cobrança automaticamente.

O problema é que em alguns casos acontecia um erro técnico no sistema e a transferência da comissão tinha que ser feita manualmente.

Desta forma, servidores com cargos executivos se aproveitavam de suas posições para fraudar. O pagamento manual facilitava pagar a mais para a prestadora de serviço, que repassava parte para o servidor.

“Havia funcionários e ex-funcionários do banco fraudando repasses de valores a essas empresas de cobrança bancária. Posteriormente as empresas retornavam parte das quantias aos funcionários do Banco do Brasil, como proveito do crime”, destacou o delegado e coordenador da Cecor, Leonardo de Castro.

Publicidade

Viagens e carros de luxo

Conforme relatou o delegado Wenderson Teles, os suspeitos tinham uma vida de luxo.

“Todos eles ostentavam alto padrão econômico, residiam em bairros nobres e, ainda, utilizavam os recursos ilícitos para viagens, aquisição de veículos e outros bens de consumo”, disse.


Carros de luxo apreendidos pela polícia (Foto: Divulgação/PCDF)

Suspeito recebeu R$ 4 milhões

Um dos responsáveis por realizar o meio de pagamento manual chegou a receber R$ 4 milhões em créditos ao longo de dois anos, segundo investigações. Ele foi demitido do Banco em janeiro deste ano.

Em um caso igual, outro ex-funcionário também teria recebido R$ 900 mil, apontou a polícia, segundo o G1.

O Banco do Brasil prestou todo o apoio necessário às investigações que prosseguem no sentido de identificar outros envolvidos nos crimes apurados. Todos os suspeitos podem responder por crimes de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.


Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

O jogador do Atlético Mineiro está desde o ano passado atrás dos valores investidos na WLJC Gestão Financeira através de Bigode
homem segura com duas mãos uma piramide de dinheiro

Polícia do RJ investiga grupo acusado de roubar R$ 30 milhões com pirâmide financeira

Para ganhar a confiança dos investidores, a empresa fraudulenta fazia convites para assistir jogos de futebol em camarote do Maracanã
Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó do Bitcoin"

Livro sobre a ascensão e a queda do “Faraó do Bitcoin” chega às livrarias em maio

Os jornalistas Chico Otávio e Isabela Palmeira contam sobre o golpe de R$ 38 bilhões do Faraó do Bitcoin que usou criptomoedas como isca
Imagem da matéria: Bitcoin ganha estátua no Brasil com Satoshi domando touro, símbolo de otimismo do mercado

Bitcoin ganha estátua no Brasil com Satoshi domando touro, símbolo de otimismo do mercado

O MB inaugurou uma estátua que simboliza a relevância do mercado cripto em 2024, marcado pela adoção institucional e o recorde de preço do BTC