moeda e notas pendurada em um varal
Shutterstock

A investigação da Polícia civil de São Paulo apontou que a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) é suspeita de usar uma corretora de Bitcoin com sede no litoral paulista, na cidade de Santos, para lavar o dinheiro vindo do tráfico de drogas, conforme informações da Band.

A reportagem não cita o nome da empresa. Nela, consta apenas que a corretora de criptomoedas está em recuperação judicial (RJ) e havia recebido mais de R$ 300 milhões de clientes. O valor seria fruto de um esquema de pirâmide financeira utilizando Bitcoin.

Publicidade

O cenário descrito pela matéria lembra ao da BWA Brasil, a qual estava sediada em Santos (SP) e é suspeita de esquema de pirâmide financeira com criptomoedas. A BWA antes de pedir a recuperação judicial havia deixado também dívida em cerca de R$ 300 milhões.

Esquema com Bitcoin

A polícia teria se assustado com a relação de investidores da empresa de criptomoedas suspeita. Na relação está somente investimento de alto valor feito por advogados, empresários e políticos.

A questão, porém, é que entre os clientes a polícia encontrou nomes de suspeitos de tráfico de drogas. A investigação declarou que há volumes de aplicações incompatíveis com rendimentos de determinadas pessoas.

A polícia afirmou que ainda terá de apurar se, de fato, o PCC utilizou a corretora para tentar tornar legal o dinheiro vindo do tráfico internacional de drogas. 

Publicidade

Lavando dinheiro

Caso isso se confirme, o esquema teria servido para que criminosos como André de Oliveira Macedo, o André do Rap, ostentassem uma vida de luxo, com mansão em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro, lanchas e helicópteros.

Segundo a polícia, ele mantinha essa fortuna proporcionada pelo tráfico internacional de drogas. Preso desde o ano passado, André do Rap era responsável pelo envio de toneladas de cocaína para a Europa.

O esquema de lavagem de dinheiro do narcotráfico não se dava apenas pelo uso de Bitcoins. De acordo com o inquérito da Polícia Civil há suspeita de um amplo esquema na Baixada Santista coordenado por pessoas ligadas à André do Rap, como o jovem empresário responsável por festas e eventos no litoral Freddy Silva Bento.

Parentes de Bento são suspeitas de fazer parte do esquema, usando restaurantes, lojas de roupa e até mesmo uma ONG que cuida de crianças carentes. O empresário negou, contudo, as acusações.

Publicidade

Apesar de preso e condenado em primeira instância, André do Rap pode ser solto no mês que vem. O motivo, segundo o promotor de justiça Lincoln Gakiya seria a lentidão da Justiça Federal para julgar o recurso. Enquanto isso, André do Rap tem sido mantido na cadeia com base em prisões preventivas.

VOCÊ PODE GOSTAR
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos
Policiais federais fotografados de costas

PF e Receita Federal caçam grupo suspeito de lavagem de dinheiro com criptomoedas

Policiais federais e auditores-fiscais se mobilizaram em quatro estados para cumprir mandados de prisão, busca e apreensão em um esquema de importações ilegais
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte
Sede da Braiscompany em Campina Grande, Paraíba

TRF anula contrato e Braiscompany é condenada a pagar R$ 50 mil a cliente

O contrato de serviço de cessão temporária de criptoativos foi anulado pela 17ª Vara Cível de Brasília