Imagem da matéria: PicPay passa a cobrar taxa de 1,99% para depósitos do auxílio emergencial
Foto: Shuttestock

A fintech de pagamentos Picpay passou a cobrar uma taxa de 1,99% por transferência via débito na opção ‘adicionar em carteira’. A cobrança não foi comunicado aos clientes, o que gerou reclamações em grupos no Facebook.

De acordo com uma cliente que conversou com o Portal do Bitcoin, ela sempre usou o serviço ‘adicionar em carteira’ para receber suas parcelas do auxílio emergencial e se sentiu surpresa com a cobrança.

Publicidade

“Eu colocava o valor total e não cobravam taxa nenhuma”, disse.

Em um grupo no Facebook chamado Picpay & Outros, um usuário que considerou o valor do auxílio de R$ 600 mostrou que o desconto com a taxa ficaria em torno de R$ 12.

Publicação em um grupo no Facebook sobre taxa cobrada pelo Picpay. Imagem: Reprodução

A reportagem questionou o Picpay sobre quando o serviço passou a ser cobrado e se os clientes foram avisados.

Em resposta, a empresa enviou a seguinte nota:

“Desde o início do pagamento do auxílio emergencial, o PicPay vem oferecendo a possibilidade de transferir o valor do benefício para a carteira digital de forma gratuita, absorvendo todos os custos de operação. Esta modalidade sem custos continua disponível para a operação por meio de boleto bancário. No caso de transferência para a carteira por meio do cartão da Caixa, passamos a cobrar, nesta semana, a taxa de 1,99%, seguindo o padrão das demais carteiras digitais”.

O serviço permite depósito via boleto que foi impulsionado por fundos oriundos do Caixa Tem, app da Caixa que permite o envio do auxílio nessa modalidade.

Auxílio emergencial no PicPay

A carteira digital da fintech é um dos serviços de pagamento mais utilizados no momento. Com a pandemia e a liberação do auxílio emergencial do governo federal o aplicativo ganhou 18 milhões de novos usuários.

Publicidade

O PicPay vem passando por mudanças após o rápido crescimento. A empresa vem sendo severamente critica no site de proteção ao consumidor Reclame Aqui. Em seis meses, a soma total de críticas dos clientes foi de 79.625 — uma a cada três minutos, conforme levantamento feito no início de setembro pelo Portal do Bitcoin.

O sistema interno também teve ajustes. O app da fintech não conta mais com o Banco Original na opção de depósitos. Agora, o sistema da Stone Pagamentos é usado para os serviços de transferência.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
Imagem da matéria: Justiça nega pedido de liberdade para PM acusado de vender armas ao "Faraó do Bitcoin"

Justiça nega pedido de liberdade para PM acusado de vender armas ao “Faraó do Bitcoin”

Réu é acusado de ser responsável pela segurança do criador da GAS Consultoria e vender armas para a organização criminosa