Imagem da matéria: PF leva à força dono da Grow Up para depor na CPI das Pirâmides Financeiras
Gleidson Costa, dono da Grow Up (Foto: Instagram)

A Polícia Federal está realizando uma operação de condução coercitiva nesta terça-feira (3) para levar o trader Gleidson da Costa Gonçalves, dono da Grow Up Club, para Brasília para que ele seja ouvido na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Pirâmides Financeiras.

A informação foi confirmada para a reportagem pela assessoria do deputado Caio Vianna (PSD/RJ), responsável pelo pedido para que Gleidson fosse ouvido na CPI há um mês. A operação ocorreu em Campos dos Goytacazes (RJ) e a PF está levando o executivo para Brasília para a sessão da tarde de hoje.

Publicidade

Gleidson havia sido convocado pela comissão para ser ouvido na condição de testemunha, mas não compareceu à Câmara dos Deputados, nem deu explicações sobre os motivos da sua abstenção. Por conta disso, houve o pedido de condução coercitiva para obrigá-lo a comparecer presencialmente na CPI nesta tarde.

A sessão desta terça está prevista para começar às 14h30 e tomará depoimentos de pessoas ligadas à empresa de viagens 123 Milhas, além de Gleidson, que deve ser o último a ser ouvido.

A Grow Up é uma empresa que captava dinheiro dos investidores com a promessa de entregar rendimentos acima do normal com o suposto trade de criptomoedas, assim como a maioria das companhias envolvidas na CPI das Pirâmides.

No caso do negócio de Gleidson, um grupo de cerca de 300 clientes passaram a acusar a Grow Up de ter aplicado um golpe ao deixar de pagar os rendimentos prometidos aos investidores desde janeiro.

Publicidade

Leia também: Grow Up: Investidores denunciam calote de empresa de criptomoedas e dono pode ser convocado para CPI das Pirâmides

Grow Up

Criada em 2019, a empresa operava com foco em Campos dos Goytacazes (RJ), estado que ganhou o apelido de “Novo Egito” pelo grande número de pirâmides financeiras que se proliferaram na área, sendo a GAS Consultoria, do “Faraó do Bitcoin”, a mais famosa delas.

No requerimento para convocação de Gleidson para a CPI há um mês, o deputado Vianna disse que “desde dezembro de 2022, a empresa tem atrasado o pagamento dos seus clientes”. “Sob a alegação de problemas operacionais, o presidente da empresa, Gleidson Costa, tem sido incapaz de cumprir com as obrigações financeiras assumidas com os investidores, causando prejuízos significativos”, diz o pedido.

“Gleidson Costa atribui a falta de uma conta bancária e a suposta necessidade de uma conta no exterior como razões para os atrasos nos pagamentos”, continua o texto.

Em julho, um grupo de 14 investidores que, juntos, perderam R$ 1,5 milhão investindo com Gleidson, fez um boletim de ocorrência coletivo acusando o executivo de estelionato — crime que desde que entrou em vigor a Lei de Criptomoedas (Lei 14.478/22) resulta em punição ainda maior caso envolva ativos digitais. 

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Fundador do Telegram diz que manterá seus tokens do Notcoin até multiplicarem por 100

Pavel Durov detém 1% do maior token de jogo deste ano, doado pelos jogadores. E ele não está vendendo seus Notcoin – não agora, pelo menos
Imagem da matéria: Joe Biden promete vetar resolução que visa frear política anticripto da SEC

Joe Biden promete vetar resolução que visa frear política anticripto da SEC

A Casa Branca disse que vetaria uma resolução aprovada hoje pela Câmara dos EUA “para impedir a tomada de poder regulatório da SEC”
Imagem da matéria: O que é o Notcoin? Conheça o jogo baseado em Telegram, o token NOT e os planos futuros

O que é o Notcoin? Conheça o jogo baseado em Telegram, o token NOT e os planos futuros

Notcoin é um jogo baseado no Telegram que nos últimos meses acumulou um total de 35 milhões de jogadores
Imagem da matéria: FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

Segundo os balanços, a FTX deve cerca de US$ 11 bilhões, e conseguiu levantar entre US$ 14,5 e US$ 16,3 bilhões até agora