Imagem da matéria: Perigo do DeFi supera o das finanças tradicionais, afirma associação dos Bancos Centrais
Foto: Shutterstock

O Banco de Compensações Internacionais (ou BIS, na sigla em inglês) alertou que a indústria cripto, assim como amplo setor financeiro não bancário, ameaça a estabilidade financeira e afirma que “regulações sistêmicas” são necessárias.

“No ecossistema cripto, riscos surgiram principalmente nas quedas frequentes e consideráveis de preço. Ainda não se sabe se tais fragilidades forem limitadas a esse ecossistema ou puderem se propagar para o ecossistema tradicional”, afirmou o BIS.

Publicidade

“Mas o potencial de propagações não deve ser subestimado.”

“Conforme demonstrado pela História, qualquer coisa que cresça exponencialmente não tem a probabilidade de continuar autossuficiente e, assim, merece uma maior atenção”, acrescentou.

BIS, DeFi e stablecoins

O BIS focou grande parte de seu alerta no crescente setor de Finanças Descentralizadas (ou DeFi).

Embora o sistema DeFi “pareça estar operando bastante em seu próprio ecossistema”, o BIS identificou uma série de questões.

“Além de provocar questões de lavagem de dinheiro de primeira ordem e projeção de investidores, DeFi demonstram vulnerabilidades financeiras significativas”, acrescentou o grupo.

Essas vulnerabilidades, segundo o BIS, “se igualam, mas superam as das finanças tradicionais”. Por sua vez, o BIS tem stablecoins como alvo, que “são sujeitas a clássicas corridas [bancárias]”.

Em outro relatório, publicado em conjunto com a Organização Internacional de Comissões de Valores Mobiliários (ou IOSCO), o BIS disse que normas de pagamentos tradicionais devem se aplicar às stablecoins.

Publicidade

“Esse relatório marca um progresso significativo para compreender as consequências de acordos com stablecoins para o sistema financeiro e fornecer orientações claras e práticas sobre os padrões que precisam para manter sua integridade”, afirmou Ashley Adler, presidente da IOSCO, na época.

O bitcoin ainda gera preocupações

DeFi e stablecoins não são os únicos aspectos da indústria cripto que preocupam o BIS.

O BIS também mirou no bitcoin. Em um relatório publicado em junho, o banco criticou a famosa criptomoeda por seu consumo de energia e papel na lavagem de dinheiro.

“O bitcoin, em particular, possui poucos atributos de resgate pelo interesse público enquanto também consideramos seu desperdício de energia”, afirmou.

Atualmente, o bitcoin consome aproximadamente 121 terawatts/hora de eletricidade por ano, que é mais do que a quantidade de energia consumida por grande parte dos países no mundo.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização de Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Confira 3 criptomoedas que podem disparar com o halving do Bitcoin

Confira 3 criptomoedas que podem disparar com o halving do Bitcoin

O halving pode atrair a atenção dos investidores para projetos alternativos criados no ecossistema do Bitcoin
Paolo Ong, da SEC Filipinas

Termina prazo para saída da Binance das Filipinas e reguladores avisam: “Não há como sacar fundos após bloqueio”

“Não podemos endossar nenhum método de como retirar seu dinheiro agora que a ordem de bloqueio foi emitida”, disse o regulador filipino
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de forex e criptomoedas de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Kaarat
Brad Garlinghouse, CEO da Ripple , posa para foto

Mercado de criptomoedas vai valer US$ 5 trilhões até final do ano, prevê CEO da Ripple

Brad Garlinghouse justifica seu otimismo pelo halving do Bitcoin e um possível impulso regulatório positivo do mercado cripto nos EUA