Imagem da matéria: "Perdi R$ 800 mil em Bitcoin, mas os hackers do bem me ajudaram recuperar minha carteira"
(Foto: Shutterstock)

Os americanos Chris e Charlie Brooks, pai e filho conhecidos como caçadores de bitcoins perdidos, ajudaram uma compatriota a recuperar 3,5 BTCs comprados em 2013, avaliados hoje em cerca de US$ 145 mil (R$ 800 mil). A sortuda é Rhonda Kampert, moradora de Illinois, que havia comprado a criptomoeda em 2013, conforme conta uma reportagem recente da BBC.

Kampert disse que naquele ano se interessou pelo bitcoin quando a cripto foi tema em um podcast que costumava ouvir pelo rádio e resolveu fazer a experiência. Na época, cada BTC custava cerca de US$ 80, conta a reportagem. “Era complicado o processo, mas comprei minhas moedas”, disse ela.

Publicidade

Depois de criada a carteira e realizada a compra, a americana fez a impressão das chaves e as guardou. O documento só foi tocado novamente quatro anos depois, quando o mercado de criptomoedas, principalmente o do Bitcoin, entrou num hype global, levando o preço do BTC às alturas, em cerca de US$ 20 por unidade em 2017.

Kampert então resolveu resgatar a suas criptomoedas, mas teve uma grande surpresa ao notar que os dados de acesso à carteira ficaram incompletos na impressão. “Eu tinha um pedaço de papel com minha senha, mas não fazia ideia de qual era o ID”, explicou a americana que ficou tentando fazer o login por vários meses. “Mas foi inútil e então eu meio que desisti.

Bitcoins de volta

Recentemente ela resolveu dar mais uma chance a si mesma e ao fazer pesquisas na internet encontrou a empresa de Chris e Charlie, ‘Crypto Asset Recovery. Hoje eles são reconhecidos como “caçadores de tesouros” e família de “hackers do bem”. Eles têm vários casos de sucesso que vieram a público. Moradores de New Hampshire, eles trabalham sozinhos e cobram 20% de comissão sobre BTC encontrado.

“Depois de falar com os caras online por um tempo, eu confiei neles o suficiente para entregar todos os detalhes que eu conseguia lembrar. Então eu esperei”.

Publicidade

Chris e Charlie se encontraram com Kampert em uma chamada de vídeo que bastou para a dupla mostrar a ela em tempo real o saldo de bitcoin em carteira. “Eu me senti tão aliviada!”, disse a americana, segundo a BBC. Na ocasião, os 3,5 BTCs valiam US$ 175 mil, de onde foram retirados os 20% de comissão pelo serviço.

Com a fortuna em mãos, Kampert sacou apenas o suficiente para ajudar a filha na faculdade, cerca de US$ 10 mil. Agora, ela mantém seus BTCs em uma carteira hardware cujo PIN “está gravado firmemente em sua memória”, concluiu a reportagem.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) cai para US$ 69 mil e mercado reduz apostas em ETF de Ethereum

Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) cai para US$ 69 mil e mercado reduz apostas em ETF de Ethereum

Quedas resultaram em quase US$ 200 milhões em posições de derivativos alavancadas liquidadas em diversos criptoativos, segundo CoinGlass
Pai Rico Pai Pobre Robert Kiyosaki posa para foto

Autor de “Pai Rico, Pai Pobre” explica por que não vai comprar ETF de Bitcoin

Robert Kiyosaki defende há anos Bitcoin, ouro e prata como as maiores reservas de valor
Imagem da matéria: Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos de criptomoedas do Brasil captam mais R$ 50 milhões na semana

Fundos cripto brasileiros ficam pela segunda semana consecutiva atrás apenas dos EUA em captação
Ilustração de moeda gigante de Bitcoin observada por investidores e prestes a ser cortada ao meio

Como será o futuro do Bitcoin à medida que recompensas aos mineradores ficam cada vez menores?

O que vai acontecer em 2140, quando os mineradores de Bitcoin não ganharem mais recompensas por blocos minerados?