Imagem da matéria: PayPal quer dar recompensas extras a mineradores de Bitcoin que usam energia renovável
Foto: Shutterstock

A divisão de pesquisa em blockchain da gigante de pagamentos PayPal propôs uma solução que visa “acelerar a transição para energia limpa na mineração de Bitcoin“.

O grupo de pesquisa, em parceria com a organização sem fins lucrativos Energy Web e a mineradora de Bitcoin DMG Blockchain Solutions, publicou um artigo de pesquisa sobre a “Iniciativa de Mineração Verde”, que propõe o uso de incentivos criptoecômicos para encorajar os mineradores a utilizarem fontes de energia de baixa emissão de carbono.

Publicidade

A solução delineada no artigo da PayPal envolve a identificação de “mineradores verdes” utilizando uma plataforma de validação como a “Green Proofs for Bitcoin”. Os mineradores então compartilham suas chaves públicas com um endereço de pagamento multiassinatura.

As transações são preferencialmente direcionadas para esses “mineradores verdes” ao transmitir transações on-chain com taxas de transação baixas; um UTXO adicional é anexado a essas transações, com alguns bitcoins bloqueados no endereço de pagamento multiassinatura.

Esses mineradores que trabalham de forma  sustentável podem então identificar e incluir a “transação verde” no bloco, juntamente com uma “transação de resgate” que lhes permite receber a recompensa adicional em BTC reservada no endereço de pagamento multiassinatura. De acordo com os pesquisadores da PayPal, “apenas o minerador verde que incluir a transação verde, a transação de resgate e minerar com sucesso o próximo bloco” receberá a recompensa adicional em Bitcoin.

A ideia é que, embora as baixas taxas de transação possam desencorajar a maioria dos mineradores a priorizarem essas transações on-chain, os mineradores verdes seriam incentivados a fazê-lo devido à recompensa adicional em Bitcoin — aumentando assim a probabilidade de que as transações on-chain sejam direcionadas a esses mineradores.

Publicidade

Bitcoin e o meio ambiente

O impacto ambiental do Bitcoin tem sido destaque nos últimos anos. Grupos como o Greenpeace argumentam que o mecanismo de consenso proof-of-work da criptomoeda, que os mineradores usam para resolver problemas criptográficos e que consomem bastante energia para validar blocos na rede, incentiva o consumo de combustíveis fósseis.

Em 2022, ativistas ambientais lançaram a campanha “mude o código” com o objetivo de incentivar a comunidade do Bitcoin a substituir o mecanismo de consenso do Bitcoin pelo modelo de proof-of-stake, menos intensivo em energia, utilizado por outras criptomoedas como o Ethereum.

Os defensores do Bitcoin, por outro lado, argumentam que a mineração poderia incentivar o uso de energia renovável e estabilizar as redes elétricas escalando as operações durante os horários de menor demanda.

Por exemplo, um estudo de 2023 feito por pesquisadores da Universidade de Cornell descobriu que a mineração de BTC poderia acelerar a transição para energias renováveis ao usar energia para minerar Bitcoin durante a fase pré-comercial, antes que os projetos sejam conectados à rede elétrica.

Publicidade

O debate é ainda mais complexo pela questão de exatamente quanto de energia a rede Bitcoin está usando, já que diferentes estudos empregam uma variedade de metodologias para chegar às suas conclusões.

Em setembro de 2023, por exemplo, o Cambridge Centre for Alternative Finance implementou uma atualização importante em seu Índice de Consumo de Energia do Bitcoin, concluindo que estimativas anteriores do consumo de energia da rede estavam exageradas.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Ripple anuncia programa contínuo de bolsas em dinheiro para programadores do Brasil

Ripple anuncia programa contínuo de bolsas em dinheiro para programadores do Brasil

Meta é que comunidade de programadores crie soluções na XRP Ledger, blockchain usada pela empresa e que tem o token nativo XRP
Tela de celular mostra logotipo Drex- no fundo notas de cem reais

Banco Central adia Drex para realizar novos de testes de privacidade

BC explica que primeira fase de testes foi focada em elementos de privacidade, mas as soluções encontradas “ainda não estão maduras”
Pessoa inserindo chip no celular

Justiça manda TIM pagar R$ 21 mil a cliente que teve celular clonado e perda de criptomoedas

A partir da clonagem do celular, os invasores tiveram acesso ao email e posteriormente a uma carteira cripto na Binance
Moeda de Ethereum na frente de gráfico

Ethereum pode surpreender positivamente nos próximos meses, diz Coinbase

Subindo menos que outras criptomoedas em 2024, o Ethereum pode se recuperar e superar seus pares nos próximos meses, avalia a Coinbase