Imagem da matéria: Open Banking e a ascensão de novos modelos de negócios bancários
Foto: Shutterstock

A migração dos dados da Instituição Financeira para o cliente entregar a quem ele quiser traz uma série de novas questões, que podem ser desde ameaças a oportunidades vistas pela Instituição Financeira.

Há quatro formas essenciais de instituições consolidadas adotarem o Open Banking atualmente: exercendo o papel de Integradora, de Produtora, de Distribuidora ou de Plataforma.

Publicidade

Na primeira opção, a instituição é responsável pela oferta e distribuição de seus próprios produtos, normalmente através de desenvolvimento interno. Nesse caso, o banco pode alavancar APIs internamente para acelerar a oferta de novos produtos e serviços, além de melhorar a governança interna. A experiência do cliente é completamente controlada pelo banco.

O risco aqui é demorar pra lançar novos produtos e serviços, altos custos e perda do passo da inovação.

No segundo papel, de “Produtora”, a instituição atua como uma “fábrica de produtos” financeiros, e permite que outros membros do ecossistema (um terceiro ou uma fintech, por exemplo) cuidem do relacionamento com o cliente e distribuam os produtos dela.

A entidade externa (ou fintech) neste caso além de distribuir o serviço, pode se tornar um agregador distribuindo produtos que agregam dados de diferentes instituições financeiras.

E quais os Riscos neste caso? Risco de “comoditização”, pois os bancos fornecem a infraestrutura e o receio aqui está em perder o relacionamento com o cliente.

Publicidade

No terceiro modelo, instituições podem considerar estender sua presença digital, distribuindo serviços e produtos de terceiros, através de seus próprios canais de distribuição. Neste modelo, o banco usa insights de clientes e ativos de distribuição para vender produtos originados do ecossistema. Um exemplo bem interessante aqui é da do HSBC do reino unido, que criou uma aplicação chamada de HSBC Connected Money, que agrega dados financeiros e informações de cerca de 21 instituições financeiras diferentes.

E qual o risco neste modelo? De canibalização, quando os bancos começam a distribuir produtos que competem com as próprias ofertas existentes.

Na quarta estratégia, o banco se transforma em uma Plataforma digital, cujo objetivo é estreitar ainda mais o relacionamento com o cliente ao conectá-los a novos players. Para compreender o conceito de plataforma, basta olhar no mercado exemplos como Airbnb e Uber, que atuam como “facilitadores” entre os consumidores e os fornecedores dos serviços.

Aplicado ao mercado financeiro, esse conceito se traduz em um ambiente que facilita a troca de valor entre produtores e consumidores, um modelo que conecta bancos e fintechs e move toda uma indústria por meio de forte colaboração.

Publicidade

Nesse caso, grandes instituições financeiras tornam-se um verdadeiro marketplace de serviços e, como plataformas, podem oferecer uma série de novos serviços adicionais, entre eles: verificação de identidades, Know Your Customer (KYC), identificação de fraudes, entre outros. E qual o risco neste último caso? De erosão de margens, já que os clientes podem optar por novos serviços com taxas mais competitivas.

É interessante observar que as instituições financeiras podem fazer definições estratégicas e atuar em qualquer um dos modelos, ou quem sabe, adotar os quatro modelos apresentados aqui ao mesmo tempo. O importante é que cada modelo desse exige um posicionamento diferente, parcerias diferentes, critérios de escolhas diferentes, governança distinta, comunicação diferente e estrutura distinta.

Sobre o autor

Gabriel Fajngold é Head of Digital Automation & Analytics na MJV Innovation. Desenvolveu a estratégia digital de diferentes serviços, monitorando métricas e resultados para a geração e comprovação de hipóteses; e é responsável pelas campanhas de vendas e engajamento digital através de softwares de automação.

VOCÊ PODE GOSTAR
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”