Imagem da matéria: Ação judicial alega que Binance processou saques de US$ 9,4 milhões em criptomoedas roubadas
Foto: Shutterstock

A exchange de criptomoedas japonesa Fisco alegou que a Binance não conseguiu controlar o saque de mais de US$ 9,4 milhões em fundos ilícitos vinculados a um hack de 2018, de acordo com uma denúncia apresentada no Tribunal Distrital do Norte da Califórnia em 14 de setembro.

Na época conhecido como “Zaif” – antes de uma aquisição de US$ 44 milhões pela Fisco em 2019 – a corretora foi atacada por hackers em setembro de 2018 que roubaram US$ 63 milhões em Bitcoin, Bitcoin Cash e Monacoin.

Publicidade

Na época, os hackers tiveram acesso às carteiras quentes da Zaif e levaram a maior parte dos fundos da empresa.

Mas, dois anos depois, a Fisco alega que a Binance não conseguiu impedir os hackers de sacar mais de US$ 9,4 milhões em criptomoedas.

“Os ladrões lavaram os fundos roubados por meio da Binance, aproveitando a política da Binance que permitia que novos usuários abrissem contas e negociassem em valores abaixo de 2 Bitcoins sem fornecer qualquer identificação significativa ou informações de KYC”, disse a Fisco em sua acusação.

Na época, para negociar na Binance não era necessário enviar nenhum documento, desde que seus saques diários não ultrapassassem 2 Bitcoins, disse a Fisco. Isso significa que os hackers fizeram várias contas com carteiras diferentes e trocaram seus fundos roubados por outras criptomoedas para sacar seus ganhos, acrescentou.

Publicidade

A Fisco afirmou que notificou a Binance sobre os fundos roubados várias vezes em 2018, sem sucesso. “A Binance tinha conhecimento real de que a criptomoeda foi roubada da Zaif e foi transferida para endereços e contas na Binance. A Binance, intencionalmente ou por negligência, falhou em interromper o processo de lavagem de dinheiro quando poderia ter feito isso”, afirmou a denúncia.

Para apoiar sua afirmação, a Fisco também citou um relatório anterior da Chainalysis, onde dizia que a Binance recebeu 27% dos US$ 2,8 bilhões em criptomoedas roubadas em 2019.

Por que fazer a denúncia na Califórnia?

Enquanto isso, a Fisco disse que decidiu registrar a queixa na Califórnia por dois motivos: algumas das vítimas do roubo da Fisco residiam na região e que a Binance tinha “componentes críticos” de seus negócios nos Estados Unidos.

Alguns desses componentes incluem os servidores em nuvem da Binance em execução no provedor de computação em nuvem dos EUA Amazon Web Services e uma grande parte de suas reservas de criptomoedas sendo mantidas em empresas de custódia dos EUA com sede na Califórnia, alegou a Fisco.

Publicidade

Até o momento, a Fisco está exigindo indenização da Binance por seu suposto papel em permitir que hackers retirassem US$ 9,4 milhões e está buscando um julgamento por suas alegações.

*Traduzido e republicado com autorização da Decrypt.co
VOCÊ PODE GOSTAR
Donald Trump ex-presidente dos EUA

Donald Trump recebe compradores de seus NFTs em jantar de luxo

O ex-presidente resolveu aproveitar o dia de folga do Tribunal de Nova York para receber os apoiadores no resort de luxo Mar-a-Lago
trader segura moeda de bitcoin em frente a grafico em computador

Bolsa de Chicago planeja lançar negociação de Bitcoin à vista, diz jornal

O objetivo é capitalizar a crescente demanda este ano entre os gestores de Wall Street para ganhar exposição ao setor de criptomoedas
dupla de homens sendo presa

Irmãos são presos por roubo de R$ 130 milhões em ataque de 12 segundos na rede Ethereum

O procurador americano Damian Williams disse que “este suposto esquema era novo e nunca havia sido acusado antes”
Ministro Zhaslan Madiyev ex-gerente Binance Cazaquistão

Gerente da Binance é nomeado ministro de Desenvolvimento Digital no Cazaquistão

Depois de passagens por bancos e órgãos do governo cazaquistanês, Zhaslan Madiyev ocupa agora o maior cargo do Ministério de Desenvolvimento Digital, Inovações e Indústria Aeroespacial