Espião
Shutterstock

“Assunto: PLD (Prevenção à Lavagem de Dinheiro). Título: A instituição não possui procedimentos adequados para coletar as informações cadastrais de seus clientes permanentes.”

Assim começa o segundo comunicado do Banco Central do Brasil — ao qual o Portal do Bitcoin teve acesso — para o Banco Acesso, que causou a separação da Binance com o provedor de pagamentos Capitual. É uma parte do processo que culminou com a suspensão temporária dos saques e depósitos em reais da corretora de origem chinesa.

Publicidade

O documento afirma que, com base nas informações que já haviam sido solicitadas, a ES (entidade supervisionada), no caso o Acesso, não possuía os procedimentos adequados para a coleta e registros de todas as informações cadastrais obrigatórias dos clientes.

Trata-se do ponto central que provocou no dia 17 de junho o fim dos saques e depósitos em reais da Binance via Capitual, empresa que conectava a corretora com os serviços bancários no Brasil e possibilitava, por exemplo, os saques e depósitos via PIX. Atualmente, serviço é prestado pela Latam Gateway e pelo banco BS2.

Na prática, as contas da Binance dentro do Acesso não estavam individualizadas por cliente, mas agrupadas em um grande número de pessoas — como fossem grandes aviões nos quais não é possível saber quem é o passageiro.

O Banco Central não comenta sobre a individualização mas diz que a empresa da pagamentos deveria comprovar os procedimentos de coleta das seguintes informações:

Publicidade

I – qualificação do cliente pessoa física: nacionalidade, local de nascimento, endereço comercial, valor da renda mensal, valor do patrimônio, declaração firmada sobre os propósitos e a natureza da relação de negócio com a Instituição e profissão. As informações relativas a cliente pessoa natural devem abranger as pessoas naturais autorizadas a representá-lo;

II – qualificação do cliente pessoa jurídica: informações que qualifiquem e autorizem os administradores, mandatários ou prepostos (nacionalidade, data e local de nascimento), declaração firmada sobre os propósitos e a natureza da relação de negócio com a Instituição e informações relativas às pessoas naturais caracterizadas como beneficiários finais da cadeia de participação. Ressaltese que a Instituição poderá apresentar, como proposta alternativa de regularização deste apontamento, os procedimentos adotados para identificação, qualificação e classificação de seus clientes com base nas determinações contidas na nova Circular nº 3.978/2020, que incluem a elaboração de avaliação interna de risco.

Uma terceira notificação foi entregue após o rompimento da empresa no dia 29 de junho. Nele, o BC pede uma atualização da relação da Acesso com a B Fintech (CNPJ ligado à Binance no Brasil) e o Capitual.

Trecho da segunda notificação do Banco Central (Imagem: BC)

Notificações anteriores ao Acesso e Binance

O documento mostra trechos do histórico das trocas entre a autarquia e a Instituição de Pagamentos. É possível ver que o caso vem se desenrolando desde antes de março, pois já registra uma reposta do Acesso no dia 8 daquele mês aos questionamentos do “OFÍCIO 10165/2021-BCB/DESUC”.

Publicidade

Na reposta, a instituição de pagamentos detalha como funcionava a operação, usa o nome Forteras em vez de Capitual e declara que a “B Fintech é cliente da Acesso Soluções de Pagamento” em um modelo chamado de Open API.

Neste sistema, diz o Acesso, o cliente abre uma conta de pagamento e pode utilizar as APIs de pagamento para TED, boleto e PIX nas operações, mas os usuários da Forteras ou Binance não possuem contas de pagamentos na Acesso.

O que existe é “apenas uma conta gráfica junto ao parceiro, o qual realiza a orquestração dos saldos entre contas (conta de liquidação do parceiro na Acesso e conta gráfica do cliente). Desta forma, a Acesso não tem informações sobre o cliente final, o qual é atendido diretamente pela Forteras”.

O enquadro do regulador vem logo em seguida com o pedido de detalhamento sobre os procedimentos que o Acesso usa para prevenir a lavagem de dinheiro ou financiamento ao terrorismo. Além disso, há o pedido de apresentar o cadastro completo dos clientes da B Fintech/Binance/Forteras.

Mais de um mês depois, no dia 25 de abril, o Acesso envia uma resposta ao BC na qual diz que está trabalhando para cumprir a solicitação e pede mais prazo para cumprir o pedido — algo que nunca foi cumprido uma que vez que a Binance deixou de usar os serviços da Forteras/Capitual.

Publicidade

Questionada sobre o motivo do rompimento, a Binance disse em nota que não é cliente do Acesso e que nunca foi informada sobre qualquer solicitação do Banco Central para individualização de contas. Diz também que a Capitual deixou de ser a provedora de pagamentos por ações que conflitam com seus valores e que “tomou todas as medidas necessárias e cabíveis em relação à empresa para proteger os usuários e seus recursos e assegurar que eles não sejam afetados negativamente pela mudança”.

VOCÊ PODE GOSTAR
Nathalia Arcuri falando em evento

Mercado Bitcoin e Nathalia Arcuri firmam parceria de conteúdo via blockchain

Mercado Bitcoin e Nathalia Arcuri firmam parceria via blockchain e promovem educação financeira de criptoeconomia gratuita
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”