Imagem da matéria: O que acontece com Bitcoin e Ethereum se os EUA derem calote na dívida pública?
Foto: Shutterstock

Os Estados Unidos estão se aproximando de uma data que pode ter consequências históricas para os mercados globais, correndo o risco de enfrentar sua primeira inadimplência de dívida. Esse é um temor que, se de fato acontecer, pode ter um impacto descomunal no Bitcoin, Ethereum e no restante do mercado de criptomoedas.

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, alertou semanas atrás que o governo logo ficaria sem fundos se o teto da dívida não fosse suspenso ou aumentado — possivelmente já em 1º de junho. Washington não será capaz de pagar suas contas, avisou ela.

Publicidade

Impasses semelhantes sobre o teto da dívida abalaram os mercados no passado, como um desacordo prolongado sobre o teto da dívida que fez o S&P 500 cair 16% em 2011, assustando os investidores antes que uma resolução fosse alcançada.

Desta vez, Wall Street bocejou. O S&P 500 caiu menos de 1% desde que Yellen emitiu seus comentários preocupantes em 1º de maio. No entanto, o Bitcoin caiu mais de 7% e o Ethereum caiu quase 3% no mesmo período, de acordo com dados do CoinGecko.

A “Data X” dos EUA

Normalmente, os desastres do teto da dívida criam mais ruído do que as notícias que movimentam o mercado, disse o diretor de derivativos da Amberdata, Greg Magadini, ao Decrypt — mas ele reconheceu que um calote da dívida dos EUA está longe de ser descartado.

“Parece uma briga de galo muito intensa agora”, disse ele. “E considerando como as coisas ficaram loucas nos últimos dois anos, acho que tudo é possível.”

Publicidade

Caso o governo não pague suas dívidas, os ativos de risco, como ações e criptomoedas, enfrentarão problemas de curto prazo, disse Magadini. Ele explicou que isso ocorre porque uma queda na qualidade da dívida garantida pelo governo provavelmente aumentaria os custos dos empréstimos, aumentando contraintuitivamente seu rendimento e fortalecendo o dólar em comparação com outros ativos.

Da mesma forma, o dólar pode se fortalecer durante um calote dos EUA, já que os traders americanos tendem a vender seus dólares — trocando-os por moedas estrangeiras e ativos —  durante eventos de risco, disse o chefe de pesquisa da CoinShares, James Butterfill, ao Decrypt.

“Falando tecnicamente, o dólar deveria ser vendido em caso de calote, mas não porque as pessoas tendem a investir seus dólares em períodos de estresse do mercado”, disse ele. “O dólar pode realmente se fortalecer, perversamente, porque as pessoas estão ficando preocupadas, e isso não será tão bom para o Bitcoin.”

Butterfill prevê que o dólar se fortalecerá e o Bitcoin cairá à medida que se aproxima o que a Casa Branca descreveu como a “data X” dos EUA, a data oficial em que o governo não pode mais pagar suas contas.

Publicidade

“Este é um cenário realmente complicado”, disse Butterfill, observando que não acha provável um default. “Não é tão óbvio o que exatamente vai acontecer.”

Bitcoin pode subir?

Por outro lado, Greg Magadini, da Amberdata, apontou que Bitcoin e Ethereum podem reagir de forma diferente em caso de inadimplência. O Bitcoin pode valorizar ao lado do ouro após uma queda inicial – como um cheque na moeda emitida pelo governo – enquanto o Ethereum provavelmente permaneceria deprimido ao lado das ações de tecnologia, disse ele.

O sentimento foi repetido pelo co-chefe de negociação da Genesis, Gordon Grant, que disse ao Decrypt que o Bitcoin tem mais vantagens do que o Ethereum se o governo não puder mais cumprir suas obrigações de dívida, mas ambas as moedas enfrentariam pressão inicialmente.

“Talvez haja uma queda inicial, já que os ativos de risco são absolutamente derrotados, porque o mercado de ações será dizimado”, disse ele. “Mas o Bitcoin provavelmente está subindo.”

Para o Ethereum, Grant disse que a segunda maior criptomoeda por capitalização de mercado geralmente está vinculada a índices que rastreiam ações de tecnologia, como o Nasdaq, tornando provável que tenha um desempenho inferior ao do Bitcoin se ocorrer um default.

Publicidade

“Não importa se eu acho que é uma comparação justa”, disse ele, observando que é assim que certos modelos negociam a relação entre coisas como o Nasdaq e Ethereum. “Portanto, tendemos a esperar um desempenho inferior do Ethereum.”

Em busca de solução

Como um exemplo de como a cripto se saiu durante os recentes eventos de risco, Grant apontou para os ganhos enormes do Bitcoin em comparação com o Ethereum após vários colapsos de bancos em março, incluindo o Silicon Valley Bank. 

No entanto, ele ressaltou que não há dados para sugerir como as criptomoedas poderiam reagir se o governo dos EUA entrar em default pela primeira vez na história.

Tanto Grant quanto Magadini destacaram o aumento da atividade no mercado de opções para Bitcoin à medida que um possível default se aproxima, dizendo que isso sugere que os traders — principalmente os institucionais — estão apostando que a moeda terá maior volatilidade.

No final do dia, Grant disse estar confiante de que os legisladores americanos deixarão suas diferenças de lado e chegarão a um acordo como sempre fizeram. Mas, apontando para a lógica de Tom Keene, da Bloomberg, Grant disse que a grande questão é se eventos como esses se tornam mais comuns em um clima político cada vez mais polarizado e se algum dia desaparecerão.

“Podemos ruminar e pontificar, mas a história real é esse fenômeno do governo dos EUA, como nação devedora, esbarrando no teto da dívida”, disse Grant, acrescentando que o risco de isso se tornar uma espécie de “como a salsicha é feita do século 21”.

* Traduzido e editado com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moeda de Bitcoin no centro de dados IA

Como a Inteligência Artificial pode ajudar a detectar lavagem de dinheiro com Bitcoin

Um relatório da Elliptic mostra como o MIT-IBM AI Labs usou técnicas de deep learning com Inteligência Artificial para detectar fraudes na blockchain do Bitcoin
Imagem da matéria: Desafio do Ethereum é criar interoperabilidade entre segundas camadas, afirmam especialistas

Desafio do Ethereum é criar interoperabilidade entre segundas camadas, afirmam especialistas

Integrar as dezenas de redes de segunda camada é o próximo grande passo, tanto para programadores quanto usuários finais
Imagem da matéria: O que é o Notcoin? Conheça o jogo baseado em Telegram, o token NOT e os planos futuros

O que é o Notcoin? Conheça o jogo baseado em Telegram, o token NOT e os planos futuros

Notcoin é um jogo baseado no Telegram que nos últimos meses acumulou um total de 35 milhões de jogadores
Vitalik Buterin na ETH Taipei 2024. Foto: Rug Radio

Como o fundador do Ethereum, Vitalik Buterin, mantém suas criptomoedas seguras

“Descentralize sua própria segurança”, diz Buterin – mas ele não usa uma cold wallet para suas próprias criptomoedas