Bitcoin
Shutterstock

Recentemente, você pode ter visto parte do drama destrutivo e insalubre envolvendo a “comunidade” de bitcoiners sobre quem é — e quem certamente não é — um “maximalista”.

Um maximalista de bitcoin (BTC) é uma pessoa que tem muitos investimentos no ativo e acredita que o bitcoin é a única criptomoeda digna de importância e que todas as outras são, se não forem golpes, distrações desse projeto valioso e arrasador.

Publicidade

O propósito desse projeto continua sendo o foco de um intenso debate no mundo maximalista: Existem teóricos monetários que acreditam que a “rigidez” natural do bitcoin garanta seu status futuro como uma reserva de moeda global; outros que acreditam que deve servir apenas como um amortecedor contra a interferência governamental na oferta monetária; outros que consideram o ideal “cypherpunk” da resistência à censura como o caso de uso aniquilador e menosprezam outras criptomoedas principalmente porque dependem de uma arquitetura inferior de segurança.

É o primeiro grupo, dos teóricos da “moeda forte” — conhecidos como “toximaxis” devido à sua tendência de serem agressivos no Twitter com qualquer um que não compartilhar da mesma opinião — que estão em crise neste momento.

Mais recentemente, estavam discutindo com um possível ex-aliado, o capitalista de risco e ensaísta Nic Carter, após ele revelar no Twitter que seu fundo, o Castle Island Ventures, havia investido em uma empresa que estava desenvolvendo uma funcionalidade de log-in baseada em carteira e que não tinha envolvimento com o bitcoin.

Os maximalistas ficaram furiosos com a suposta traição de um grande defensor. Carter publicou um artigo no Medium e chamou o maximalismo de “doença” para, em seguida, foi visto fraternizando (de forma irônica) com um temido não investidor em bitcoin. Foi tudo muito infantil e constrangedor.

Publicidade

Obsessão

Mas essa não foi a primeira vez que um grande bitcoiner — que Carter ainda afirma ser — quis se distanciar de um movimento cuja obsessão com a pureza continua custando o apoio de pessoas influentes que, por outro lado, seriam aliados naturais.

O grupo está sempre afastando possíveis parceiros de jornada: Os tuiteiros Udi Wertheimer e Hasu fugiram com nojo há um tempo e o ex-herói bitcoiner Nassim Taleb chegou a remover seu prefácio a um artigo de economia e maximalista.

Outros suavizaram sua retórica. Alex Adelman, CEO do aplicativo de recompensas para compras feitas apenas com bitcoin Lolli, agora se considera um “otimista de bitcoin” e elogiou a cultura do setor de tokens não fungíveis (ou NFTs, na sigla em inglês) durante o evento NFT NYC. Já o fervoroso ex-maxi Dan Held afirma ser um “maismalista” — ou alguém que acredita muito no bitcoin, mas não despreza outros projetos.

Também existe a lista de pioneiros de bitcoin que há muito tempo aderiram à abordagem multiconfessional às criptomoedas, como Erik Voorhees, Roger Ver e Jesse Powell. E também existem os pragmáticos, como Carter e Anthony Pompliano, que são craques em irritar a vanguarda fanática do bitcoin — até que esta se volta contra eles.

Publicidade

Também existe um consenso de que o projeto do maximalismo de moeda forte está se autodestruindo, e que existe uma maçã podre no meio. É importante mencionar que muitos do próprio grupo principal, incapazes de resistir a uma oportunidade atrativa de mercado, acolheram projetos que teriam chocado os mais virtuosos.

Por exemplo, outro ex-maximalista, Eric Wall, me* contou que deixou o movimento quando grandes nomes se tornaram “cada vez mais hostis” ao seu interesse em blockchains de segunda camada do Bitcoin chamadas de “drivechains” — uma forma de explorar a “funcionalidades de altcoins”, como contratos autônomos e corretoras descentralizadas (ou DEXs) via Bitcoin.

Os planos de uma drivechain foram abandonados por motivos técnicos desconhecidos e Wall migrou de foco.

“É assim que eu saí do maximalismo”, explicou. Foi “a realização de que a camada-base do Bitcoin não iria alimentar essas funcionalidades interessantes que vemos em outras blockchains, como a tecnologia de conhecimento zero (ZKP) para a escalabilidade e privacidade, por exemplo”.

Ironia

A ironia é que essas mesmas pessoas, principalmente funcionários da grande desenvolvedora Blockstream, depois criaram a Liquid — uma rede “sidechain” (paralela) do Ethereum que permite a venda de tokens e Finanças Descentralizadas (ou DeFi) na blockchain do Bitcoin —, um serviço que era justamente o que Wall procurava.

Quando o Ethereum estava bombando em 2021, a Blockstream claramente queria participar da festa, promovendo uma série de lançamentos NFT na plataforma conforme a popularidade do mercado NFT só subia.

Publicidade

A Liquid ainda não ganhou força. Grande parte dos blocos da Liquid tem, em média, uma transação: O minerador pagando pelo privilégio de verificar o bloco. O fracasso é resultante de “uma falta de compreensão por humanos”, explicou Wall.

Ele acrescentou que os desenvolvedores da Liquid, cegos pela aliança ao Bitcoin, falharam em levar algumas “tolices” em consideração, como a experiência de usuário (ou UX) e a adequação do produto ao mercado.

“Você precisa entender os humanos para entender por que a Liquid não é atrativa. A Blockstream só se importou com seus próprios argumentos, que não é a forma como você deixa um impacto no mundo.” A Blockstream não respondeu ao pedido por comentários.

Da mesma forma, nos últimos anos, maximalistas apoiaram plataformas que permitem a venda de tokens desenvolvidos no Bitcoin e muitos defendem stablecoins centralizadas, como tether (USDT), reconhecendo seu papel em garantir a capitalização e liquidez do bitcoin.

O apoio interminável à implementação do bitcoin como moeda corrente em El Salvador pelo autoritário presidente Nayib Bukele foi um espetáculo particularmente incômodo.

Surge a seguinte pergunta: Os maximalistas ficam felizes demais em contrariar seus ideais quando a oportunidade aparece? Os altos ganhos feitos em outro lugar do mercado cripto os corrompe tão facilmente?

Publicidade

Pete Rizzo, ex-editor da CoinDesk e que agora trabalha na corretora cripto Kraken e se identifica como maximalista (apesar de ser de um tipo diferente), me disse que nenhum dos aspectos acima constituíam uma “podridão” ou traição aos princípios: Para ele, tokens, NFTs e stablecoins não eram o problema.

Em vez disso, ele disse que o perigo apresentado a investidores do varejo são as ofertas não reguladas de valores mobiliários em plataformas como o Ethereum.

“A crítica não é que tokens além do bitcoin sejam inerentemente ruins, e sim que são estruturados de uma forma onde a responsabilidade é dos investidores do varejo”, explicou.

NFTs foram criados na plataforma de Bitcoin Counterparty, acrescentou ele (sim, é verdade!), e a tentativa em integrá-los ao Bitcoin não é uma grande heresia. “O maximalismo de bitcoin apenas afirma que o bitcoin é a única criptomoeda descentralizada”, disse ele.

“É a única cujo acúmulo de valor e cuja operação acontecem de maneira uniforme, então é melhor se empenhar em criar todas as coisas de volta no Bitcoin (seja lá quanto tempo isso demore) com o objetivo final de trazer o máximo possível [à rede].”

Porém, o testemunho de Rizzo a uma abordagem fundamentada bastante em princípios é difícil de conciliar com a realidade dos diversos projetos paralelos dos maximalistas: Seu apoio, por exemplo, à tether, que é operada no Ethereum e, historicamente, não é muito honesta com seus investidores do varejo, ou exemplos importantes em que maximalistas não integraram a inovação com a qual estão envolvidos à rede Bitcoin.

Quem consegue esquecer, por exemplo, a vez em que o ex-Blockstream Samson Mow, um dos maiores críticos de Carter em junho, apoiou — olha só — um token desenvolvido no Ethereum!

Rizzo argumentou que aquele token só estava acessível para investidores qualificados e não era um risco a investidores do varejo, mas é preciso perguntar: Até onde esses limites são impostos?

É sobre valorizar o caso de uso do bitcoin acima de todo o restante? Ou tem a ver com garantir que qualquer inovação só seja implementada no Bitcoin? Ou que o varejo não seja prejudicado? E aquele país que foi prejudicado com o fracassado “título de Bitcoin” de Bukele?

Promessas

Na sequência, existe o excesso de promessas e modelos bizantinos de previsão que, um após o outro, resultaram em nada: O célebre modelo “stock to flow”, o tão hypado “halving”, o bitcoin como uma “proteção contra a inflação”, como “dinheiro digital” — cada um foi abandonado quando as previsões não foram precisas.

Outros supostos princípios maximalistas, como a aversão à interferência do Estado, também são descartáveis: Recentemente, maxis, incluindo o bilionário Michael Saylor, pediram que reguladores desligassem redes adversárias, como o Ethereum, mesmo que tentem lucrar com suas imitações.

É preciso pensar no que realmente é o maximalismo — se é que significa alguma coisa. Na opinião de Rizzo, a atual estirpe de maximalismo de moeda forte pouco tem a ver com o etos anarcocapitalista e de livre mercado que surgiu com o movimento.

Rizzo observa que muitos dos libertários mais ferrenhos do bitcoin, como Ver e Voorhees, saíram há muito tempo com a implícita intenção de buscar outras oportunidades.

Quem sobrou adotou um estilo de vida quase teológico da ideologia despida do libertarianismo e suas tentações, traficando óleos de semente, aderindo a dietas cetogênicas e vivendo com suas “esposas tradicionais”. Claramente, também negociam nos amplos mercados cripto — mas apenas sob uma série de justificativas obscuras.

No máximo, essa parte específica de “maximalismo” agora é uma ideologia desgastada — que se vende e se reformula com cada correção de mercado.

Assim como o grupo feminino Sugababes e sua troca de membros, a doutrina possui uma forma, mas nenhum conteúdo. É um ideal vazio que não sugere nada duradouro — rígido o suficiente para gerar devoção, mas volúvel o suficiente para sobreviver às inevitáveis traições de seus aderentes mais “tóxicos”.

É por isso que eu acredito que o maximalismo do bitcoin vai durar para sempre.

*Artigo por Ben Munster, ex-redator do Decrypt e responsável pela coluna “Zero Knowledge” (ou “Conhecimento Zero”) e que fala sobre o mercado cripto a partir da perspectiva de uma pessoa leiga na indústria.

**Traduzido por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin se estabiliza após a montanha-russa da inflação e da taxa de juros

Manhã Cripto: Bitcoin se estabiliza após a montanha-russa da inflação e da taxa de juros

Taxas de juros desempenham um papel fundamental na ação do preço dos ativos de risco, como as criptomoedas e o mercado de ações
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin tem forte alta com ETFs nos EUA batendo recordes de aportes

Manhã Cripto: Bitcoin tem forte alta com ETFs nos EUA batendo recordes de aportes

ETFs de Bitcoin à vista dos EUA registraram entradas de US$ 886,75 milhões, o que é o segundo maior fluxo diário desses produtos
Ilustração de moeda NOT dourada com logotipo do jogo Notcoin do Telegram

Notcoin salta 10% após número de carteiras ativas diárias igualar com o Ethereum

Os jogos baseados em Telegram estão causando a explosão da The Open Network, com Notcoin liderando todo o mercado de criptomoedas nas últimas 24 horas