Fachada de um prédio da BlackRock na Califórnia, EUA
Shutterstock

No artigo de hoje vou trazer uma análise da importância para a economia global do fundo tokenizado lançado pela BlackRock, maior gestora de ativos do mundo, em março deste ano. 

Para quem acompanha, está vendo que a tokenização de ativos do mundo real (Real World Assets), se tornou uma das tendências mais promissoras para empresas e instituições financeiras.

Esta inovação que utiliza a tecnologia blockchain e smart contracts promete democratizar o acesso a investimentos que antes eram limitados apenas para instituições financeiras e investidores qualificados.

Publicidade

Mas os benefícios não estão limitados a isso. 

O que é tokenização e o que o fundo da BlackRock representa?

A tokenização de ativos do mundo real traz vantagens para todos os lados e isso fica claro ao ver a entrada da BlackRock neste mundo dos ativos tokenizados, demonstrando que o cenário está pronto para uma transformação significativa.

Além disso, com a gestora neste mercado pode servir como catalisador para uma adoção mais ampla e rápida dessa tecnologia inovadora. 

A principal vantagem da tokenização de ativos do mundo real é a capacidade de fracionar e representar ativos como imóveis, ações, obras de arte, commodities, em tokens digitais. 

Isso não apenas contribui para a divisão e a transferência de propriedade, mas também permite liquidez, redução de custos, mais transparência e também segurança. 

Publicidade

Exemplificando, o mercado de capitais e de crédito já vêm sendo tokenizados pela Liqi. Dessa forma, recebíveis estão sendo tokenizados, trazendo benefícios para o emissor do token, como liquidez e redução de custos com a operação.

Já para o investidor, acesso a investimentos que talvez não teria, além de maior transparência, segurança e rentabilidades mais interessantes. 

Então, com a BlackRock entrando neste mercado, provavelmente vamos ver nos próximos meses e anos mais empresas e investidores aderindo a tokenização, isso porque a presença da gestora pode trazer mais segurança e escalabilidade para esse setor já que é uma companhia estabelecida e com uma grande reputação na gestão de ativos.

Então, instituições que têm preocupações com questões regulatórias, de segurança e de governança tendem a olhar para a tokenização de uma outra forma. 

Publicidade

Os próximos passos da economia tokenizada

CitiBank e JP Morgan divulgaram recentemente relatórios apontando que esperam que o mercado de tokenização atinja trilhões de dólares até 2030. 

No entanto, apesar das notícias estarem impulsionando a tokenização, é necessário estar ciente que ainda temos desafios regulatórios já que reguladores do mundo inteiro estão buscando entender essa inovação.

Porém, quando se trata desse assunto, o Brasil está bem à frente, já que o Banco Central e a própria CVM vêm se aprofundando muito no assunto. Inclusive através do DREX, o Banco Central estará tokenizando a nossa economia. 

O importante é que as empresas envolvidas no setor de tokenização trabalhem juntas para colaborar com os reguladores a fim de garantir que as melhores práticas sejam estabelecidas.

Concluindo, a entrada da BlackRock e de grandes players olhando para ativos tokenizados é um marco significativo e mostra que a tokenização não é uma possibilidade, mas sim é uma evolução tecnológica que traz diversos benefícios e já está acontecendo. 

Publicidade

O importante agora é manter o compromisso em educar empresas e pessoas sobre os benefícios existentes, porque essa ferramenta já está democratizando o acesso a investimentos além de estar proporcionando a inclusão financeira em todo o mundo. 

Sobre o autor

Daniel Coquieri é CEO da empresa de tokenização de ativos Liqi Digital Assets. Empreendedor do ramo da tecnologia, foi fundador da BitcoinTrade, uma das maiores corretoras de criptomoedas do Brasil.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Projeto de universitários brasileiros ganha R$ 50 mil em hackathon global da Solana

Projeto de universitários brasileiros ganha R$ 50 mil em hackathon global da Solana

Grupo criou aplicação para conectar via blockchain produtores de energia e estações de abastecimento, com a mira no mercado de carros elétricos