miniaturas de pessoas minerando bitcoin em meio a pedras e folhagens
(Foto: Shutterstock)

Com o último halving do Bitcoin marcado para este fim de semana, a rede subjacente à maior criptomoeda do mundo deverá passar pela maior mudança em anos.

Muito foi prognosticado sobre como a mudança afetará o preço do BTC e o mercado cripto mais amplo. Mas como o halving impactará o controverso, frequentemente debatido e inegavelmente enorme impacto do Bitcoin no meio ambiente? 

Publicidade

A resposta, ao que parece, é complicada. 

Ao reduzir as recompensas de mineração de BTC em 50%, o último halving do Bitcoin irá mais uma vez mudar as metas sobre quem pode direcionar imensas quantidades de eletricidade para a criação de novos BTC e quem não pode.

No começo de tudo, os mineradores de Bitcoin podiam ganhar 50 BTC por bloco; no momento eles ganham 6,25 BTC e em questão de horas essa soma cairá para 3.125 BTC.

À medida que as recompensas da mineração BTC caem cada vez mais, os mineradores independentes estão prestes a ser expulsos do mercado — deixando gigantescos players institucionais que investiram incontáveis ​​milhões de dólares em tecnologia de ponta projetada para maximizar a eficiência das operações de mineração.

“Os mineradores serão forçados a se tornarem mais eficientes para permanecerem lucrativos”, disse ao Decrypt Kyle Schneps, vice-presidente de políticas públicas da Foundry, uma empresa de mineração de criptomoedas e staking.

Publicidade

“Isso significa não apenas máquinas mais eficientes, mas também a energia mais acessível, que tende a ser energia renovável em locais remotos”, acrescentou.

As grandes empresas estão muito melhor posicionadas do que as operações de mineração independentes para dar o salto para máquinas energeticamente eficientes e fontes de energia renováveis ​​de difícil acesso.

O halving vai empurrar essas empresas ainda mais para o domínio — e assim tornará a mineração BTC esmagadoramente o produto de fontes de energia altamente eficientes e muitas vezes renováveis. 

Isaac Holyoak, diretor de comunicações da CleanSpark, gigante da mineração de Bitcoin avaliada em US$ 3,6 bilhões, diz que a empresa prevê que a taxa de hash global do Bitcoin cairá até 15% após o halving.

Publicidade

A taxa de hash do Bitcoin é uma medida da quantidade de poder de computação usado na rede em um determinado momento; o número aumenta à medida que mais mineradores competem para obter recompensas preciosas do BTC.

Uma queda de 15% nessa taxa constituiria uma diminuição significativa no uso de energia, diz Holyoak. “O que é importante nisso é que esses 15% [desaparecidos] são desproporcionalmente maiores consumidores de energia do que os 85% restantes”, disse ele, acrescentando:

“As máquinas que ainda funcionam continuarão a monetizar a energia ociosa e a equilibrar a rede e farão isso de uma forma mais eficiente”.

Impacto ambiental pós halving

Assim, pelo menos no curto prazo, o halving pode significar boas notícias para aqueles preocupados com a sustentabilidade do impacto ambiental da mineração de Bitcoin. Mas outros especialistas do setor dizem que a melhoria pode durar pouco. 

“O próximo evento de halving transformará o processo de mineração de Bitcoin, notório por sua ineficiência inerente, em uma operação com maior eficiência energética do que nunca”, disse ao Decrypt Nishant Sharma, fundador da empresa de pesquisa de mineração de Bitcoin BlocksBridge. “Isso levará a uma redução no consumo de energia? Talvez temporariamente”.

Publicidade

Com o tempo, disse Sharma — à medida que o Bitcoin se torna cada vez mais popular e mais amplamente utilizado para uma variedade de propósitos — as transações na rede aumentarão, aumentando proporcionalmente a quantidade de poder computacional necessário para operar a rede.

Não vai demorar muito para que esses aumentos superem as reduções provocadas pelo halving desta semana, disse ele. 

Portanto, a redução pode muito bem significar boas notícias para as perspectivas ambientais imediatas do Bitcoin. 

Mas isso é muito diferente de dizer que o evento trará o fim — ou mesmo o começo do fim — de debates acalorados sobre o ainda colossal consumo de energia da indústria cripto.

Isso não parece desaparecer tão cedo: no início desta semana, a Noruega introduziu uma lei que daria efetivamente ao governo do país o poder de encerrar operações de mineração de criptomoedas consideradas prejudiciais ao meio ambiente. 

*Traduzido e editado com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin ao lado de celular com logo da mt gox

Manhã Cripto: Bitcoin cai após Mt. Gox mover US$ 9 bilhões em BTC

A grande movimentação de Bitcoin pela Mt. Gox é um sinal de que, muito em breve, os investidores lesados pelo hack de 2014 serão ressarcidos
CEO da Galaxy Digital, Mike Novogratz, em entrevista ao BNN Bloomberg no YouTube

O Bitcoin precisa de uma nova narrativa para voltar a subir, segundo CEO da Galaxy Digital

Mike Novogratz também acredita que o preço do BTC flutue entre US$ 55 mil e US$ 75 mil até que novos eventos ocorram
Imagem da matéria: Herdeiro paga R$ 2,2 milhões em Bitcoin para resgatar vítima de sequestro em Petrópolis, mas é enganado

Herdeiro paga R$ 2,2 milhões em Bitcoin para resgatar vítima de sequestro em Petrópolis, mas é enganado

Ao todo, vítima gastou quase R$ 5 milhões nos pagamentos: além do envio de Bitcoin, foram 40 depósitos bancários
Anic de Almeida Peixoto Herdy é casada com herdeiro da Unigranrio

Herdeira é sequestrada em Petrópolis e criminosos exigem resgate em Bitcoin

Técnico de informática amigo do casal conversou com sequestradores por entender de criptomoedas e foi preso por suspeita de envolvimento