Imagem da matéria: Nona semana seguida de queda do Bitcoin: o que isso representa? | Opinião
Foto: Shutterstock

Apesar de ensaiar uma leve recuperação na segunda-feira (30), o Bitcoin registrou na semana passada a nona semana seguida de queda, alcançando um marco nunca antes visto de desvalorização do valor desse ativo.

No entanto, é necessária uma análise detalhada sobre todo o contexto para entendermos exatamente os motivos pelos quais esse cenário de queda chegou a esse marco, bem como para a execução de estratégias nesse momento.

Publicidade

Impacto do cenário macroeconômico

As últimas semanas foram de forte movimento de lateralização. De uma forma geral, a performance ainda segue um caminho de queda, porém, de forma branda, visto que há algum tempo estamos falando sobre a luta do Bitcoin para se manter no patamar de US$30 mil.

Nesse momento, os fatores macroeconômicos são os principais agentes causadores do chamado “inverno cripto”. Afinal, o humor dos investidores tem sido fortemente impactado por políticas monetárias, principalmente ações para aumentar juros e conter a inflação, que está em níveis elevados em diversos países do mundo.

O resultado natural desse movimento é a busca por alternativas mais conservadoras, como títulos de renda fixa que podem apresentar bons rendimentos em momentos de juros em alta.

Pré-halving do Bitcoin

Além do contexto econômico mundial, é importante lembrar sobre um fato histórico: o momento pré-halving do Bitcoin.

Tradicionalmente, em um período que compreende os dois anos anteriores ao processo que reduz a emissão de novos bitcoins (BTC) pela metade há um movimento natural de lateralização do mercado.

Publicidade

Se olharmos para os dois últimos ciclos completos de halving do Bitcoin (2012-2016 e 2016-2020), é possível identificar um padrão que faz com que a moeda alcance sua alta histórica no primeiro ou segundo ano após o halving.

Isso acontece devido ao choque de oferta de novos Bitcoins no mercado e aumento da demanda pelos investidores que cresce a cada ano.

Ainda de acordo com o padrão histórico, estamos passando por um momento de pré-halving, muito marcado pela lateralização dos preços. Porém, tradicionalmente foi seguido por movimento que chamamos de bull run (corrida dos touros), momento em que a procura pelo Bitcoin se intensifica, visto que a oferta será drasticamente reduzida no ano seguinte com o novo halving.

Chegamos ao fim do poço?

É difícil dizer se o recorde de nove semanas em queda será renovado. De fato, o momento apresenta um cenário complicado para ativos voláteis como o Bitcoin ou mesmo como ações de empresas listadas em Bolsa.

Publicidade

A manutenção do conflito na Europa e o possível novo aumento dos juros por parte do FED são fatores que podem indicar que esse inverno cripto ainda está longe de acabar.

Sobre isso, vale destacar que o Bitcoin está cada vez mais inserido na sociedade, dessa forma, uma política monetária como a atual pode causar impactos diferentes de outras épocas, resultando em uma demora para recuperação do ativo.

Nada muda para o Bitcoin

Mesmo com todo esse cenário, é sempre interessante lembrar que os fundamentos do Bitcoin seguem inalterados. Esse ativo continua sendo a melhor alternativa para quem busca uma forma de proteger seu capital contra a inflação ou mesmo para quem busca um caminho para investir pensando no longo prazo.

Alguns fatos e movimentos recentes mostram que, mesmo com a queda, o Bitcoin está caminhando para se transformar em um dos mais relevantes pilares da economia mundial.

O principal fator é a crescente adoção da moeda como instrumento de negociação em relações comerciais e a aceitação como moeda oficial em diversas localidades em todo o mundo.

Publicidade

A facilidade para realizar negociações envolvendo essa moeda faz com que seja mais fácil do que utilizar serviços de investimentos bancários, por exemplo, atraindo atenção de diferentes tipos de usuários, consumidores e investidores.

Por fim, ainda vale destacar que os debates sobre a regulamentação do Bitcoin e das criptomoedas aumentam diariamente. Portanto, mesmo que essas leis criem processos como a declaração desses ativos, a tendência é que sirva para impulsionar o universo cripto em todo o mundo.

Sobre o autor

José Artur Ribeiro é CEO na Coinext. Economista formado pela Università di Roma (Itália) e investidor em criptomoedas desde 2014. Possui mais de 15 anos de experiência em cargos de liderança. Foi CFO da Hexagon Mining e CFO da Vodafone Brasil. Trabalhou também em multinacionais como Airbus Industries (França) e PricewaterhouseCoopers (Itália e Brasil).

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Hamster Kombat: Veja o Daily Combo e Cipher Code desta sexta (12)

Hamster Kombat: Veja o Daily Combo e Cipher Code desta sexta (12)

Procurando a combinação diária e o código cifrado para sexta-feira, 12 de julho? Aqui está o que você precisa para ganhar no jogo do Telegram, Hamster Kombat
Imagem da matéria: Jogador que traiu Iza perdeu R$ 50 mil na pirâmide Braiscompany

Jogador que traiu Iza perdeu R$ 50 mil na pirâmide Braiscompany

Yuri Lima entrou na Justiça alegando ter aplicado R$ 50 mil na Braiscompany, pirâmide financeira que ruiu em dezembro de 2022
Imagem da matéria: PF derruba quadrilha que enviou R$ 1,6 bilhão para exterior com uso de criptomoedas e doleiros

PF derruba quadrilha que enviou R$ 1,6 bilhão para exterior com uso de criptomoedas e doleiros

Estima-se que foram importados para o país mais de 500 mil telefones celulares pela organização criminosa nos últimos cinco anos
Imagem da matéria: Prefeito do Rio sanciona lei que facilita criação de nova Bolsa de Valores

Prefeito do Rio sanciona lei que facilita criação de nova Bolsa de Valores

Eduardo Paes sancionou uma lei que reduz o ISS cobrado sobre atividades da bolsa de valores que pode estrear no Rio em 2025