Imagem da matéria: New York Times, Dow Jones, Bloomberg e Financial Times entram na Justiça para descobrir quem são os credores da FTX
Foto: Shutterstock

Um grupo de grandes empresas de mídia que entraram em comum acordo apresentou nesta quinta-feira (04) outra objeção à decisão de um juiz federal de manter em sigilo os nomes dos credores da FTX

De acordo com o documento, New York Times, Dow Jones, Bloomberg e Financial Times disseram que não há base legal para manter em sigilo os nomes das pessoas que recebem dinheiro da falida exchange.

Publicidade

A FTX faliu no ano passado e seu colapso foi altamente divulgado. Os 50 maiores credores devem cerca de US$ 3,1 bilhões e disseram repetidamente ao tribunal que querem que seus nomes sejam mantidos em segredo. 

Os credores institucionais foram revelados em documentos judiciais em janeiro e incluíam empresas como Apple, Netflix e Coinbase, mas o nome de 9,6 milhões credores individuais ainda permanecem em segredo. 

Em novembro, o juiz John Dorsey  — que está supervisionando o caso — decidiu colocar em sigilo os nomes dos credores da FTX a pedido da empresa. A FTX argumentou que a publicação dos nomes poderia revelar informações privadas e comprometer sua segurança.

“Os detentores de criptomoedas são particularmente suscetíveis a fraudes e roubos”, disse no ano passado um grupo de clientes da FTX de fora dos Estados Unidos. No entanto, a mídia recuou e o juiz permitiu que eles discutissem o caso em janeiro. 

Publicidade

A FTX era uma marca global do setor de criptomoedas que permitia principalmente aos clientes comprar, vender e apostar no preço futuro dos ativos digitais.

A empresa faliu de forma rápida e inesperada em novembro do ano passado, devido a uma má administração e um fracassado mix de investimentos, conforme descrevem agora os promotores de justiça.

A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) alega ainda que o ex-chefe da FTX, Sam Bankman-Fried, que alegou que mal dormia e tomava estimulantes para administrar o gigante cripto, ocultou o desvio de fundos de clientes para a empresa irmã, Alameda Research.

Em decorrência disso, Bankman-Fried agora enfrenta 13 acusações criminais, incluindo fraude eletrônica e conspiração para cometer lavagem de dinheiro.

Supostamente, ele também teria feito 300 doações ilegais a políticos nos Estados Unidos para “tentar comprar influência sobre a regulamentação de criptomoedas em Washington, DC”.

Publicidade

*Traduzido com autorização do Decrypt

Não perca dinheiro. No Mercado Bitcoin, você pode fazer staking de Ethereum de maneira segura e simples. Abra sua conta agora e comece a ganhar recompensas sobre seus investimentos em criptomoedas.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: McDonald's lança seu próprio metaverso - e os proprietários de NFTs do Grimace são VIPs

McDonald’s lança seu próprio metaverso – e os proprietários de NFTs do Grimace são VIPs

A rede de fast food McDonald’s acaba de lançar um mundo metaverso para clientes de Singapura, com vantagens especiais para titulares de NFTs do Grimace
Rainha Das Criptomoedas, Ruja Ignatova, posa para foto

Há mais evidências de que a “Rainha das Criptomoedas” foi assassinada por chefão das drogas, diz BBC

Podcast da BBC sugere que relatos anteriores sobre o assassinato da búlgara Ruja Ignatova são verdadeiros
Propaganda do jornal Epoch Times

CFO de jornal é acusado de lavagem de dinheiro com criptomoedas no valor de US$ 67 milhões

Executivo é acusado de usar a equipe “Make Money Online” do veículo de notícias para lavar o produto da fraude usando criptomoedas
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin começa semana em alta e volta a buscar faixa de US$ 70 mil

Manhã Cripto: Bitcoin começa semana em alta e volta a buscar faixa de US$ 70 mil

Bitcoin abre o primeiro dia útil da semana em forte alta: valorização de 2,5% nas últimas 24 horas, cotado em US$ 69.107