Nassim Taleb: Líbano, do esquema Ponzi feito por um Banco Central à antifragilidade

Nassim Taleb: Líbano, do esquema Ponzi feito por um Banco Central à antifragilidade
Para Nassim Taleb, bitcoin é uma forma de apólice de seguro contra bancos centrais (Foto: Shutterstock)


Cerca de dois anos antes do recente colapso, em um jantar, um membro do parlamento libanês continuava me incomodando por uma previsão econômica. Já havia alguma ansiedade no ar. Minha resposta foi que estávamos enfrentando um desastre financeiro iminente, mas que não eram necessariamente más notícias, a longo prazo. Por quê?

Como esse colapso total pode levar a respostas naturais melhores do que as que teríamos espontaneamente, passando de consertar coisas ruins a consertar coisas piores. A lira era artificialmente mantida forte demais para qualquer setor sobreviver e o sistema financeiro (o Ponzi) estava sugando todo o dinheiro e destruindo a subestrutura econômica. Mas meu argumento era que o colapso (inevitável) levaria a uma adaptação, ao desmame de “empréstimos” crônicos no exterior e, possivelmente, a um grande salto.

Desfinanciar o país era uma necessidade, e as pessoas nunca fazem isso espontaneamente. Nada seria consertado sem um colapso. Eu estava otimista? pessimista? Ele estava tentando descobrir o que eu estava dizendo e não conseguiu, pois não se encaixava em sua classificação estática elementar.

Deixe-me explicar. Os sistemas naturais se compensam e se recuperam dos responsáveis pelo seu stress com bastante eficiência. Se eu estressar meu corpo levantando peso, ele crescerá músculos, melhorará a densidade óssea e minha saúde geral. Se eu tomar remédios, o contrário aconteceria. Se eu abaixar minha voz ou sussurrar, forçando-o a fazer um esforço para me ouvir, você se regulará e, graças ao esforço adicional, se concentrará melhor no que estou dizendo (e irá lembrar da conversa por muito mais tempo).

Leia “Antifrágil” para mais detalhes. Mas observe que 1) todos estressores não são necessariamente bons (cair um metro é bom para a força óssea, dez metros … nem tanto); 2) respostas excessivamente compensadoras exigem, para ocorrer, um ambiente geral saudável.
Portanto, a pior coisa que você pode fazer a um país é fornecer petróleo ou algum recurso valioso, e não apenas por causa da chamada doença holandesa (os recursos arruínam o resto da economia).

Ao contrário da Arábia Saudita de hoje, os fenícios (cananeus costeiros) praticamente não tinham nada (exceto madeira) e nenhum cobre quando estava na moda ter alguns (isto é, durante a Idade do Cobre). Então eles aprenderam a navegar em grande parte para obter o mineral de Chipre (aliás, batizado em homenagem a ele), e o restante da sobrecompensação é história.

Depois de aprender a ir para o Chipre, você pode descobrir como ir para outro lugar, depois de aprender a comprar, descobrir como vender e depois de aprender a construir uma rede, você a explora ao máximo. Da mesma forma, hoje, Cingapura e Hong Kong são as economias mais bem-sucedidas, embora desprovidas de recursos — Cingapura precisa importar água. O mesmo se aplica a sucessos históricos semelhantes: República Holandesa, Veneza, Gênova, Cartago. Considere as rejeições do pós-guerra pela Alemanha, Japão, Rússia Soviética, etc.



Então, estamos entrando em uma fase no Líbano, quando as pessoas são forçadas a lembrar de repente que existe um solo e algo chamado agricultura, então elas começaram a se concentrar em itens cultivados em casa — quando seus ancestrais haviam trabalhado no terraço da montanha para espremer todos os grão de sorgo ou trigo a partir dele.
O outro elemento positivo é que as pessoas no Líbano estão começando a entender que o governo central tem sido incompetente demais para melhorar as coisas — na verdade, o governo tem sido (e será) o problema.

Os municípios tiveram que resolver o assunto com suas próprias mãos, alguns com extremo sucesso (Zahle). O discurso geopolítico (Arábia Saudita x Irã, Neptun x Saturno etc.) tornou-se finalmente obsoleto: o localismo ganhou impulso, pois as pessoas agora percebem que a coleta de lixo, a água e a eletricidade importam mais do que as questões globais.

Finalmente, quais são as condições para adaptações positivas? Tudo o que precisamos do governo é garantir boas comunicações (isto é, agora, bom acesso à Internet), segurança e — gostemos ou não — uma moeda livremente flutuante. Pois a condição mais importante para um salto real é um bom sistema educacional e, o que não se sabe, o Líbano possui um nível comparativamente extremamente alto de sofisticação técnica, como evidenciado pela fuga de cérebros crônica.

(Eu explico no livro “Antifrágil” porque o ensino médio importa muito mais do que a faculdade). E a fuga de cérebros foi interrompida pelo COVID 19 – na verdade, muitos libaneses na indústria de tecnologia estão trabalhando em telecomunicações, pois os vistos de trabalho no Ocidente foram congelados. E enquanto o estado Ponzi matou os pequenos artesanatos (carpintaria, oficinas artesanais), até agora preservou o nível educacional dos jovens. Algo na cultura libanesa ainda favorece respostas antifrágeis.

Comentário 1: Os libaneses estão muito apegados à corrupção. É ruim, causa perda de confiança social, traz injustiça. Mas a corrupção não necessariamente desacelera a atividade econômica – burocracia e auxílios sim. Apenas considere quantos lugares prosperaram (Roma, Itália renascentista, Revolução Industrial etc.) na presença de um alto nível de corrupção. Além disso, o localismo tende a reduzir a corrupção.

Comentário 2: BANCO. A ideia de “centro financeiro” é obsoleta. O setor bancário não é mais uma “coisa” e será ainda menos no futuro, em parte devido a uma aceleração da desintermediação (fundos), métodos alternativos de compensação (Paypal, dinheiro da Apple, criptomoedas etc.), cartas de alternativas de crédito ( blockchain). Agora está associado ao estado Ponzi. Para resumir, o setor bancário é agora uma coisa tecnológica.

Comentário 3: UNIVERSIDADES. Também é uma coisa do passado, e é por isso que insisto no ensino médio. Você não precisa de muitas aulas em universidade, mas tutores e examinadores guiando os alunos pela Web. 90% dos cursos podem ser subcontratados. Prefiro ver os alunos aprendendo com um dos principais cientistas da computação no Zoom, sob a supervisão de um tutor local, do que com algum professor local. Mudamos o #RWRI (Real World Risk Institute) para 100% on-line e muitos libaneses estão participando remotamente. As universidades agora são uma coisa da mídia social.

*O artigo foi originalmente publicado no Medium e traduzido pelo Portal do Bitcoin com autorização do autor.

Sobre o autor

Nassim Nicholas Taleb é um dos maiores pensadores de risco do mundo, famoso pela lógica do ‘cisne negro’. Após enriquecer no mercado financeiro, ele também virou autor de best-seller no setor.