Imagem da matéria: O que Bolsonaro disse sobre a criptomoeda indígena e o Bitcoin no Flow Podcast
Jair Bolsonaro no podcast Flow (Foto: Reprodução/YouTube)

O presidente Jair Bolsonaro voltou a falar sobre bitcoin na entrevista de mais de cinco horas que concedeu ao podcast Flow na segunda-feira (8), para mais uma vez atacar a antiga gestão da Funai e o polêmico projeto de criptomoeda indígena.

Quando questionado pelo apresentador sobre o que ele achava de bitcoin, Bolsonaro confessou não conhecer nada sobre a criptomoeda. “Eu nunca mexi com isso. Não sei o que é bitcoin e acho que a maioria da população não sabe”, afirmou.

Publicidade

O apresentador também questionou se Bolsonaro tomaria alguma ação para regular o mercado brasileiro de criptomoedas, mas ele disse que sobre esse assunto, teria que perguntar para o Ministro da Economia, Paulo Guedes.

Como já fez várias vezes no passado, Bolsonaro trouxe à tona a discussão sobre bitcoin para distorcer um projeto da Funai que nunca saiu do papel e afirmar que impediu sua continuidade.

“Descobri que Funai tinha um contrato de R$ 50 milhões para ensinar índio mexer com bitcoin. Na transição, vamo [sic] cancelar isso aí. […] É sacanagem”, disse o presidente eleito em 2018 com a defesa de pautas anti-povos originários.

A polêmica criptomoeda indígena

Ao que Bolsonaro se refere na sua fala não tem qualquer relação real com bitcoin, mas sim um projeto do final de 2018, época em que Michel Temer (MDB) estava na presidência, em que o Funai firmou um contrato de R$ 44 milhões com a Universidade Federal Fluminense (UFF) que previa, entre outras medidas, a criação de uma criptomoeda dos povos indígenas.

Publicidade

O dinheiro seria usado para financiar outros 16 serviços, entre eles o mapeamento e a criação de um banco de dados das terras indígenas. 

Em janeiro de 2019, a ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) já havia barrado a licitação e em setembro de 2020, a Funai deu fim definitivo à parceria.

O caso tomou grandes proporções na primeira semana de Bolsonaro na presidência e representou a primeira vez que o político fez uma menção ao universo das criptomoedas

Desde então, o assunto volta a ganhar atenção toda vez que Bolsonaro o utiliza para criticar gestões anteriores. Outros parceiros do governo também usam a história com a mesma finalidade.

Publicidade

Recentemente, o presidente da Funai, Marcelo Xavier, usou a criptomoeda indígena para responder às críticas que vinha recebendo pela falta de esforços da entidade nas buscas do indigenista Bruno Araújo Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips, desaparecidos no Vale do Javari (AM).

Em carta publicada em 13 de junho, Xavier afirmou que a Funai enfrentava uma série de problemas crônicos na região, que supostamente seriam uma herança deixada por gestões anteriores. Entre os fracassos do passado, ele cita a criptomoeda do índio.

“O que havia era malversação dos recursos, que nunca eram aplicados da forma adequada, vide o caso da criação de uma criptomoeda indígena, cujo contrato foi cancelado na nossa gestão e que, se fosse adiante, causaria um prejuízo de R$ 45 milhões aos cofres públicos”, escreveu Xavier na época.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: MB diversifica portfólio e anuncia onze novas listagens em maio de 2024

MB diversifica portfólio e anuncia onze novas listagens em maio de 2024

“Muitas dessas novidades podem ser acessadas a partir de R$ 1. Isso dinamiza nosso portfólio, e viabiliza a democratização”, diz executivo
Imagem da matéria: Como a tokenização vai revolucionar o agronegócio no Brasil | Opinião

Como a tokenização vai revolucionar o agronegócio no Brasil | Opinião

Em 2023 o PIB do agronegócio correspondeu a quase 24% do PIB do Brasil, conforme aponta pesquisa feita pela USP
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos
Imagem da matéria: MB lança campanha comemorativa de 11 anos com ‘cakeback’ e oferece chance de ganhar dois ETH

MB lança campanha comemorativa de 11 anos com ‘cakeback’ e oferece chance de ganhar dois ETH

Os incentivos serão válidos para clientes antigos e novos entrantes da plataforma; campanha seguirá ativa por todo o mês de junho de 2024